O que se sabe sobre o farmacêutico que danificou doses de vacina contra Covid-19

Homem foi preso e identificado como Steven Brandenburg, de 46 anos. Policiais informaram que o profissional destruiu doses propositalmente

Por Karoline Porto, colaboração para a CNN
04 de janeiro de 2021 às 15:48
Funcionário de hospital nos EUA exibe dose de vacina da Moderna contra Covid-19
Doses danificadas eram da farmacêutica Moderna
Foto: Eduardo Munoz - 21.dez.2020/Reuters

O farmacêutico preso sob suspeita de danificar doses de vacina contra a Covid-19 em um hospital de Wisconsin, nos Estados Unidos, foi identificado pela imprensa americana como Steven Brandenburg, de 46 anos. O hospital afirmou ainda desconhecer o motivo do crime. 

O profissional de saúde foi detido no último dia 31 pela polícia local, após ter confirmado para a direção do Advocate Aurora Health Hospital, onde trabalhava na cidade de Grafton, ser o responsável por retirar e deixar propositalmente 57 frascos de vacina da farmacêutica Moderna fora do refrigerador. O hospital não quis comentar sobre o funcionário, mas disse em nota que ele foi demitido. 

Leia também:

Painel Covid-19: acompanhe a evolução da pandemia do novo coronavírus no Brasil

Cada frasco contém 10 doses, suficientes para vacinar mais de 550 pessoas. O valor das vacinas danificadas é estimado em cerca de US$ 8 mil e US$ 11 mil (R$ 41 mil e R$ 56 mil, aproximadamente). 

No momento da prisão, a polícia disse apenas que o suspeito detido era um homem branco de 46 anos. A identificação foi feita posteriormente após o cruzamento de dados do registro da prisão do Condado de Ozaukee, para onde Brandenburg foi levado, com informações do registro profissional do farmacêutico no site do Departamento de Segurança e Serviços Profissionais de Wisconsin. No site, o suspeito aparece com o registro de farmacêutico ativo.

O profissional foi detido pelos crimes de colocar em risco a segurança de maneira imprudente, adulterar um medicamento prescrito e danos criminais à propriedade. Nenhum valor de fiança foi listado. 

Nas redes sociais, usuários criaram uma hashtag com o nome do suspeito e pediram por uma investigação mais profunda, para verificar se é a primeira vez que o profissional de saúde teria adulterado medicamentos. Outras críticas na internet afirmam que o farmacêutico cometeu “ato terrorista”.  

A CNN questionou ao Departamento de Serviços de Saúde do estado de Wisconsin se o farmacêutico terá a licença suspensa, mas não recebeu retorno até o fechamento desta reportagem. 

Steven Brandenburg foi preso depois de danificar as doses de vacina
Steven Brandenburg foi preso depois de danificar as doses de vacina
Foto: Ozaukee County Jail/Reprodução

Entenda o caso

A polícia de Grafton começou a investigar o caso na última quarta-feira (30) e apontou que o profissional sabia que estava adulterando as vacinas. 

Em comunicado à imprensa, a polícia informou que “os detetives indicaram que o homem tinha conhecimento de que as vacinas danificadas seriam inúteis e que as pessoas que recebessem as doses pensariam que foram vacinadas contra o novo coronavírus, quando na verdade não foram”.  

O centro médico originalmente afirmou que as doses haviam sido retiradas da geladeira de forma acidental, mas o profissional confessou que agiu intencionalmente. Ele foi demitido do hospital e o caso continua sendo investigado pela Polícia de Grafton e pelo FBI. 

Destaques do CNN Brasil Business:

Mapa do Emprego: Veja quais os setores em alta e como ficam os salários em 2021

Inovação: Quais empresas podem ser os 'unicórnios' brasileiros em 2021

Vale, Ambev: 10 ações recomendadas por corretoras para investir em janeiro

Em coletiva à imprensa, Dr. Jeff Bahr, presidente do Advocate Aurora Health Hospital, disse que o farmacêutico afirmou ter tirado os 57 frascos da refrigeração nas noites entre a véspera e o dia do Natal. As doses foram encontradas fora da geladeira na manhã do dia 26 de dezembro por outro funcionário do hospital. 

A vacina da Moderna pode ser mantida por até 12 horas fora de refrigeração antes de se tornar inefetiva. No sábado (26), 57 pessoas receberam as doses adulteradas. Após constatar o período maior fora da geladeira, o hospital descartou as outras 500 doses e está monitorando os pacientes que foram vacinados com estas doses. 

Segundo a farmacêutica Moderna, fabricante da vacina, as doses devem ser mantidas em refrigeração entre 2º C e 7º C. A empresa disse ao hospital que as doses fora da geladeira são ineficazes contra a Covid-19, mas não trazem nenhum risco adicional. 

O número de casos do novo coronavírus continua subindo no estado americano. Segundo o Departamento de Serviços de Saúde, Wisconsin registrou até este domingo (3) mais de 486 mil casos de Covid-19 e 4.875 mortes relacionadas à doença.