Painel da FDA recomenda autorização da vacina da Moderna para uso emergencial

Da CNN, em São Paulo
17 de dezembro de 2020 às 19:12 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 19:48

 

Um comitê técnico do FDA (Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos, órgão equivalente à Anvisa) recomendou nesta quinta-feira (17) a aprovação emergencial da vacina da farmacêutica Moderna contra a Covid-19.

O imunizante ainda não foi autorizado e deve ser analisado pelo órgão, mas o aval dos especialistas é um sinal importante.

Esse é o mesmo grupo que teve discussão semelhante na semana passada sobre a candidata da Pfizer/BioNTech, que já está sendo aplicada no país. 

Leia também:

Quais países já começaram a vacinação contra a Covid-19 e quais são os próximos

Veja o andamento da análise das vacinas contra Covid-19 no Brasil

As duas vacinas, aliás, usam a mesma tecnologia de RNA mensageiro e tiveram taxas de eficácia parecidas nos testes clínicos, de 94% da Moderna e 95% da Pfizer. 

No entanto, o imunizante analisado nesta quinta pode ser armazenado em -20ºC, temperatura que é atingida por freezers comuns, o que a torna mais acessível para comunidades menores.

A vacina da Pfizer requer transporte a -70ºC, o que só é possível usando supercongeladores.

Na última terça (15), o FDA publicou uma análise da vacina, que diz que ela tem um "perfil de segurança favorável", que não levanta "preocupações de segurança específicas que inviabilizariam a emissão de uma autorização de uso emergencial". 

Depois do aval do grupo à candidata da Pfizer, a agência autorizou o uso no dia seguinte. Logo, a vacina da Moderna pode se tornar a segunda contra Covid-19 aplicada nos EUA. 

(*Com informações de Eric Levenson e Jacqueline Howard, da CNN Internacional)