Polícia dos EUA prende farmacêutico suspeito de danificar doses de vacina

O funcionário não identificado do Aurora Medical Center, em Wisconsin, foi demitido após 57 frascos da vacina terem sido encontrados fora da refrigeração

Steve Gorman e Rebecca Spalding, da Reuters
01 de janeiro de 2021 às 13:03
Moderna afirma que sua vacina contra o coronavírus tem 94,5% de eficiência
Moderna afirma que sua vacina contra o coronavírus tem 94,5% de eficiência
Foto: Dado Ruvic/Reuters

O farmacêutico de um hospital de Wisconsin foi preso na quinta-feira (31) sob suspeita de sabotar mais de 500 doses da vacina contra o coronavírus ao retirá-las do refrigerador de propósito para que elas se estragassem, disseram autoridades médicas e a polícia.

O farmacêutico, um funcionário não identificado do Aurora Medical Center em Grafton, Wisconsin, foi demitido após 57 frascos da vacina terem sido encontrados fora da refrigeração esta semana, disseram autoridades.

Leia também:
Bolsonaro vai editar nova MP para destravar processo de aquisição de vacinas
Painel Covid-19: acompanhe a evolução da pandemia do novo coronavírus no Brasil

Cada frasco contém 10 doses. Quase 60 das doses em questão foram administradas antes que os responsáveis pelo hospital terem determinado que o medicamento ficou fora da refrigeração por tempo suficiente para torná-lo ineficaz. As mais de 500 doses restantes foram descartadas posteriormente.

A Moderna, fabricante da vacina, garantiu ao hospital que receber uma injeção das doses removidas da refrigeração não traz nenhum risco além de deixar o paciente desprotegido contra a Covid, disse o dr. Jeff Bahr, presidente do Aurora Health Care Medical Group.

Nem a Aurora Health nem os policiais deram possíveis motivos para a sabotagem. As pessoas que receberam as doses ineficazes foram notificados e precisarão ser inoculados novamente.

A polícia de Grafton disse em comunicado que o farmacêutico "sabia que as vacinas estragadas seriam inúteis e que as pessoas que as recebessem pensariam que foram vacinadas contra o vírus, quando na verdade não foram".