Biden será vacinado na próxima semana; Pence na 6ª e Trump espera decisão médica

Autoridades americanas devem ser vacinadas em público para demonstrar a segurança do imunizante da Pfizer contra a Covid-19

Por Trevor Hunnicutt e Steve Holland, da Reuters
17 de dezembro de 2020 às 02:41
Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, em Wilmington, Delaware (23.nov.2020)
Foto: Joshua Roberts/Reuters


O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, será vacinado contra o novo coronavírus na próxima semana, disseram autoridades do gabinete de transição na quarta-feira.

Já o atual vice-presidente Mike Pence receberá a vacina da Pfizer nesta sexta-feira, informou a Casa Branca.

O atual presidente, DonaldTrump, receberá a vacina assim que sua equipe médica determinar que é a melhor, disse o secretário de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, na terça-feira. O presidente foi hospitalizado após teste positivo para a Covid-19 durante a campanha.

A esposa de Pence, Karen, e o cirurgião-geral Jerome Adams também receberão a vacina na sexta-feira, informou a Casa Branca.

A equipe de transição de Biden não disse quando a vice-presidente eleita, Kamala Harris, receberia a vacina.

Leia também:
Alasca confirma caso de reação adversa severa a vacina contra Covid-19

Norte-americana de 107 anos vence a Covid-19

Vacinação em público

Tanto Biden quanto Pence devem ser vacinados publicamente em um esforço para aumentar a confiança dos americanos na segurança do imunizante.

"Não quero furar a fila, mas quero ter certeza de que demonstramos ao povo americano que é seguro tomar a vacina", disse Biden em um evento na quarta-feira. Aos 78 anos, o próximo presidente americano está em uma categoria de alto risco para o novo coronavírus devido à sua idade.

Biden prometeu fazer da luta contra o vírus sua principal prioridade quando assumir o cargo em 20 de janeiro. O presidente Donald Trump, que perdeu a eleição de 3 de novembro para Biden, frequentemente minimizou a gravidade da pandemia, que matou 304.187 americanos até agora, e brigou com seus principais funcionários de saúde pública.

As doses iniciais da vacina, que se tornaram disponíveis nos Estados Unidos esta semana, foram reservadas para médicos, enfermeiras e outros profissionais de saúde da linha de frente, juntamente com residentes e equipes de lares de idosos e alguns funcionários do governo dos EUA.

Autoridades americanas pretendem obter 2,9 milhões de doses da vacina, desenvolvida pela Pfizer Inc e a parceira alemã BioNTech SE, até o final da semana.

Um trabalhador de saúde no Alasca teve uma reação alérgica grave depois de receber uma dose, disseram autoridades na quarta-feira - no que se acredita ser a única reação adversa até agora nos Estados Unidos.