EUA podem ter que vacinar crianças para atingir a imunidade coletiva

Em audiência no Senado, o maior especialista em doenças infecciosas do país disse que algo entre 70 e 85% da população precisa estar inoculada para chegar à imu

Christina Maxouris, Eric Levenson e Maggie Fox, da CNN
19 de março de 2021 às 11:04
Criança recebe aplicação de vacina
Criança recebe aplicação de vacina
Foto: GettyImages

Vários estados americanos anunciaram na quinta-feira (18) que as vacinas contra a Covid-19 estariam disponíveis para mais pessoas. A notícia veio no momento em que o maior especialista em doenças infecciosas do país disse que talvez fosse preciso inocular crianças para obter imunidade coletiva.

Anthony Fauci disse que as pessoas estão muito focadas em atingir a imunidade coletiva, o ponto em que um número suficiente de pessoas está protegido contra o vírus para suprimir a disseminação.

"Acho que devemos ter cuidado ao abraçarmos esse conceito de imunidade coletiva porque realmente não sabemos com precisão do que se trata quando falamos desse vírus em particular", disse Fauci em audiência no Senado americano.

Fauci, o diretor de longa data do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, disse que estimou que algo entre 70% e 85% da população precisaria ser vacinada ou imune ao vírus para chegar ao ponto de imunidade coletiva.

"Não sabemos realmente qual é o ponto mágico da imunidade coletiva, mas sabemos que, se vacinarmos a grande população, estaremos bem. No final das contas, gostaríamos e teríamos de ter os filhos entre esses", disse Fauci durante uma audiência do Comitê de Saúde, Educação, Trabalho e Pensões do Senado.

Ele disse que quando os alunos do ensino médio forem vacinados, os EUA podem alcançar a imunidade coletiva.

Mais estados estão ampliando o número de pessoas elegíveis para serem vacinadas. O governador de New Hampshire, Chris Sununu, disse que os residentes com 50 anos ou mais serão elegíveis a partir de segunda-feira e que o estado planeja expandir o acesso à vacina para todos os cidadãos com 16 anos ou mais "em apenas algumas semanas".

O governador do Missouri, Mike Parson, disse que a partir de 29 de março a vacinação estará disponível para adultos em setores essenciais para a recuperação econômica, e a partir de 9 de abril todos os adultos podem tomar a vacina.

Illinois vai expandir a vacinação para todos os residentes de 16 anos ou mais em 12 de abril, disse o governador J.B. Pritzker.

O governador do Kentucky, Andy Beshear, disse que a partir de segunda-feira os fornecedores devem incluir indivíduos com 50 anos ou mais.

Especialistas se preocupam sobre para onde os números dos casos estão indo

Mesmo com o avanço da vacinação, os EUA podem estar à beira de outro aumento repentino de casos de Covid-19, diz um especialista.

"Acho que veremos um aumento no número de infecções", disse a médica emergencial Leana Wen à CNN na noite de quarta-feira. "Acho que o que ajuda neste momento é que os mais vulneráveis ??- particularmente residentes de asilos, pessoas mais velhas - estão vacinados. E assim podemos evitar um aumento nas hospitalizações e mortes."

Autoridades de saúde alertaram repetidamente sobre um potencial quarto aumento enquanto alguns governadores abrandaram as restrições e suspenderam até o uso obrigatório de máscara. O primeiro sinal de alerta veio quando o número de casos, após semanas de declínios acentuados, pareceu se estabilizar - com o país ainda tendo em média dezenas de milhares de novos casos por dia. Esse tipo de platô previa picos anteriormente, disseram alguns especialistas.

Casos de variantes preocupantes - principalmente a variante B.1.1.7, altamente contagiosa - também aumentaram e devem se tornar a cepa dominante no final de março ou início de abril.

Enquanto isso, governadores e líderes locais abrandaram as restrições às reuniões internas por conta da redução dos casos de Covid-19 e do avanço da vacinação. E multidões em férias de primavera estão se reunindo na Flórida e em outros estados da Costa do Golfo, e o número de viagens aéreas em todo o país está atingindo o maior patamar desde o início da pandêmica.

Agora, conforme o país se aproxima de 30 milhões de infecções relatadas, a contagem média de casos diários aumentou 10% em 17 estados nesta semana em comparação com a semana passada, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins - com nove desses estados registrando um aumento de mais de 20%.

Se os casos de Covid-19 continuarem a aumentar em muitos estados, a vacinação em massa dos americanos mais vulneráveis ajudará a limitar o aumento de hospitalizações e mortes. Pessoas com 65 anos ou mais representam mais de 80% de todas as mortes por Covid-19, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). No entanto, 66% das pessoas com 65 anos ou mais receberam pelo menos uma dose de vacina e cerca de 39% estão totalmente vacinadas, o que reduz drasticamente o risco de hospitalização e morte.

Mas a doutora Wen ainda tem suas preocupações.

"Acho que veremos um aumento no número de infecções, mas não necessariamente um aumento nas hospitalizações e mortes, o que novamente é uma boa notícia", disse ela à CNN na quinta-feira. “Mas também observamos que muitos governadores não vão impor restrições novamente, a menos que vejamos nossos hospitais ficando sobrecarregados.

"Portanto, podemos ver uma situação de muito mais infecções ultrapassando a capacidade de nossas vacinas e pessoas baixando a guarda, mas não tendo as restrições em vigor para contê-la. E temo que possamos perder a corrida entre as variante versus vacina."

Redução do distanciamento social

Os CDC devem atualizar suas diretrizes de distanciamento físico para escolas de 2 metros para 1 metro na sexta-feira, um oficial do governo confirmou à CNN.

Autoridades de saúde dos EUA apontaram para um estudo publicado na semana passada que mostrou que as escolas de Massachusetts que exigem 1 metro de distância entre as pessoas não viram diferença nas taxas de Covid-19 em comparação com aquelas que mantêm os alunos a 2 metros. Todos os funcionários e alunos acima da segunda série ainda eram obrigados a usar máscaras.

A mudança é a chave para reabrir escolas com segurança porque a maioria não tem espaço para manter a distância obrigatória de 2 metros com todos os alunos presentes. Um levantamento sobre reaberturas que foi publicado na semana passada identificou que os distritos escolares em Indiana, Virgínia e Massachusetts já adotaram um padrão de 1 metro de distância.

Esses estados "não viram uma onda de casos que você esperaria se de alguma forma essa proteção fosse menos adequada", escreveu o especialista em educação e política John Bailey.

Na audiência do Senado na quinta-feira, a diretora dos CDC, Rochelle Walensky, disse que a ciência sobre esse assunto havia evoluído com o tempo.

"De fato, como a distância de 2 metros tem sido um grande desafio, a ciência se inclinou e agora estão surgindo estudos que sugerem algo entre 1 e 2 metros", disse ela à senadora Susan Collins, republicana do Maine. "Esse é um assunto urgente.”

A Organização Mundial de Saúde recomendou distanciamento físico em escolas de pelo menos um metro.

Quase 1 em 8 americanos totalmente vacinados

“Em breve, estaremos mudando de uma questão de oferta para uma questão de demanda", diz especialista.

Cerca de 75 milhões de americanos receberam pelo menos uma dose da vacina Covid-19, de acordo com dados dos CDC. E cerca de 41 milhões de pessoas estão totalmente vacinadas, ou cerca de 12% da população dos EUA.

Mas os desafios - incluindo hesitação em vacinas, desinformação e iniquidades - permanecem.

Em breve, os EUA deverão ter muitas vacinas disponíveis e precisarão começar a persuadir as pessoas relutantes a se vacinarem, disse um alto funcionário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos na quinta-feira.

"Teremos, dentro de 90 dias, em essência, quadruplicado nosso suprimento de vacina", disse David Kessler, diretor de Ciência da Resposta à Covid no HHS, em audiência no Senado. "Acredito que, em breve, estaremos mudando de uma questão de oferta para uma questão de demanda."

Além disso, os CDC em breve divulgarão mais orientações sobre o que as pessoas podem fazer com segurança quando estiverem totalmente vacinadas, disse Walensky.

"Estamos revisando o que devemos fazer em relação às viagens para aqueles que estão vacinados e isso deve ser divulgado em breve. Esse provavelmente será o próximo passo", disse Walensky.

A questão não é o que é seguro para os vacinados, mas o que é seguro para quem tem contato com eles, disse ela.

"Ainda estamos analisando dados sobre se as pessoas vacinadas podem ser infectadas de forma assintomática e potencialmente transmitir a outras pessoas", disse Walensky. Os médicos observam que as pessoas vacinadas ainda podem respirar o vírus e tê-lo no nariz e na garganta - e podem exalar, tossir ou espirrar o vírus infeccioso em outras pessoas.

(Texto traduzido. Leia aqui a versão original em inglês)