Com 4 cidades em lockdown, China tem maior alta de Covid-19 em mais de 5 meses


Por Jing Wang e Emily Chow, da Reuters
13 de janeiro de 2021 às 01:11
Paciente contaminado pelo novo coronavírus (COVID-19), em Wuhan, na China
Paciente contaminado pelo novo coronavírus sob tratamento em hospital na cidade chinesa de Wuhan, no início da pandemia
Foto: China Daily via Reuters

 

A China registrou o maior salto diário em casos do novo coronavírus em mais de cinco meses, em momento no qual o país tem quatro cidades em lockdown e aumenta testes e outras medidas preventivas. 

A maioria dos novos pacientes foi notificada perto da capital Pequim, mas uma província no nordeste do país também registrou um aumento de novos casos, segundo dados oficiais divulgados nesta quarta-feira (13), em meio a uma nova onda que deixou mais de 28 milhões de pessoas em quarentena domiciliar.

A Comissão Nacional de Saúde disse em um comunicado que um total de 115 novos casos confirmados foram notificados na parte continental do país, em comparação com 55 no dia anterior. Esse foi o maior aumento diário desde 30 de julho.

 

A comissão disse que 107 dos novos casos foram infecções locais. Hebei, a província que circunda Pequim, foi responsável por 90 dos casos, enquanto a província de Heilongjiang, no nordeste, relatou 16 novos casos.

Hebei colocou três cidades - Shijiazhuang, Xingtai e Langfang - em bloqueio como parte dos esforços para evitar que o vírus se espalhe ainda mais, enquanto as autoridades da cidade de Pequim intensificaram as medidas de triagem e prevenção para evitar que outro aglomerado se desenvolva lá.

A província de Heilongjiang declarou na quarta-feira uma emergência por Covid-19. A cidade de Suihua, que faz fronteira com a capital da província Harbin, colocou seus 5,2 milhões de habitantes sob bloqueio.

A maioria dos casos em Heilongjiang foi encontrada no condado de Wangkui, sob a jurisdição de Suihua, que já havia sido encerrado no início desta semana.

A agência de planejamento estatal da China disse que espera que as viagens durante o período do Ano Novo Lunar do próximo mês sejam significativamente menores do que o normal, com uma proporção maior de pessoas usando carros em vez de outros meios de transporte. Muitas províncias pediram aos trabalhadores migrantes que evitem viajar durante o intervalo.

O número de novos casos assintomáticos, que a China não classifica como casos confirmados, caiu de 81 casos um dia antes para 38. Sete deles foram relatados em Jilin, outra província do nordeste que faz fronteira com Heilongjiang, ressaltando o risco de transmissão para diferentes partes do país.

O número total de casos da Covid-19 confirmados na China continental está agora em 87.706, enquanto o número de mortos permaneceu inalterado em 4.634.

(Reportagem de Jing Wang e Emily Chow em Xangai e Liangping Gao e Lusha Zhang em Pequim; escrita por Se Young Lee; Edição de Christian Schmollinger e Michael Perry)