Médicos pedem atenção da OMS sobre efeitos das mudanças climáticas na saúde

Os profissionais temem os impactos da degradação ambiental sobre a saúde pública; 'não há vacina para a mudança climática', disse Tedros Adhanom aos ativistas

Reuters
29 de maio de 2021 às 16:36
Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS
Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS
Foto: Reuters

Médicos preocupados com os efeitos da degradação ambiental sobre a saúde pública fizeram uma manifestação na sede da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra, na Suíça, neste sábado (29) exigindo que as autoridades de saúde façam das mudanças climáticas e da perda da biodiversidade suas principais prioridades.

Ativistas vestidos de branco do grupo Doctors For Extinction Rebellion marcharam da Place des Nations de Genebra até a sede da OMS, onde foram recebidos pelo diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreysus, e pela diretora de meio ambiente, mudança climática e saúde, Maria Neira.

"A pandemia vai acabar, mas não há vacina para a mudança climática", disse Tedros Adhanom ao dar as boas-vindas aos ativistas do lado de fora do prédio. "Temos que agir agora, em solidariedade, para prevenir e nos preparar antes que seja tarde demais."

A professora Valerie D'Acremont, especialista em doenças infecciosas e cofundadora da Doctors For Extinction Rebellion, fez um apelo à OMS para "ser o motor e garantidor das políticas públicas que respeitem a saúde de todos e preservem a vida".

Os ativistas entregaram a Tedros uma carta e uma grande ampulheta, símbolo da Doctors For Extinction Rebellion. Eles querem chamar a atenção de forma mais ampla das organizações para evitar os piores cenários de devastação delineados por cientistas que estudam as mudanças climáticas.