Casos de Covid-19 voltam a crescer na Índia; alguns bloqueios retornam

A Índia relatou 40.953 novos casos de coronavírus, o maior salto diário em quase quatro meses

da Reuters
20 de março de 2021 às 11:35
 Pessoas infectadas na Índia procuram atendimento médico
Pessoas infectadas na Índia procuram atendimento médico
Foto: Reuters

A Índia relatou 40.953 novos casos de coronavírus no sábado (20), o maior salto diário em quase quatro meses, com seu estado mais rico e a espinha dorsal econômica de Maharashtra sendo responsável por mais da metade das infecções.

As mortes aumentaram em 188 para 159.404, informou o Ministério da Saúde, destacando um ressurgimento do vírus no terceiro país mais afetado do mundo, depois dos Estados Unidos e do Brasil.

Algumas regiões da Índia já impuseram medidas de contenção, incluindo bloqueios e fechamentos de restaurantes, e mais estão sendo considerados.

Os médicos atribuíram a nova onda de infecção à atitude relaxada das pessoas quanto ao uso de máscaras e outras medidas de distanciamento social, alertando que as enfermarias dos hospitais estavam se enchendo rapidamente em estados como Maharashtra.

Maharashtra relatou um recorde de 25.681 casos, incluindo 3.000 na capital financeira de Mumbai, nas últimas 24 horas.

O estado de 112 milhões de pessoas impôs um bloqueio em alguns bairros e restringiu cinemas, hotéis e restaurantes até o final do mês. O ministro-chefe Uddhav Thackeray alertou que um bloqueio mais amplo é uma opção, de acordo com a mídia local.

O aumento nos casos de Covid-19 na Índia atingiu o pico de quase 100.000 por dia em setembro e vinha caindo continuamente até o final do mês passado.
Além de Maharashtra, os estados indianos de Punjab, Karnataka, Gujarat e Madhya Pradesh relataram um aumento de novos casos.

A capital, Nova Délhi, relatou um aumento constante nas infecções nas últimas duas semanas, o que levou as autoridades da cidade a aumentar a vacinação para 125.000 doses por dia, de cerca de 40.000.

Muitos indianos começaram a questionar a campanha de exportação de vacinas altamente divulgada do governo quando apenas uma fração dos 1,35 bilhões de habitantes do país foram vacinados.

O governo anunciou planos de inocular 300 milhões de pessoas, ou um quinto da população, até agosto. No entanto, apenas 42 milhões foram vacinados até agora, enquanto o maior fabricante de vacinas do mundo doou ou exportou quase 60 milhões de doses.