Mídia estatal chinesa diz que Fauci 'espalha mentira' sobre origem da Covid-19

Neste mês, o médico Anthony Fauci afirmou que não está mais convencido de que a pandemia da Covid-19 se originou naturalmente

Nectar Gan e James Griffiths, CNN
26 de maio de 2021 às 14:50
Anthony Fauci fala durante audiência no Senado dos EUA
Anthony Fauci fala durante audiência no Senado dos EUA
Foto: Al Drago/Reuters (30.jun.2020)

Depois de semanas enfrentando ataques violentos dos republicanos, o médico especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, agora tem um novo crítico: a mídia estatal chinesa.

"As elites americanas degeneram ainda mais em moralidade, e Fauci é uma delas", foi a manchete de um artigo de opinião contundente redigido por Hu Xijin, editor-chefe do jornal estatal Global Times nesta semana.

No artigo, Hu acusa o principal especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos de "espalhar uma grande mentira contra a China" ao divulgar a teoria de que o coronavírus vazou de um laboratório de Wuhan. Outro artigo do Global Times declarou que Fauci "traiu cientistas chineses".

A raiva é voltada às observações feitas por Fauci neste mês de que ele não está mais convencido de que a pandemia provocada pela Covid-19 se originou naturalmente.

"Acho que devemos continuar investigando o que aconteceu na China até que possamos descobrir da melhor maneira possível o que aconteceu", disse o diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA durante um simpósio de verificação de fatos em 11 de maio.

Os comentários parecem ser uma mudança da visão anterior de Fauci de que a doença provavelmente era o resultado de transmissão animal para humano.

Relatório de inteligência dos EUA

Os comentários de Fauci foram seguidos por um artigo exclusivo do The Wall Street Journal, citando um relatório da inteligência dos Estados Unidos, que dizia que três pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan ficaram doentes o suficiente em novembro de 2019 para buscar atendimento hospitalar – uma revelação que, se verdadeira, poderia adicionar peso ao crescentes pedidos de mais investigações sobre se o coronavírus pode ter escapado do laboratório chinês.

Sem surpresa, a China refutou veementemente o relatório, evocando sua rejeição repetida de quaisquer alegações que liguem a origem do vírus ao laboratório. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que o relatório era "totalmente inconsistente com os fatos" e um diretor do laboratório chamou o relatório de "uma mentira completa".

Médico se prepara para entrar na zona de isolamento da Covid-19 em Wuhan, em fevereiro de 2020
Foto: Feature China/Barcroft Media via Getty Images

Enquanto isso, a mídia estatal chinesa atacou Fauci e afirmou que ele se juntou a uma "guerra de opinião contra a China".

O ataque a Fauci é uma reviravolta em relação ao retrato positivo dele diante da pandemia. No ano passado, enquanto Fauci se manifestava repetidamente contra a forma como o governo Trump lidava com a pandemia. Na época, a mídia estatal chinesa publicou relatos elogiosos ao cientista destacando o profissionalismo e a coragem para falar a verdade.

Desde então, Fauci tentou esclarecer suas observações. Nesta terça-feira (25), ele disse ao correspondente da CBS News, Weijia Jiang, que sua opinião sobre as origens da Covid-19 não mudou e ainda acredita que sua origem na natureza é "altamente provável".

"Como ninguém tem 100% de certeza, ele está aberto a uma investigação completa. O Dr. Fauci disse que isso não significa que ele acredita que o vírus surgiu primeiro em um laboratório, como alguns sugeriram", escreveu Jiang nas redes sociais. Se isso vai resgatar sua imagem na China, no entanto, ainda não está claro.

(Esse texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)