Biden revoga decreto de Trump que exigia que imigrantes tivessem seguro saúde

A reversão é a mais recente de uma série de medidas do governo Biden para desfazer as políticas da era Trump que restringiam imigração para os Estados Unidos

Donald Judd e Priscilla Alvarez, da CNN
16 de maio de 2021 às 15:07
Presidente dos EUA, Joe Biden, fala com a imprensa na Casa Branca
Presidente dos EUA, Joe Biden, fala com a imprensa na Casa Branca
Foto: Kevin Lamarque/Reuters (10.mai.2021)

 O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reverteu um decreto da administração de Donald Trump que exigia que os requerentes de visto tivessem seguro saúde ou meios para pagar pelos cuidados de saúde.

“Minha administração está comprometida em expandir o acesso a cuidados de saúde de qualidade a preços acessíveis. No entanto, podemos alcançar esse objetivo sem proibir a entrada de não cidadãos que procuram imigrar legalmente para este país, mas que não têm recursos financeiros significativos ou não adquiriram cobertura de seguro saúde de uma lista restritiva de planos qualificados”, diz a proclamação de Biden.

 A ordem de Trump, que foi emitida no final de 2019 e nunca entrou em vigor, foi confrontada com desafios legais imediatos de defensores e ativistas que argumentaram que ela impediria milhares de imigrantes de entrar nos Estados Unidos.

A reversão é a mais recente de uma série de medidas do governo Biden para desfazer as políticas da era Trump que restringiam a imigração para os Estados Unidos. O Departamento de Segurança Interna também parou de implementar as mudanças da era Trump na regra de "cobrança pública" que tornava difícil para os imigrantes obterem status legal se usassem certos benefícios públicos, como Medicaid, vale-refeição e vale-moradia.