China supera 100 novos casos de Covid-19 pelo 6º dia consecutivo

Os aumentos diários de casos ainda são uma fração do que a China viu no auge do surto no início de 2020

Por Kanishka Singh, da Reuters
18 de janeiro de 2021 às 01:32 | Atualizado 18 de janeiro de 2021 às 01:58
A Comissão Nacional de Saúde disse em um comunicado nesta segunda-feira (18) que um total de 109 novos casos do coronavírus foram relatados em 17 de janeiro
Foto: Thomas Peter - 02.abr.2020/ Reuters


 


A China registrou mais de 100 novos casos de Covid-19 pelo sexto dia consecutivo, com o aumento das infecções no nordeste do país alimentando as preocupações de outra onda nacional antes do maior feriado do país.

A Comissão Nacional de Saúde disse em um comunicado nesta segunda-feira (18) que um total de 109 novos casos do coronavírus foram relatados em 17 de janeiro, inalterados em relação ao dia anterior.

Das 93 infecções locais, 54 foram relatadas na província de Hebei, que cerca Pequim. A província de Jilin, no nordeste, relatou um recorde de 30 novos casos, ressaltando o risco de surgimento de novos aglomerados.

 

Os aumentos diários ainda são uma fração do que o país viu no auge do surto no início de 2020, mas as autoridades estão implementando um pacote agressivo de medidas, incluindo o bloqueio de mais de 29 milhões de pessoas, a fim de evitar que a doença leve o país para outra paralisação dolorosa.

O chefe do escritório de estatísticas da China, Ning Jizhe, disse na segunda-feira que o impacto geral do atual ressurgimento da Covid-19 na economia do país permaneceu controlável.

Mas embora a agência oficial de notícias Xinhua tenha alertado em um comentário que os governos locais não deveriam "gritar lobo", muitos estão introduzindo uma série de novos freios.

Pequim, que relatou duas novas infecções locais, começará a exigir que os viajantes do exterior passem por monitoramento de saúde por mais sete dias após 21 dias de observação médica, informou a agência de notícias oficial Xinhua no sábado.

A cidade de Gongzhuling, na província de Jilin, que tem uma população de cerca de 1 milhão de pessoas, também impôs um bloqueio estrito, fechando todas as lojas, exceto as essenciais. Ele disse em um aviso que é "estritamente proibido" para qualquer pessoa sair, a menos que esteja programado para fazer um teste COVID-19 em um local designado.

Acredita-se que o surto em Jilin tenha sido causado por um vendedor infectado que viajava de e para a província vizinha de Heilongjiang, local de um grupo anterior de casos.

O número de novos casos assintomáticos, que a China não classifica como casos confirmados, caiu de 119 casos no dia anterior para 115.

O número total de casos confirmados de Covid-19 na China continental é de 89.336, enquanto o número de mortos permaneceu inalterado em 4.635. Os dados excluem casos de Macau e Hong Kong, que são cidades chinesas, mas relatam novos casos de forma independente, e Taiwan autogerido que a China afirma ser seu.

A equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) atualmente na China já iniciou suas investigações sobre as origens da pandemia global.

Representantes da OMS disseram na sexta-feira que começaram as discussões com seus colegas chineses por meio de videoconferência, enquanto permanecem em quarentena.