Argentina autoriza uso emergencial da Sputnik V e da vacina da Pfizer

O Ministério da Saúde do país contabilizou 42.254 mortes pelo vírus

Da CNN, em São Paulo
23 de dezembro de 2020 às 13:52 | Atualizado 23 de dezembro de 2020 às 14:24

 
A Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica da Argentina (Anmat) autorizou o registro de uso emergencial da vacina da Pfizer contra a Covid-19 e da Sputnik V, imunizante produzido pela Rússia.

A entidade de saúde indicou que esta vacina atende a "uma relação risco-benefício aceitável", o que permitiu a concessão do registro. A autorização foi concedida pelo prazo de um ano e estará na condição de “venda sob prescrição”.

Enfermeira com frasco com vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19 no Reino Unido

De acordo com as autoridades argentinas, a vacina possui 

Foto: Jacob King/Pool via Reuters (8.dez.2020)

Leia e assista também:

Governo do México diz que começará a vacinação contra o Covid-19 na quinta-feira
Mundo tem recorde de novas mortes de Covid-19

A Anmat comunicou que deve ser cumprido um plano de gestão de riscos, além de transmitir os relatórios de progresso ao Instituto Nacional de Medicamentos (Iname).

Um voo da Aerolineas Argentinas chegou nesta quarta-feira (23) em Moscou, onde coletará as 300 primeiras doses da vacina russa Sputnik V. 

A Argentina é o primeiro país latinoamericano a registrar oficialmente a vacina Sputnik V para uso em seu terrítório, de acordo com o Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF).

O Ministério da Saúde do país informou que na terça-feira  foi contabilizado um total de 1.555.279 casos de Covid-19 e 42.254 mortes pelo vírus.

(Com informações de Ana Cucalón, da CNN em espanhol)