Samuel Little, considerado o pior assassino em série dos EUA, morre aos 80 anos

Little confessou 96 assassinatos, de acordo com o FBI, que disse que suas admissões eram "verossímeis"

Seán Federico-O'Murchú, da CNN, em Nova York
31 de dezembro de 2020 às 05:19
Foto: Bob Chamberlin

Samuel Little, considerado o assassino em série mais conhecido da história americana, morreu aos 80 anos, disse o Departamento de Correções e Reabilitação da Califórnia na quarta-feira (30).

Ele estava cumprindo três sentenças de prisão perpétua sem liberdade condicional em Los Angeles pelas mortes de três mulheres no final dos anos 1980.

Little confessou outros 93 assassinatos, de acordo com o FBI, que disse que suas admissões eram "verossímeis".

Leia também:
Com 1.194 novas mortes por Covid-19, Brasil se reaproxima do patamar de agosto
Boston remove estátua de ex-escravo ajoelhado diante do presidente Lincoln

Seu histórico de assassinatos foi divulgado em um relatório divulgado em novembro de 2018 pelo FBI. A agência disse que seu nome apareceu em seu Programa de Apreensão de Criminosos Violentos, conhecido como ViCAP, em conexão com uma série de assassinatos não resolvidos em todo o país.

Um assassinato em Odessa, Texas, parecia ser particularmente relevante, então dois analistas criminais do FBI e James Holland, do Texas Rangers, foram ver Little para tentar fazê-lo falar.

"Durante aquela entrevista em maio", disse a analista criminal da ViCAP Christina Palazzolo em um artigo do FBI, "ele percorreu a cidade e o estado e deu ao Ranger Holland o número de pessoas que matou em cada lugar. Jackson, Mississippi – um; Cincinnati, Ohio – um; Phoenix, Arizona -–três; Las Vegas, Nevada – um. 

Little tinha como alvo mulheres marginalizadas e vulneráveis ??que frequentemente estavam envolvidas na prostituição ou viciadas em drogas, disse o artigo do FBI. 

Palazzolo e Angela Williamson, assessora de política sênior do Departamento de Justiça e contato da ViCAP, que falaram com Little, disseram que ele se lembrava de muitos detalhes das mortes.

O FBI disse em outubro de 2019 que a polícia conseguiu verificar 50 confissões, com muitas outras pendentes de confirmação final.