Governadores ameaçam ir ao STF para garantir importação da Sputnik V

Diretores da Anvisa e governadores tiveram uma longa reunião sobre o imunizante, mas a importação não ficou decidida

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
07 de abril de 2021 às 11:05
Recipientes da vacina russa para Covid-19 Sputnik V
Recipientes da vacina russa para Covid-19 Sputnik V
Foto: Divulgação

Governadores do Nordeste ouvidos pela CNN afirmaram que vão recorrer ao Supremo Tribunal Federal caso não tenham autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para importar a vacina russa Sputnik até a próxima semana. Nessa terça-feira (6), diretores da Anvisa e governadores tiveram uma longa reunião, mas a importação não ficou decidida. "Foi uma reunião péssima. Todo mundo na expectativa para anunciar importação e vieram com um 'mar de dificuldades'. O papel deles é apenas de checar a documentação. Temos 10 milhões de pessoas imunizadas no mundo com a Sputnik. E a Anvisa fica catimbando, fazendo cera", afirmou irritado, à CNN, o governador da Bahia, Rui Costa (PT).

Os governadores argumentam que a lei aprovada no Congresso no mês passado sobre a compra de vacinas prevê prazo mínimo de 7 dias para uma resposta da agência. O mesmo texto também aponta o prazo de 31 dias caso faltem informações que dependam de órgãos internacionais.
"A legislação é clara e aborda a imediata autorização de importação da vacina Sputnik. Não podemos mais esperar, é inacreditável a demora da Anvisa. Por isso, deixa o Brasil no fim da fila", afirmou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Um dos pontos mais criticados pelos governadores é a decisão da Anvisa de viajar até a Rússia antes de deliberar sobre o uso das vacinas. Apesar da reclamação dos governadores, o mesmo rito foi utilizado no caso de todas as vacinas em análise pela Anvisa, como a própria Coronavac, que teve o laboratório na China inspecionado.

Diretores da agência ouvidos pela CNN minimizaram as queixas. Segundo eles, a visita - ainda sem data para ocorrer - é fundamental para a autorização de uso das vacinas. Já o pedido emergencial de importação será analisado a parte. Na prática, a Anvisa pode autorizar a entrada das vacinas no Brasil, mas para que elas sejam utilizadas ainda seria preciso aguardar a avaliação técnica da agência.

Por meio da assessoria, a Anvisa informou que vai voltar a se reunir com as áreas técnicas dos estados nesta quarta-feira (7) para avançar no assunto. O objetivo é equacionar dúvidas, entregar informações restantes, que possibilitem a chegada das vacinas ao Brasil.