Comitê dos EUA recomenda uso emergencial da vacina da Moderna

A recomendação do comitê corrobora a expectativa de que o diretor do CDC, Robert Redfield, dê a autorização definitiva ainda neste final de semana

Da CNN, em São Paulo*
19 de dezembro de 2020 às 18:17 | Atualizado 19 de dezembro de 2020 às 18:19
Vacina contra Covid-19 da Moderna
Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Estadão Conteúdo (15.dez.2020)

O Centro dos Estados Unidos para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) está a um passo de permitir o uso emergencial da vacina contra a Covid-19 produzida pela farmacêutica Moderna. O comitê consultivo de práticas de imunização recomendou neste sábado (19) a vacinação para pessoas acima dos 18 anos.

A recomendação do comitê corrobora a expectativa de que o diretor do CDC, Robert Redfield, dê a autorização definitiva ainda neste final de semana, permitindo que a vacina produzida pela Moderna passe a ser aplicada já a partir de segunda-feira (21).

A fase deste sábado é a terceira de quatro grandes fases. Antes, a vacina foi aprovada também por um painel de especialistas do FDA (Administração de Drogas e Comida, na sigla em inglês) e pela própria diretoria da agência, que é o equivalente americano à Anvisa.

Assista e leia também:

Distribuição da vacina da Moderna já começou, diz oficial da Operação Warp Speed

Vacina da Moderna é a segunda aprovada para uso nos Estados Unidos

Vacina da Pfizer começa a ser administrada nos Estados Unidos nesta segunda

Os Estados Unidos já iniciaram a vacinação contra a Covid-19 no país, utilizando o imunizante produzido pela Pfizer e pela BioNTech. Entre os imunizados, o vice-presidente do país, Mike Pence. 

O diferencial da vacina da Moderna é não necessitar de congeladores super potentes, como é o caso do imunizante Pfizer/BioNTech. A expectativa é que a vacina recém-aprovada seja direcionada para locais onde essa infraestrutura não está disponível, fora dos grandes centros e em postos de saúde regionais.

*Com informações de Ben Tinker, Jen Christensen e Jacqueline Howard, da CNN