EUA vão se juntar a consórcio mundial de vacinas; líderes globais comemoram

Mudança de postura do país é vista como fundamental para combater a pandemia que assola o planeta há um ano

da CNN, em São Paulo
21 de janeiro de 2021 às 23:12 | Atualizado 21 de janeiro de 2021 às 23:13


Líderes mundiais comemoraram a decisão dos Estados Unidos, agora sob o comando do democrata Joe Biden, de se juntar ao Covax, o consórcio global para a distribuição justa de vacinas ao redor mundo.

A mudança de postura do país é vista como fundamental para combater a pandemia que assola o planeta há um ano. 

"Este é um bom dia para a Organização Mundial da Saúde e para a saúde global", disse o diretor-geral Tedros Adhanom, depois do anúncio feito por Anthony Fauci, principal consultor médico do governo dos Estados Unidos. 

A Covax é uma iniciativa liderada pela OMS, que busca a distribuição global e equilibrada de 2 bilhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

Mas os esforços da agência foram minados principalmente por governos que compraram milhões de doses e suprimentos fora do consórcio.

O esquema Covax deve conseguir entregar os primeiros lotes de vacina aos países mais pobres no próximo mês, mas ainda há a preocupação com a quantidade de imunizantes disponível no mercado.

Segundo especialistas, a participação dos Estados Unidos dará, ao consórcio, mais possibilidades de acesso a suprimentos de vacina já existentes, além de permitir compartilhar conhecimento e transferir tecnologia. Isso porque Washington fez o maior investimento do mundo no desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19.

 

(Publicado por Sinara Peixoto)