Após queda de natalidade, China permitirá que casais tenham até 3 filhos

Nova flexibilização das políticas de planejamento familiar foi anunciada nesta segunda-feira (31) pela imprensa estatal após reunião do Partido Comunista chinês

Ben Westcott e Eric Cheung, da CNN
31 de maio de 2021 às 08:03 | Atualizado 31 de maio de 2021 às 11:00

 

O governo da China permitirá que casais tenham até três filhos, informou nesta segunda-feira (31) a agência de notícias estatal Xinhua. A medida faz parte da mais recente flexibilização das políticas rígidas de planejamento familiar do país para tentar evitar uma crise demográfica.

A liderança do Partido Comunista chinês tomou a decisão em uma reunião nesta segunda-feira (31), disse a mídia estatal, em uma medida destinada a combater o envelhecimento da população do país. A Xinhua não informou quando a nova política será implementada.

A decisão ocorre apenas três semanas depois de Pequim publicar seu censo de 2020, que mostrou que a população da China estava crescendo ao ritmo mais lento em décadas.

De acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas da China, a população cresceu apenas 5,38% na última década – a taxa de crescimento mais lenta desde, pelo menos, os anos 1960.

A política do filho único da China foi introduzida em 1979 e por mais de 35 anos limitou os casais a um único filho, enquanto o país tentava lidar com a superpopulação e reduzir a pobreza.

A economia da China cresceu muito nos últimos anos e suas necessidades demográficas mudaram. Hoje, o governo conta com uma grande força de trabalho jovem para sustentar altos níveis de crescimento econômico.

Na tentativa de evitar uma crise demográfica, o governo chinês anunciou em 2015 que afrouxaria as restrições de nascimento para permitir até dois filhos por família.

Recém-nascidos em maternidade chinesa; casais poderão ter até 3 filhos
Recém-nascidos em maternidade chinesa; país anunciou que casais poderão ter até 3 filhos
Foto: Sheldon Cooper - 25.abr.2021/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

A mídia estatal tentou angariar apoio para a campanha. Em 2018, o Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista da China, publicou uma coluna de página inteira intitulada: "Dar à luz é um assunto de família e também um problema nacional".

No entanto, a reversão da política não conseguiu aumentar a taxa de natalidade do país, que caiu quase 15% ano a ano até 2020. Alguns casais disseram que o aumento do custo de vida na China torna caro demais ter um segundo filho.

Ao mesmo tempo, a população da China está envelhecendo rapidamente, colocando em risco seu crescimento econômico. 

Os dados do censo de 2020 mostraram que a proporção da população com mais de 65 anos aumentou rapidamente na última década, de 8,87% em 2010 para 13,5% em 2020.

O governo chinês também discutiu o aumento da idade de aposentadoria em uma tentativa de lidar com o envelhecimento da força de trabalho. Atualmente, os homens se aposentam aos 60 anos, enquanto as mulheres podem parar de trabalhar aos 55 em empregos administrativos.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)