Famílias de vítimas da Covid-19 na Itália querem € 100 milhões de indenização

Cerca de 500 parentes de pessoas que morreram por causa da doença entram na Justiça contra primeiro-ministro, o ministro da Saúde e o governador da Lombardia

Reuters
23 de dezembro de 2020 às 13:30 | Atualizado 23 de dezembro de 2020 às 13:31
No começo da pandemia, Exército foi chamado em Bérgamo, na Itália, para retirar corpos da cidade
Foto: Sergio Agazzi - 18.mar.2020/Reuters

Cerca de 500 parentes de pessoas que morreram de Covid-19 na Itália informaram nesta quarta-feira (23) que darão início a uma ação judicial contra as autoridades regionais e nacionais, pedindo 100 milhões de euros (cerca de R$ 640 milhões) em danos.

A ação civil, que os demandantes disseram que apresentariam a um tribunal de Roma, é contra o primeiro-ministro Giuseppe Conte, o ministro da Saúde Roberto Speranza e o governador da região da Lombardia, Attilio Fontana.

Os porta-vozes dos três políticos não responderam a um pedido de comentário feito pela Reuters.

A Itália, primeiro país ocidental atingido pelo novo coronavírus, acumula quase 70 mil mortes por Covid-19 desde fevereiro, o maior número de mortes na Europa e o quinto maior do mundo. A região mais afetada é a Lombardia, onde o primeiro caso de Covid-19 foi detectado em 20 de fevereiro.

A ação está sendo movida por membros de uma comissão chamada "Noi Denunceremo" (Vamos denunciar), criada em abril para representar os parentes das pessoas que morreram em Bérgamo, uma das cidades mais afetadas da Lombardia.

Assista e leia também:
Governo da Itália concorda com solicitação de novas restrições na Lombardia
Italianos lotam centro de Roma para compras de Natal; papa lamenta consumismo
Itália ordena novo lockdown para festas de fim de ano

"Este processo é nosso presente de Natal para aqueles que deveriam ter feito sua obrigação, mas não fizeram", disse o presidente do grupo, Luca Fusco, em comunicado.

O comitê disse que, quando a pandemia começou, as autoridades locais da Lombardia e o governo central não tomaram medidas rápidas que poderiam ter evitado a necessidade de um lockdown nacional e os danos econômicos que isso trouxe.

Eles também denunciam uma suposta falta de preparação, pois nem Roma nem a região da Lombardia têm um plano atualizado em vigor para lidar com uma possível pandemia.

“Será pedido às autoridades uma indemnização média de € 259 mil (1,6 milhão) por pessoa, com um dispêndio total de cerca de € 100 milhões”, diz o comunicado do grupo.

Em junho, o "Noi Denunceremo" pediu aos promotores em Bérgamo que investigassem a possível responsabilidade criminal na gestão da pandemia.

Conte foi interrogado pelos promotores durante o verão como testemunha, mas não está sob investigação criminal.