Julgamento do impeachment de Trump 'tem que acontecer', diz Biden à CNN

Biden havia hesitado em iniciar sua administração - sob promessa de "unir o país - com foco em Trump. Agora, em comentário incisivo à CNN, ele quer o processo

Por Kaitlan Collins, da CNN
26 de janeiro de 2021 às 01:37 | Atualizado 26 de janeiro de 2021 às 01:39
Joe Biden assume a presidência dos Estados Unidos
Em fala incisiva, Joe Biden defende prosseguimento do processo de impeachment de Trump
Foto: Kevin Lamarque/Reuters

 

Em entrevista à CNN americana nesta segunda-feira (25), o novo presidente Joe Biden fez seus comentários mais extensos até agora sobre o julgamento de impeachment de Donald Trump.

"Acho que tem que acontecer", disse Biden. 

O democrata fez o comentário durante uma breve entrevista à reportagem da CNN nos corredores da Ala Oeste da Casa Branca. Ele reconheceu o efeito que o impeachment pode ter em sua agenda legislativa e na aprovação de nomeados do Gabinete, mas disse que haveria "um efeito pior se isso não acontecesse."

 

Na visão de Biden, o resultado seria diferente se Trump tivesse seis meses restantes em seu mandato, mas ele não acredita que17 senadores republicanos votarão para condenar o ex-presidente após ter deixado o cargo.

"O Senado mudou desde que eu estava lá, mas não mudou muito", disse Biden.

Os comentários foram feitos na mesma noite em que os gerentes de impeachment da Câmara formalmente desencadearam o início do segundo julgamento de Trump depois de lerem no plenário do Senado a acusação contra o republicano - o primeiro presidente da história a ser alvo de processos de impeachment duas vezes.

O julgamento pairou sobre os primeiros dias de Biden no cargo, enquanto ele buscava um equilíbrio difícil entre apoiar o processo de impeachment e divulgar uma mensagem de unidade.

A CNN relatou anteriormente que Biden e sua equipe inicialmente hesitaram em iniciar sua administração - que o democrata prometeu "virar a página" sobre Trump - com foco no ex-presidente.

Mas, à medida que detalhes mais alarmantes entraram em foco sobre o ataque ao Capitólio, as primeiras discussões entre os conselheiros Biden sobre assumir um papel ativo em desacelerar ou tentar de alguma forma controlar o impeachment foram abandonadas. Os assessores democraras se tornaram bem cientes de que tentar fazer isso poderia dividir o partido

Os comentários de Biden à CNN na noite de segunda-feira se baseiam em uma declaração que ele divulgou no início deste mês, que chamou a votação de impeachment da Câmara de "um voto bipartidário lançado por membros que seguiram a Constituição e sua consciência".

"Essa nação também permanece nas garras de um vírus mortal e uma economia cambaleante", disse Biden na época. "Espero que a liderança do Senado encontre uma maneira de lidar com suas responsabilidades constitucionais no impeachment enquanto também trabalha em outros assuntos urgentes desta nação."