Fora das redes sociais, Trump lança site que funcionará como escritório virtual

Página '45office.com' inclui longa biografia, fotos do ex-presidente dos EUA e permite solicitar uma saudação personalizada ou participação dos Trump em evento

Ramishah Maruf, da CNN
31 de março de 2021 às 09:15 | Atualizado 31 de março de 2021 às 09:47
Trump lançou 'escritório virtual' enquanto permanece fora das mídias sociais
Donald Trump lançou 'escritório virtual' enquanto permanece fora das mídias sociais
Foto: Reprodução/45office.com

Donald Trump está de volta ao mundo online. O ex-presidente dos Estados Unidos lançou um novo site para servir como seu escritório pessoal virtual. O 45office.com surge após a proibição de Trump nos sites de mídia social após a insurreição no Capitólio, em 6 de janeiro.

A página, que apresenta uma longa biografia do ex-presidente, afirma que Trump “lançou o movimento político mais extraordinário da história, destronando dinastias políticas, derrotando o establishment de Washington e se tornando o primeiro verdadeiro forasteiro eleito presidente dos Estados Unidos".

Também inclui mais de uma dúzia de fotos do republicano, nas quais ele é retratado embarcando no Air Force One, cumprimentando o líder norte-coreano Kim Jong-un e beijando um bebê. Também há imagens do ex-presidente e da ex-primeira-dama Melania Trump dançando no baile de posse e em jantares black tie na Casa Branca. 

O site não menciona seus dois processos de impeachment. Faz referência à pandemia como "a praga do coronavírus [que] chegou da China" e diz que Trump "agiu cedo e decisivamente para proibir viagens da China e da Europa, o que salvou inúmeras vidas".

Até terça-feira, a Covid-19 matou pelo menos 550.371 pessoas e infectou cerca de 30,3 milhões nos Estados Unidos, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

Os visitantes do site do ex-presidente também podem solicitar uma saudação personalizada do presidente e da primeira-dama ou solicitar que os Trump participem de um evento. Devido ao grande número de pedidos, a página informa que o processamento dos pedidos levará até seis semanas.

Quanto a ter os Trump participando de um evento, o site informou que não haveria atualizações de status "devido ao volume de solicitações que o presidente e a Sra. Trump recebem. As solicitações devem observar se a mídia estará presente e se haverá participantes notáveis."

Presença em redes sociais

Trump permaneceu em grande parte fora da internet desde a insurreição no Capitólio em 6 de janeiro, que acabou com a morte de cinco pessoas e levou o Departamento de Justiça a acusar pelo menos 150 pessoas de insurreição, um número que ainda pode aumentar mais de 400. 

Como consequência, o republicano foi permanentemente suspenso do Twitter e de outras plataformas sociais, como o Snapchat.

O ex-presidente pretende retornar às mídias sociais em dois ou três meses em sua própria plataforma, de acordo com Jason Miller, um conselheiro de longa data de Trump e porta-voz da campanha do presidente em 2020. A nova plataforma quer atrair "dezenas de milhões" de novos usuários e "redefinir completamente o jogo", acrescentou Miller.

Após a proibição de Trump no Twitter, Jared Kushner, genro do ex-presidente e seu conselheiro sênior, interveio para interromper os esforços de assessores que tentaram colocar Trump em plataformas marginais de mídia social, como Parler e Gab.

Jazmin Goodwin, da CNN, contribuiu para essa reportagem.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)