Kamala rebate crítica por não ir à fronteira mexicana: 'Também não fui à Europa'

Vice-presidente americana foi ao México e Guatemala como parte de esforços para conter imigração ilegal

Nikki Carvajal e Kate Sullivan, da CNN
09 de junho de 2021 às 15:48 | Atualizado 09 de junho de 2021 às 17:55
Kamala Harris visita Guatemala
Kamala Harris visita Guatemala
Foto: Carlos Barria/Reuters (7.jun.2021)

A vice-presidente americana Kamala Harris rebateu as críticas por não ter visitado a fronteira entre os Estados Unidos e o México nesta terça-feira (8), argumentando que as viagens foram limitadas durante os primeiros dias do governo Biden. 

Em uma entrevista que aconteceu na Guatemala durante a primeira viagem internacional dela desde o início do mandato, o apresentador Lester Holt, do canal NBC, a perguntou se tinha planos de viajar a fronteira no sul dos EUA. 

"Em algum ponto, iremos à fronteira", disse Harris. "Fomos à fronteira, então toda essa coisa sobre a fronteira. Já fomos à fronteira. Fomos à fronteira."

Holt respondeu: "Você não foi à fronteira."

"E eu não fui à Europa. Não entendo ao que está se referindo", riu. "Não estou diminuindo a importância da fronteira". 

Questionada mais tarde pela CNN se ela se comprometeria a visitar a fronteira EUA-México e se o faria logo, Harris respondeu: "Sim, eu vou", acrescentando que "passou muito tempo na fronteira, tanto indo até lá fisicamente, quanto se conscientizando dos problemas". 

Ela continuou, dizendo acreditar que o país precisa "priorizar o que está acontecendo na fronteira e priorizar o porquê das pessoas estarem indo até a fronteira."

"Acho que é míope sugerir que só responderemos à reação em vez de abordar a causa", disse. 

O presidente Joe Biden encarregou Harris de liderar os esforços para frear o fluxo migratório vindo da América Central, e ela procurou esclarecer que a gestão da fronteira não faz parte dessa tarefa. Os comentários acontecem em meio a críticas dos republicanos que tentam fazer dela o rosto do governo Biden para a resposta na fronteira, onde um número recorde de crianças desacompanhadas chegaram durante esta primavera.

"Eu me importo com isso e me importo com o que está acontecendo na fronteira. Estou na Guatemala porque meu foco é lidar com a raiz das causas da migração", disse Harris em uma entrevista anterior. "Há quem pense que isso não seja importante, mas é minha crença firme de que se nos importarmos com o que está acontecendo na fronteira, precisamos nos importar mais com as causas disso e com a resposta a isso". 

Os republicanos criticaram a resposta de Harris, apontando a risada dela ao responder à questão como desrespeitosa. 

"Muitos americanos vivendo em comunidades fronteiriças têm medo de deixar as casas deles. Contrabandistas estão abandonando crianças de cinco anos na fronteira. Convulsões por fentanil estão aumentando em todo o país", disse Tommy Pigott, diretor de respostas rápidas do Comitê Nacional Republicano, em comunicado. "Ainda assim, Biden e Harris continuam a falhar com o povo americano". 

Harris está enfrentando o primeiro grande teste diplomático da vice-presidência dela, e a viagem dela a Guatemala e ao México destaca o interesse do governo Biden pela América Central e a migração na região.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse nesta terça que espera que Harris viaje à fronteira "em algum momento", mas disse que atualmente a vice-presidente está centrada em abordar as causas fundamentais da migração na América Central. 

"O foco dela, e o que a tarefa é, especificante, é trabalhar com os líderes do Triângulo Norte. Ela está viajando e fazendo exatamente isso, exatamente o que o presidente pediu a ela que fizesse", disse Psaki. 

Ela acrescentou: "O foco dela nesta viagem é conversar com os líderes, discutir sobre como lidar com a corrupção, com as causas da migração, sobre como trabalhar juntos para resolver os desafios humanitários nesses países. É exatamente isso o que ela está fazendo e tenho certeza de que ela reportará ao presidente ao retornar". 

Na segunda-feira (7), a vice-presidente se reuniu com o presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei, e na terça-feira, foi ao México encontrar o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador.

Durante a reunião com López Obrador, Harris disse nesta terça acreditar que os EUA e o México estavam "entrando numa nova era" e destacou a longa relação entre as nações.

Espera-se que a vice-presidente foque em temas como o desenvolvimento econômico, o clima, a insegurança alimentar, mulheres e jovens durante a viagem à região, de acordo com a equipe. Na Guatemala, Harris se reuniu com líderes comunitários e empreendedores, além de encontrar o pessoal da embaixada americana. No México, Harris deve participar de uma conversa com mulheres empreendedoras, ser a anfitriã de uma mesa-redonda com trabalhadores e cumprimentar os funcionários da missão dos EUA no México. 

Biden deu a Harris essa tarefa politicamente tensa em março, e um funcionário disse anteriormente à CNN que ela está "realmente pegando de onde Biden parou", após ele próprio receber a tarefa do então presidente Barack Obama de liderar os esforços diplomáticos na Guatemala, Honduras e El Salvador no último mandato dele, após uma alta na chegada de menores desacompanhados aos EUA. 

A vice-presidente e a equipe dela deixaram clara que querem focar na região, onde acreditam que é mais provável atingir resultados na resposta às causas da migração, como a precariedade econômica, segundo dois funcionários da Casa Branca familiarizados com o assunto. 

Veja mais notícias do Brasil e do Mundo na CNN.

(Texto traduzido, leia o original em espanhol