A nove dias do fim do mandato, Trump declara Cuba financiadora do terrorismo

Secretário Mike Pompeo argumenta que regime comunista abriga fugitivos da Justiça americana, líderes rebeldes colombianos e apoia governo de Maduro

Da CNN, em São Paulo*
11 de janeiro de 2021 às 17:49
O presidente dos EUA, Donald Trump, em pronunciamento no Twitter
O presidente dos EUA, Donald Trump, em pronunciamento no Twitter
Foto: Reprodução/Twitter @donaldjtrump (6.jan.2021)

A administração de Donald Trump termina na próxima semana, mas o atual governo americano tomou medida relevante na política externa. O Departamento de Estado dos Estados Unidos declarou Cuba como uma nação financiadora do terrorismo. 

A decisão foi tomada pelo atual secretário de Estado, Mike Pompeo, nesta segunda-feira (11).

Para justificar a decisão, Pompeo afirmou que Cuba entrou na lista por "repetidamente proporcionar atos de terrorismo internacional", abrigando fugitivos americanos e líderes colombianos rebeldes.

O secretário de Estado também citou o apoio de segurança de Cuba ao presidente da Venezuela Nicolás Maduro. 

"Com essa ação, nós mais uma vez fazemos o regime de Cuba responsabilizável e envie uma mensagem clara: o regime Castro deve acabar com o seu apoio ao terrorismo internacional e à subversão da justiça americana", escreveu Mike Pompeo, em comunicado.

Na prática, a medida é simbólica por colocar uma espécie de "legado" para o governo Trump na diplomacia, colocando obstáculos para que a gestão do presidente eleito Joe Biden se reaproxime com o governo da ilha a partir do dia 20.

Assista e leia também:

Ao menos 25 casos de terrorismo doméstico foram abertos pós invasão do Capitólio

Diplomata com experiência em Rússia será indicado por Biden para chefiar CIA

Democratas formalizam novo pedido de impeachment contra Trump

Atualmente, apenas três outras nações são designadas como terroristas pelos EUA: Irã, Coreia do Norte e Síria. O Sudão foi recentemente removido da lista como parte de seu acordo para normalizar os laços com Israel.

Tal designação impõe limitações à ajuda externa dos Estados Unidos, proibição de exportações e vendas de equipamentos de defesa, certos controles sobre as exportações de outros produtos e várias restrições financeiras. Também resultaria em penalização contra quaisquer pessoas e países que se envolvessem em certas atividades comerciais com Cuba.

Segundou apurou a CNN, haviam resistências dentro do Departamento de Estado, por parte dos técnicos que trabalham as relações com Cuba. Por outro lado, a pressão adicional ao regime comunista fundado por Fidel Castro e hoje presidido por Miguel Díaz-Canel era desejada por republicanos da Flórida, estado que abriga emigrantes cubanos.

*Com Reuters