25 anos após Trainspotting, Edimburgo é a capital europeia da morte por heroína

Filme marcou anos 90 por traduzir sentimentos das 'gerações da heroína' no país. O problema, porém, ainda sobrevive na capital escocesa

Cena de Trainspotting sendo projetada em Edimburgo
Cena de Trainspotting sendo projetada em Edimburgo Foto: Jane Barlow/PA Images via Getty Images

Sheena McKenzie, da CNN

Ouvir notícia

É um dos monólogos mais famosos da história do cinema: “Escolha a vida”, diz Ewan McGregor na adaptação cinematográfica de 1996 de Trainspotting, o romance de Irvine Welsh sobre um grupo de amigos viciados em drogas que vivem em Edimburgo.

“Mas por que eu iria querer fazer uma coisa dessas?”, continua o personagem de McGregor, Mark Renton. “Eu escolhi não escolher a vida. Eu escolhi outra coisa. E as razões? Não há razões. Quem precisa de razões quando se tem heroína?”

A obscura comédia-dramática com trilha sonora de Britpop foi um sucesso internacional que iluminou a cena da droga na Escócia. “Irvine Welsh nos fez um favor”, disse Roy Robertson, professor de Medicina do Vício na Universidade de Edimburgo, que trabalha como médico na cidade há mais de 40 anos. A publicação original do livro em 1993 foi “um momento marcante”, disse Robertson.

“Para aqueles de nós que trabalhavam e viviam naquele setor naquela época, foi realmente um retrato muito preciso do problema. Aquele marketing muito jovem, muito dinâmico, muito agressivo e puro sobre a heroína – e todas as consequências disso”.

Mas, 25 anos após o lançamento do filme, o problema da droga na Escócia é, por algumas medidas, pior do que nunca.

A taxa de mortalidade relacionada às drogas é a mais alta da Europa, de acordo com um relatório recente da agência nacional de estatísticas. A taxa de mortalidade da Escócia ultrapassa de longe os países mais próximos – Suécia e Noruega – e é mais de três vezes e meia a taxa no Reino Unido como um todo, constatou o relatório.

Muitas dessas mortes são de usuários de drogas mais velhos que estavam na adolescência ou na casa dos 20 anos quando o filme adaptado da obra de Gales foi lançado – parte do que foi chamado de “geração Trainspotting”. Depois de uma vida inteira de abuso de drogas, a saúde física desse público já não é o que era antes.

Mas os especialistas dizem que há também uma história mais complicada sobre o problema das drogas na Escócia, envolvendo gerações de privação, baixos investimentos do governo e mudanças nas cadeias de abastecimento.

No ano passado, houve 1.339 mortes relacionadas às drogas registradas na Escócia, de acordo com o relatório anual. Isso equivale a mais de três mortes por dia, em um país com uma população de apenas 5,4 milhões de habitantes.

As mortes relacionadas às drogas na Escócia estão agora no nível mais alto desde que estes registros começaram em 1996, afirma o relatório.

Enquanto isso, a Eslováquia, que tem uma população semelhante à Escócia, registrou 34 mortes por overdose em 2019 – embora Robertson aponte a “enorme subestimativa das mortes em muitos países europeus”, onde a coleta de estatísticas sobre as questões de drogas pode não ser tão robusta quanto é na Escócia.

A Escócia tem a maior taxa de mortes por droga per capita da Europa. Sua taxa de mortalidade era de 318 por milhão da população (entre 15 e 64 anos), em 2019. Os próximos países mais altos, Suécia e Noruega, tiveram ambos 77 mortes por milhão, informou o relatório da agência nacional de estatísticas.

Nas últimas duas décadas, a idade média das mortes por drogas na Escócia aumentou constantemente de 32 para 43 anos. De acordo com o relatório, quase dois terços de todas as mortes relacionadas às drogas foram de pessoas com idade entre 35 e 54 anos.

O que o relatório não examina são as mortes adicionais por causas relacionadas às drogas, como violência, suicídio, infecção por HIV, hepatite C e câncer de pulmão – que poderiam ser de 1.000 por ano, disse Robertson.

E depois há aqueles usuários de drogas que entraram e saíram do tratamento e passaram pelo outro lado, disse Austin Smith, porta-voz do Fórum Escocês de Drogas. “É um crédito a sua enorme resistência e aos serviços de saúde que eles sobreviveram”, disse ele.

heroína droga uso escócia
Uso de heroína na Escócia é um problema que atravessa gerações
Foto: Jeff J Mitchell/Getty Images

Trainspotting tinha enredo na Edimburgo dos anos 80 e se baseia na experiência em primeira mão do galês com o cenário das drogas em sua cidade natal. Foi um momento importante na culturas das drogas na Escócia e na Europa. 

No início dos anos 80, houve uma “onda afegã e iraniana de heroína que chegou à Europa ocidental, que era muito pura pelos padrões de qualquer pessoa”, disse Robertson. Ainda hoje, os usuários de drogas mais velhos “ainda são eloquentes sobre como era adorável, aquela heroína que era 50% pura. Não precisava ser misturada com nada mais”.

Hoje em dia, os usuários de heroína são mais propensos a completar seu sucesso com outras drogas, em uma tentativa de “complementar o efeito eufórico da droga”, disse Robertson. De fato, o relatório da semana passada constatou que em 93% de todas as mortes relacionadas à droga, os testes revelaram que mais de uma substância estava presente no corpo do falecido.

Opióides como heroína e a metadona, e benzodiazepinas – um tipo de sedativo – eram as drogas mais comumente encontradas.

O consumo simutânea de drogas é extremamente perigoso, disse Smith. “Talvez de manhã eles tenham usado heroína, e à tarde eles têm usado benzodiazepinas, e são os efeitos combinados dessas drogas que matam as pessoas”, disse ele.

Nas últimas duas décadas, o fornecimento ilegal de drogas também se tornou maior e mais complexo. Anteriormente, as pessoas roubavam ou, como Smith diz, “emprestavam” benzodiazepínicos a outros que os receitavam legitimamente.

Agora, ele disse que há uma “importação em massa de banheiras de plástico cheias de benzodiazepinas de qualidade farmacêutica, que está sendo revendida por gangues criminosas”. 

Gerações de traumas

O fator comum entre os escoceses que lutam contra o uso de drogas é a pobreza, diz Smith. “Eles foram educados na pobreza”, afirma. “Eles não estão na pobreza porque gastaram todo o seu dinheiro com drogas – nunca tiveram dinheiro”.

Traumas como violência doméstica, abuso e negligência são transmitidos através de gerações, disse Smith. De fato, Robertson disse que hoje em dia ele trata os pacientes com os mesmos problemas de drogas que testemunhou em seus pais.

Tais pessoas têm um envolvimento mais pobre com os serviços de saúde, disse Smith. E aqueles que podem sofrer de distúrbios do sono e ansiedade acabam se automedicando com benzodiazepínicos.

“Há aquele estereótipo, alguns dos quais são verdadeiros, que os escoceses bebem muito”, disse Smith. “Há um apetite dentro da cultura escocesa por drogas deprimentes”, acrescentou ele.

A Escócia foi até mesmo apelidada de “o homem doente da Europa”, devido a suas taxas de mortalidade mais elevadas em comparação com outros países da Europa Ocidental. Robertson disse que não é segredo que “a Escócia é um país mais empobrecido, há mais pessoas usando drogas e álcool, sempre houve”.

E isso leva, por sua vez, a mais mortes.

Uma tragédia humana

Primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon
Primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, anunciou um pacote milionário no combate às drogas
Foto: Jane Barlow/PA Images via Getty Images

Mas os números recorde da semana passada são um novo motivo de vergonha para a primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon. A líder do Partido Nacional Escocês também foi secretária de Saúde entre 2007 a 2012.

“O número de vidas perdidas por drogas é inaceitável, cada uma delas uma tragédia humana”, escreveu Sturgeon no Twitter. O governo escocês “não se esquiva da responsabilidade e estamos determinados a fazer mudanças que salvarão vidas”, acrescentou ela.

O governo escocês no ano passado nomeou uma ministra dedicada à política de drogas, Angela Constance, para ajudar a enfrentar o problema, e no início deste ano prometeu 250 milhões de libras (348 milhões de dólares) em fundos para lidar com a emergência sanitária representada pelo abuso de drogas.

Mas os críticos dizem que o governo escocês, no passado, desinvestiu fortemente nos serviços de drogas, álcool e saúde mental. Outros apontam o dedo para o governo britânico na oposição de Westminster às salas de consumo de drogas seguras.

A resposta é melhorar o acesso e a qualidade do tratamento, disse Smith. A Escócia tem cerca de 60.000 usuários de drogas danosas, e cerca de 40% destes entram em tratamento ao menos uma pez, de acordo com o Scottish Drugs Forum. Este valor é comparado com cerca de 60% em tratamento na Inglaterra.

Nas últimas duas décadas, houve pelo menos uma mudança positiva, disse Smith: A maneira como os políticos falam sobre os usuários de drogas. Anteriormente, “os políticos de todos os partidos eram cautelosos em defender um grupo de pessoas tão marginalizadas e estigmatizadas como os usuários de drogas injetáveis”, disse ela.

“Agora o tom foi: ‘Este é todo o nosso problema e de certa forma, toda a nossa responsabilidade'”.

Mais Recentes da CNN