Arqueólogos recriam piso do templo por onde Jesus caminhou

"Nós até fizemos os riscos e todos os tipos de marcas que criaram a mesma aparência da época", disse o arqueólogo Assaf Avraham, que participou do projeto

Rinat Harash, da Reuters, em Jerusalém
21 de dezembro de 2020 às 13:59
Arqueologista e réplica de piso do Templo de Jerusalém na era romana
Foto: REUTERS/Amir Cohen

Quando Jesus caminhou pelo antigo templo judeu em Jerusalém, seus pés encontraram pedras lavradas, azulejos em tom de terra que eram geométricos e frios, manchados e desgastados ao toque.

Esse é o entendimento de arqueólogos e pedreiros israelenses que, valendo-se de relíquias e textos históricos, recriaram o piso sagrado.

"Nós até fizemos os riscos e todos os tipos de marcas que criaram a mesma aparência da época", disse o arqueólogo Assaf Avraham à Reuters perto da réplica de um metro quadrado no Monte das Oliveiras, com vista para Cidade Velha de Jerusalém e locais sagrados.

Leia também:
Correspondente Médico: como a ciência explica a fé e os milagres?
Pandemia não impede romarias a Aparecida
China publica novas regras para “proibir o extremismo religioso”

De acordo com o Novo Testamento, Jesus foi ao templo quando menino para peregrinar e estudar e, quando mais velho como pregador, expulsou cambistas. O Evangelho de João o descreve "caminhando no templo pelo pórtico de Salomão".

O templo foi projetado pelo rei Herodes, assim como outras grandes estruturas na Judeia da era romana.

Josephus Flavius, um historiador judeu do período, escreveu que os pátios do templo eram "assentados com pedras de todos os tipos", outra indicação de que os azulejos eram de várias cores e texturas.

Destaques do CNN Brasil Business:
Mutação do coronavírus assusta mercado e Ibovespa tomba 2%; dólar dispara
Após meses de negociações, EUA chegam a acordo sobre estímulo de US$ 900 bilhões
Já pensou em investir em hits sertanejos e músicas do Paulo Ricardo? É possível

Recriar o piso foi "um trabalho muito duro" que levou sete meses, disse Avi Tavisal, gerente da equipe de artesãos.

"Mas foi muito interessante e fizemos com todo nosso coração", afirmou ele. "Esperamos que isso seja algo que as pessoas possam vir, ver, tocar e sentir como era 2.000 anos antes."