Com recorde diário de mortes e casos, Covid se espalha na área rural da Índia

A Índia relatou um recorde de 412.262 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas e um recorde de 3.980 mortes

Reuters
06 de maio de 2021 às 06:48 | Atualizado 06 de maio de 2021 às 09:36
Covid-19: Parentes sentam-se ao lado do corpo de um membro da família na Índia
Parentes sentam-se ao lado do corpo de um membro da família, que se acredita ter morrido de Covid-19
Foto: Ritesh Shukla/Getty Images

As esperanças de que a segunda onda mortal de Covid-19 na Índia estivesse prestes a atingir o pico foram varridas nesta quinta-feira (6), uma vez que registrou infecções e mortes diárias recordes e o vírus se espalhou de cidades para vilas na segunda nação mais populosa do mundo.

A Índia relatou um recorde de 412.262 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas e um recorde de 3.980 mortes. As infecções por coronavírus já ultrapassaram os 21 milhões, com um total de 230.168 mortos, mostram dados do ministério da saúde.

A modelagem do governo previu um pico na segunda onda de infecções na quarta-feira (5).

"Isso interrompe temporariamente as especulações de um pico", disse no Twitter Rijo M John, professor do Instituto Indiano de Administração no estado de Kerala, no sul do país.

Com os hospitais lutando por leitos e oxigênio em resposta ao aumento das infecções, a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse em um relatório semanal que a Índia foi responsável por quase metade dos casos de coronavírus relatados em todo o mundo na semana passada e um quarto das mortes.

A Índia tem 3,45 milhões de casos ativos. Especialistas médicos afirmam que os números reais da Índia podem ser de cinco a dez vezes as contagens oficiais.

A crise de Covid-19 da Índia foi mais aguda na capital, Nova Délhi, entre outras cidades, mas nas áreas rurais - lar de quase 70% dos 1,3 bilhão de habitantes da Índia - a saúde pública limitada representa mais desafios.

"A situação se tornou perigosa nas aldeias", disse Suresh Kumar, coordenador de campo da Manav Sansadhan Evam Mahila Vikas Sansthan, uma instituição de caridade de direitos humanos.

Em algumas aldeias onde a caridade trabalha no estado de Uttar Pradesh - onde vivem cerca de 200 milhões de pessoas - "há mortes em quase todas as casas", disse ele.

“As pessoas estão assustadas e amontoadas em suas casas com febre e tosse. Os sintomas são todos de Covid-19, mas sem nenhuma informação disponível, muitos pensam que é gripe sazonal”.

O estado indiano de Goa, um destino turístico muito popular na costa oeste, tem a maior taxa de infecções por Covid-19 do país, com até uma em cada duas pessoas com teste positivo nas últimas semanas, disseram autoridades do governo.

O primeiro-ministro Narendra Modi foi amplamente criticado por não ter agido antes para suprimir a segunda onda, depois que festivais religiosos e comícios políticos atraíram dezenas de milhares de pessoas nas últimas semanas e se tornaram eventos "super-disseminadores".

O aumento nas infecções também coincidiu com uma queda dramática nas vacinações devido a problemas de abastecimento e entrega, apesar de a Índia ser um grande produtor de vacinas.

Vários estados impuseram  níveis de restrições sociais para tentar conter as infecções, mas o governo federal se recusou a impor um bloqueio nacional.

O estado de Kerala, no sul da Índia, que tem 376.004 casos ativos, anunciou que vai impor nove dias de restrições ao movimento a partir de sábado (8).

Decisões de vida ou morte

Na capital Delhi, menos de 20 dos mais de 5 mil leitos de terapia intensiva para tratamento de Covid-19 são gratuitos.

Estudantes médicos como Rohan Aggarwal, de 26 anos, recrutados para lutar contra a segunda onda, estão sendo forçados a tomar decisões de vida ou morte.

Seu Holy Family Hospital, em Delhi, normalmente tem capacidade para 275 adultos, mas atualmente cuida de 385.

"Quem deve ser salvo, quem não deve ser salvo deve ser decidido por Deus", disse Aggarwal à Reuters durante um terrível turno da noite.

Índia bate recorde de casos da Covid-19 pelo 5º dia (26.abr.2021)
Índia bate recorde de casos da Covid-19 pelo 5º dia (26.abr.2021)
Foto: Reprodução/CNN

"Não fomos feitos para isso - somos apenas humanos. Mas, neste momento, estamos sendo feitos para fazer isso."

No escritório de um crematório hindu em Delhi, o chão e as prateleiras estão transbordando de potes de barro, pacotes de plástico e recipientes de aço cheios com as cinzas das muitas vítimas Covid-19 da cidade que foram cremadas.

Hindus praticantes recolhem as cinzas dos mortos alguns dias após o funeral para imersão em um rio ou mar, um dos muitos rituais que eles acreditam levar à salvação da alma.

"Nossos armários estão cheios. Não podemos guardar mais cinzas. Costumávamos receber cerca de 40 corpos de Covid-19 por dia. Agora estamos dizendo aos parentes para levar as cinzas com eles no mesmo dia." Pankaj Sharma, gerente do crematório, disse à Reuters.

Embora a Índia seja o maior fabricante mundial de vacinas, está lutando para produzir o produto suficiente para o aumento de infecções. Seus dois atuais produtores de vacinas levarão dois meses ou mais para aumentar a produção mensal total dos atuais 70 milhões para 80 milhões de doses.

O principal assessor científico do país alertou para uma possível terceira onda de infecções.

"A fase 3 é inevitável, dados os altos níveis de vírus circulante", disse o principal assessor científico do governo, K. VijayRaghavan, em uma coletiva de imprensa na quarta-feira.

"Mas não está claro em que escala de tempo essa fase 3 ocorrerá. Devemos nos preparar para novas ondas."