Irã executa jornalista dissidente condenado por estimular violência em protestos

Filho de clérigos xiitas pró-reforma, Zam tinha fugido do Irã e recebido asilo na França

Reuters
12 de dezembro de 2020 às 06:11
O jornalista dissidente iraniano Ruhollah Zam durante julgamento
Foto: Reprodução - mai.2020 / Reuters

O jornalista dissidente iraniano Ruhollah Zam, que foi condenado por estimular a violência durante protestos antigoverno em 2017, foi morto neste sábado (12), segundo a emissora de TV estatal do Irã.

Na terça-feira (8), a Suprema Corte do país manteve a sentença de morte dada a Zam, capturado em 2019 após anos em exílio. 

Assista e leia também:
FDA autoriza uso emergencial de vacina da Pfizer nos EUA
1ª dose da vacina da Pfizer será aplicada nos EUA em menos de 24 h, diz Trump
Fim do mistério: nos 40 anos do Chester, empresa divulga fotos do animal vivo

A emissora estatal Seda va Sima disse que Zam, “diretor da rede contra-revolucionária Amadnews, foi enforcado nesta manhã”.

A França e grupos de defesa dos direitos humanos condenaram a decisão. Filho de clérigos xiitas pró-reforma, Zam tinha fugido do Irã e recebido asilo na França.

Em outubro de 2019, a Guarda Revolucionária Iraniana disse que havia capturado Zam “durante uma operação complexa”, mas não mencionou onde ela foi realizada.

Autoridades iranianas acusaram os Estados Unidos, além do rival regional de Teerã, Arábia Saudita, e de opositores do governo que vivem em exílio de alimentarem a inquietação, que começou no fim de 2017, quando os protestos motivados pela crise econômica se espalhavam pelo país.