Caças dos EUA realizam missão de combate em porta-avião estrangeiro após 75 anos

Jatos F-35B decolaram de porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth em missão contra alvos do Estado Islâmico no Oriente Médio

Brad Lendon, da CNN
23 de junho de 2021 às 09:21 | Atualizado 23 de junho de 2021 às 09:24
Caça F-35B dos EUA sobrevoa o porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth
Caça F-35B dos EUA sobrevoa o porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth durante exercícios em 2018
Foto: Dane Wiedmann/Navy Office of Information/U.S. Navy

Os caças do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos a bordo de um porta-aviões britânico realizaram missões de combate no Oriente Médio nesta semana – a primeira vez que aviões de guerra dos EUA entraram em combate de um navio de guerra estrangeiro desde a Segunda Guerra Mundial –, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido na terça-feira (22).

As missões contra o Estado Islâmico (EI) também marcaram o primeiro combate do novo porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth, o maior navio que a Marinha Real já colocou no mar e a primeira ação de combate para um porta-aviões britânico em uma década.

O capitão James Blackmore, comandante da asa aérea a bordo do Queen Elizabeth, disse que a última vez que aviões dos EUA realizaram missões de combate de um porta-aviões estrangeiro foi em 1943, quando aeronaves americanas partiram do HMS Victorious da Grã-Bretanha no Pacífico Sul.

Os jatos F-35B dos EUA voaram em uma ação contra o EI acompanhados por aviões de guerra britânicos semelhantes em apoio à Operação Shader do Reino Unido e à Operação Inherent Resolve do Exército dos EUA.

Um total de 18 F-35Bs dos EUA e do Reino Unido estão embarcados no Queen Elizabeth, o maior número de aviões de guerra avançados já implantados em um único navio.

Os F-35Bs projetados pelos EUA são aeronaves stealth de última geração que podem pousar verticalmente, permitindo que sejam implantados em navios de guerra menores do que os gigantescos porta-aviões da classe Nimitz que são a espinha dorsal da frota da Marinha dos EUA.

"O nível de integração entre a Marinha Real, a Força Aérea Real e o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA é realmente perfeito e prova de como nos tornamos próximos", disse Blackmore.

"A capacidade de operar no mar com os caças mais avançados já criados é um momento significativo em nossa história, oferecendo garantias aos nossos aliados e demonstrando o formidável poder aéreo do Reino Unido aos nossos adversários", disse o secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, em comunicado.

O porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth é saudado ao chegar à Base Naval de Portsmouth, em Hampshire
Foto: Andrew Matthews - 19.mai.2021/PA Images via Getty Images

O Queen Elizabeth está liderando o Carrier Strike Group 21 do Reino Unido, que está em uma missão de sete meses e 48.280 quilômetros que o levará até o Japão e a Coreia do Sul, incluindo um trânsito previsto pelo Mar da China Meridional.

O grupo de ataque deve visitar 40 países durante sua implantação através do Mar Mediterrâneo e do Oceano Índico a caminho do Pacífico.

"Até o momento, exercemos influência diplomática em nome do Reino Unido por meio de uma série de exercícios e compromissos com nossos parceiros – agora estamos prontos para dar o duro golpe do poder aéreo marítimo contra um inimigo comum", disse o Comodoro Steve Moorhouse, comandante do grupo de ataque do Reino Unido.

"O envolvimento do HMS Queen Elizabeth e sua ala aérea nesta campanha também envia uma mensagem mais ampla. Demonstra a velocidade e agilidade com que um grupo de ataque de porta-aviões liderado pelo Reino Unido pode injetar poder de combate de quinta geração em qualquer operação, em qualquer lugar do mundo, oferecendo assim ao governo britânico e aos nossos aliados uma verdadeira escolha militar e política", disse Moorehouse.

Blackmore afirmou que as missões de combate britânicas do porta-aviões foram as primeiras do Reino Unido desde que ele participou de missões sobre a Líbia em 2011, durante uma intervenção liderada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na guerra civil naquele país.

O Ministério da Defesa britânico descreve o Carrier Strike Group 21 como "a maior concentração de poder marítimo e aéreo a deixar o Reino Unido em uma geração". Navios de guerra americanos e holandeses também fazem parte da flotilha.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)