Polícia acredita que responsável por explosão em Nashville cometeu suicídio

Três pessoas ficaram levemente feridas durante a explosão ocorrida na cidade americana

Giulia Alecrim*, da CNN, em São Paulo
26 de dezembro de 2020 às 19:46 | Atualizado 26 de dezembro de 2020 às 20:45

 

A polícia americana de Nashville (Tennessee) informou neste sábado (26), que acredita que o responsável pela explosão de um veículo na manhã de sexta-feira (25), cometeu suicídio durante o ato intencional.

Até o momento, o culpado por estacionar um motorhome no centro da cidade (166 2nd Avenue) em frente ao escritório do AT&T ainda não foi identificado. Três pessoas ficaram levemente feridas durante a explosão.

Leia e assista também:
Nashville: veículo emitiu contagem regressiva 15 minutos antes de explodir
Possíveis restos humanos são encontrados em local da explosão em Nashville

A Polícia já recebeu mais de 500 pistas sobre o caso que estão sob investigação do FBI e do ATF (Escritório de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos).

De acordo com as últimas informações divulgadas pela polícia, não há nenhuma ameaça ativa neste momento em Nashville. 

A área do acidente continua sendo analisada e o toque de recolher continuará, pelo menos, até a tarde de domingo (27). Durante esta manhã, a Polícia encontrou um tecido, possivelmente humano, próximo ao local. O material ainda precisar ser examinado para confirmar a informação. 

Sobre o caso

A Polícia recebeu um chamado por volta das 06h da manhã (hora local) de sexta-feira (25) sobre um veículo suspeito que estava estacionado no centro da cidade. Ao chegar no local, a Polícia informou ter ouvido a contagem regressiva de uma explosão vinda de dentro do veículo, que cronometrava 15 minutos.

Imediatamente, os funcionários iniciaram uma evacuação dos prédios próximos ao acidente, que atingiu mais de um bloco da avenida e danificou ao menos 40 comércios. Vidros foram estraçalhados, carros incendiados e árvores foram derrubadas.

(*Com supervisão de Evelyne Lorenzetti)

Rua em Nashville após explosão de carro (26 dez. 2020)
Foto: Reprodução / CNN