Microsoft remove imagens do 'Homem do Tanque' no aniversário da Praça Tiananmen

Imagem clássica tornou-se símbolo das manifestações na Praça Tiananmen, em 1989

David Goldman, da CNN
07 de junho de 2021 às 01:42 | Atualizado 07 de junho de 2021 às 06:10
Imagem clássica mostra homem diante de tanques
Imagem clássica tornou-se símbolo das manifestações na Praça Tiananmen, em 1989
Foto: Reprodução/Charlie Cole

A Microsoft bloqueou, em todo o mundo, imagens e vídeos da cena clássica que mostra um manifestante não identificado durante repressão brutal da China às manifestações pró-democracia na Praça Tiananmen de Pequim, em 4 de junho de 1989.

As fotos foram tiradas globalmente do Bing, mecanismo de busca da Microsoft, na sexta-feira  (4) - o 32º aniversário do evento. Um porta-voz da Microsoft afirmou que eles foram colocados offline por engano, atribuindo a remoção a "erro humano". As imagens reapareceram em todo o mundo - fora da China - no sábado.

O Bing, ao contrário de seus principais concorrentes, incluindo o Google, opera na China continental. Isso significa que a Microsoft é forçada a censurar os resultados de busca para usuários chineses, de acordo com a lei chinesa - particularmente imagens e informações sobre os protestos na Praça Tiananmen e os assassinatos que se seguiram. 

A censura da internet na China geralmente aumenta nas semanas que antecedem o aniversário do evento. Centenas de pessoas foram mortas em junho de 1989, na Praça Tiananmen. O massacre ganhou as manchetes em todo o mundo - assim como imagens icônicas como "Tank Man" desafiando as tropas na praça.

Embora a censura da China normalmente pertença apenas a suas fronteiras, a queda acidental da Microsoft em dimensão global não é o primeiro caso em que informações da Praça Tiananmen são bloqueadas fora da China continental por uma empresa estrangeira.

O FBI acusou, em dezembro, um ex-funcionário da Zoom de participar de um esquema para censurar reuniões em nome do governo chinês. Xinjiang "Julien" Jin e co-conspiradores supostamente encerraram pelo menos quatro videoconferências em comemoração ao 31º aniversário do massacre da Praça Tiananmen em junho passado. 

A maioria das reuniões foi organizada e assistida por participantes dos EUA, alguns dos quais eram dissidentes que participaram e sobreviveram aos protestos de 1989, disse o FBI.

Tensões entre os Estados Unidos e a China aumentaram nas últimas semanas devido à alegada vigilância da China de empresas norte-americanas que operam dentro de suas fronteiras. O presidente Joe Biden expandiu na semana passada a proibição da era Trump ao investimento do país em dezenas de empresas chinesas que Washington acredita estarem ligadas às forças armadas chinesas.

Biden também assinou uma ordem executiva, na quinta-feira (3), que proíbe cidadãos norte-americanos de possuir ou negociar quaisquer títulos vinculados a 59 empresas, citando a ameaça da tecnologia de vigilância chinesa. 

A ordem original, assinada pelo ex-presidente Donald Trump em novembro, se aplica a 31 empresas chinesas que, segundo o governo, "possibilitam o desenvolvimento e a modernização" das forças armadas chinesas e "ameaçam diretamente" a segurança dos Estados Unidos. O novo pedido entra em vigor em 2 de agosto.

(Texto traduzido. Leia o original aqui).