Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Acordo da Sexta-Feira Santa: Como pacto histórico prestes a completar 25 anos trouxe paz à Irlanda do Norte

    O pacto, chamado em inglês de Good Friday Agreement, pôs fim a décadas de violência sectária na ilha da Irlanda, com cessar-fogo de organizações paramilitares, como o famoso grupo IRA

    Irlanda do Norte
    Irlanda do Norte Foto: Pixabay

    Luke McGeeda CNN

    Londres

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, visitará Belfast, na Irlanda do Norte, na próxima semana para marcar o 25º aniversário do Acordo da Sexta-Feira Santa, chamado em inglês de Good Friday Agreement, um acordo de paz que pôs fim a décadas de violência sectária na ilha da Irlanda conhecida como “the Troubles” (“os problemas”, na tradução livre).

    Muita coisa mudou desde 1998, quando o acordo foi fechado, mas o pacto vive na imaginação dos cidadãos europeus e americanos como um golpe de mestre de cooperação internacional que antes parecia impossível.

    Quais foram os problemas na Irlanda do Norte?

    The Troubles é o termo usado para descrever a violência sectária que ocorreu na Irlanda do Norte, que levou a mais de 3.500 mortes. Ataques terroristas horríveis foram perpetrados por membros de organizações paramilitares, assim como atos de brutalidade cometidos por policiais e oficiais do exército.

    O conflito entre os republicanos (apoiadores de uma Irlanda unida, que eram em grande parte de comunidades católicas) e os sindicalistas (protestantes leais ao Reino Unido) existiam há séculos. Mas foi a divisão da Irlanda em 1921 – que criou a Irlanda do Norte – que alguns veem como um grande ponto de virada.

    A nova província do Reino Unido continha seis dos 32 condados da Irlanda. Por padrão, a Irlanda do Norte era o lar da maioria dos sindicalistas. Isso criou uma enorme raiva entre os republicanos da Irlanda do Norte, que se sentiam agora uma minoria em seu próprio país.

    O catalisador exato para os problemas é uma questão de opinião. A Ulster University lista a morte de Francis McCloskey, um católico republicano de 67 anos, um dia depois de ser atingido por um cassetete da polícia em um protesto, como a primeira morte resultada nos Troubles, embora até mesmo as circunstâncias de sua morte sejam contestadas. Ele faleceu em 14 de julho de 1969.

    A partir desta data, a lista de incidentes violentos aumenta. Alguns ataques foram realizados por grupos paramilitares unionistas. Outros foram executados por policiais ou oficiais do exército contra manifestantes, como os infames assassinatos do “Domingo Sangrento” em 1972, nos quais 14 pessoas foram baleadas durante um protesto pelos direitos civis. Também houve bombardeios realizados por grupos paramilitares republicanos, incluindo o Exército Republicano Irlandês Provisório (IRA, na sigla em inglês).

    O IRA é provavelmente o grupo paramilitar mais conhecido dos Troubles por causa da escala de seus ataques, dois dos quais atingiram o coração da instituição pública britânica.

    A variante mais contagiosa do Reino Unido, foi descoberta pela primeira vez na I
    Irlanda do Norte / Foto: Pixabay

    Em 1979, um voluntário do IRA assassinou Lord Louis Mountbatten, um membro da família real que orientou o agora rei Charles. Em 1984, o grupo bombardeou um hotel em que a então primeira-ministra britânica Margaret Thatcher estava hospedada, matando membros de seu Partido Conservador.

    Ex-membros do IRA justificam suas ações extremas anteriores alegando que não havia alternativa. “A guerra é uma coisa terrível. É como você sai disso e faz as pazes que é importante. Havia uma alternativa ao conflito, que era a democracia, mas não existia”, disse Martina Anderson, ex-voluntária do IRA, à CNN.

    Anderson foi condenada à prisão perpétua em 1986, condenada por conspirar para causar explosões. Ela foi libertada, junto com muitos outros, sob os termos do Acordo da Sexta-feira Santa e se tornou uma política eleita pelo Sinn Fein, uma vez intimamente associado ao IRA e agora o maior partido político da Irlanda do Norte.

    Os incidentes gerados pelos Troubles criaram um total de 1.971 presos políticos: 1.874 eram republicanos, enquanto 107 eram sindicalistas, de acordo com a Universidade de Ulster.

    O ano de 1986 também viu um dos avanços políticos mais significativos no processo de paz da Irlanda do Norte. Em setembro daquele ano, Gerry Adams, presidente do Sinn Fein quando o partido ainda tinha laços com o IRA, e John Hume, líder do partido republicano mais tradicional, o Partido Social Democrata e Trabalhista (SDLP) se encontraram em segredo.

    Os dois eram rivais políticos amargos, mas seu primeiro encontro de muitos abriu caminho para o cessar-fogo do IRA que desembocou na década de 1990 para as negociações que levariam ao pacto.

    Como foi feito o Acordo da Sexta-Feira Santa?

    O final dos anos 1980 e 1990 viu uma maior disposição de todos os lados para acabar com a violência e encontrar algum tipo de paz negociada. Numerosos cessar-fogo do IRA foram postos em prática, apenas para serem quebrados quando foi decidido pelo IRA que o governo britânico estava negociando de má fé. Mas o progresso continuou.

    A maior virada ocorreu em 1997, quando novos líderes com energia e mandato para promover um acordo de paz foram eleitos na Irlanda e no Reino Unido.

    Bertie Ahern era o novo líder de uma coalizão minoritária na Irlanda, enquanto Tony Blair, do Partido Trabalhista, garantiu a maioria de 179 assentos no parlamento do Reino Unido. Juntamente com o aumento do apoio do presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, as condições para chegar a um acordo estavam agora reunidas.

    Bill Clinton discursa em convenção do Partido Democrata (18.ago.2020)
    Ex-presidente americano Bill Clinton / Foto: CNN

    “Havia uma sensação real de que, se não o fizéssemos agora, o momento poderia passar”, diz Paul Bew, que aconselhou o líder unionista da época, David Trimble, do Ulster Unionist Party, durante as negociações. “Todos estavam focados na paz e estabilidade imediatas, não na política de longo prazo. Isso significava que o acordo não era perfeito, mas trouxe estabilidade”, acrescenta.

    Os principais pontos de discórdia agora eram como apaziguar as partes nas margens extremas do debate.

    O Sinn Fein, que estava em contato com o IRA durante as negociações, pressionou por duas coisas principais: adiar o desmantelamento de armas do IRA até que as pessoas o esquecessem, porque algo que poderia ser um processo gradual e não imediato. O partido também queria que os republicanos que consideravam prisioneiros de guerra fossem libertados.

    O Partido Unionista Democrático acabou não apoiando o acordo sobre a questão do desarmamento – o que resultou no Sinn Fein recebendo muito do que queria no acordo final.

    No entanto, como o acordo foi amplamente apoiado entre os políticos e o público na Irlanda do Norte e na República da Irlanda, o apoio do partido acabou não sendo necessário. Em 10 de abril de 1998, após meses de negociações sem resultado certo, foi anunciado que um acordo havia sido fechado.

    Alastair Campbell, um conselheiro próximo de Blair na época, lembra das últimas horas de negociações como “mágicas”.

    “Durante dias o sentido da história foi se construindo. Ou algo muito bom ou muito ruim iria acontecer. Então tudo começou a se encaixar. Acho que o cansaço e a falta de comida foram um fator. Mas principalmente era o grupo de pessoas que queria fazer isso”.

    Bew também aponta o cansaço como um fator importante no final das negociações. “Nas últimas horas, vi um homem bater em uma parede. Ele olhou para a parede como se ela o tivesse socado”.

    O que está no Acordo da Sexta-Feira Santa?

    O acordo reconhece que na Irlanda do Norte há uma maioria de pessoas que deseja permanecer parte do Reino Unido; no entanto, uma minoria substancial apoia uma Irlanda unida. Ele também reconhece que na ilha da Irlanda como um todo, há uma maioria que deseja unir a Irlanda. O acordo reconhece todas essas opiniões como válidas.

    A solução política proposta no acordo é que a Irlanda do Norte tenha um governo descentralizado que deve incluir sindicalistas e republicanos em uma base de compartilhamento de poder.

    Ele reconhece que a Irlanda do Norte faz parte do Reino Unido, mas também oferece aos cidadãos a flexibilidade de poderem se identificar totalmente como irlandeses ou britânicos.

    Uma parte crucial do acordo se concentra exclusivamente nas relações Norte-Sul.

    Embora o acordo não mencione nada específico sobre uma fronteira aberta, ele claramente encoraja uma situação em que haja o mínimo de atrito possível na fronteira terrestre entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda. Mais tarde, isso se tornaria incrivelmente complicado por causa do Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia.

    Primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, e a presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, após conclusão de acordos comerciais pós-Brexit para a Irlanda do Norte. 27 de fevereiro de 2023
    Primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, e a presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, após conclusão de acordos comerciais pós-Brexit para a Irlanda do Norte. 27 de fevereiro de 2023 / Dan Kitwood/Getty Images

    O acordo tem seções sobre o desmantelamento de armas e questões de segurança mais amplas. A linguagem usada no acordo é frequentemente descrita como “ambiguidade construtiva” que permitiu que a questão fosse prolongada, a fim de manter o Sinn Fein feliz e garantir que o IRA respeitasse o cessar-fogo.

    O lado unionista também concordou com a libertação de um grande número de republicanos da prisão.

    Como está o acordo? O Brexit teve um impacto negativo?

    Isto vai depender pra quem você perguntar. A maioria dos que estiveram envolvidos nas negociações e viveram os problemas dirão a você que, apesar dos problemas atuais – principalmente a descentralizada assembleia da Irlanda do Norte, localizada em Stormont, não se reunindo desde o ano passado porque o Partido Unionista Democrático não entrará no compartilhamento de poder – o situação ainda é muito melhor do que era durante o período de Troubles.

    Norman Baxter, um policial sênior aposentado na Irlanda do Norte, aponta o declínio dos grupos paramilitares como uma área chave de sucesso.

    “Os ataques ainda acontecem, mas eles realmente foram reduzidos a pequenos grupos de gangues efetivamente organizadas. Eles não têm nada parecido com as armas ou alcance que o IRA tinha. Também não têm uma ideologia coerente. Eles podem ainda estar ativos, mas a ideia de que eles podem realizar qualquer coisa na escala dos piores dias é inimaginável agora”, diz ele.

    Do lado republicano, Anderson, o ex-voluntário do IRA que se tornou político do Sinn Fein, diz: “Nascemos em um estado que não nos queria e não tínhamos direitos civis, nem igualdade, nem direitos humanos, nem democracia e paz. caminho para a autodeterminação. Temos agora”.

    No entanto, a situação política mudou drasticamente desde 1998 de uma forma que o acordo de paz não poderia ter previsto.

    Homem caminha na frente de carro pegando fogo em Belfast, no norte da Irlanda
    Homem caminha na frente de carro pegando fogo em Belfast, no norte da Irlanda / Foto: Peter Morrison/AP (3.abr.2021)

    Os então grupos marginais, o Partido Unionista Democrático e o Sinn Fein, são agora os maiores partidos das duas comunidades. A aversão que sentem um pelo outro não é mais mortal, mas é muito real.

    O Brexit inegavelmente complicou e agravou a animosidade. Algo que ajudou seriamente o acordo foi o fato de que ambos os países estavam na esfera regulatória da UE. Isso pode parecer trivial, mas significava que não havia necessidade de verificar pessoas ou mercadorias viajando entre os dois, reduzindo o potencial de hostilidade.

    A necessidade de evitar qualquer fronteira rígida entre os dois tem sido uma das áreas mais espinhosas da negociação entre a UE e o Reino Unido. Ambos os lados finalmente decidiram e concordaram que nenhuma fronteira rígida poderia existir. Isso deixou o Partido Unionista Democrático furioso e se sentindo vendido pelo governo do Reino Unido, alegando que o resultado foi uma fronteira efetiva no Mar do Norte, entre a Irlanda do Norte e a Grã-Bretanha. Enquanto isso, muitos do lado republicano e do Sinn Fein sentem que tiveram sua adesão à UE arrancada contra sua vontade.

    Como diz Anderson: “Contamos com a UE para nossos direitos na Irlanda do Norte. Votamos para permanecer”.

    Mas o Brexit está longe de ser a única coisa que azedou as relações entre as comunidades unionistas e republicanas.

    “O maior risco para o acordo no momento provavelmente não virá em nenhuma forma dramática de big bang, mas mais como uma erosão gota a gota”, diz Katy Hayward, especialista em Brexit e Irlanda do Norte na Queen’s University Belfast.

    “A estagnação do governo e o vácuo que ele cria na liderança política não são isentos de custos ou consequências. Isso é particularmente verdadeiro na Irlanda do Norte, onde as instituições democráticas foram estabelecidas como alternativa ao uso da violência para fins políticos”.

    Por que a América se importa tanto?

    Além do fato de que Bill Clinton presidiu as negociações, o GFA tem desfrutado de apoio amplamente bipartidário nos EUA há décadas. A identidade irlandesa ainda é forte nos EUA e os diplomatas irlandeses têm a reputação de usar a afeição internacional pela Irlanda para bater bem acima de seu peso.

    Biden, que se identifica como um irlandês-americano, disse repetidamente que não há alternativa ao acordo e que o Brexit não deve prejudicar a paz.

    O que esperar para o futuro?

    As coisas não estão perfeitas na Irlanda do Norte e não está claro o que futuro trará para os cidadãos da província. Uma geração já cresceu com o acordo em vigor. O perigo percebido por todos os lados da discussão é que as pessoas se esqueçam de que a paz não é inevitável. Claro, as coisas estão melhores do que durante os Troubles. Mas a política da Irlanda do Norte inegavelmente mudou.

    Todos os que falaram com a CNN para esta reportagem fizeram este relato em vários pontos de suas entrevistas: Nunca foi certo que o acordo seria conseguido e nunca foi certo que permaneceria no lugar. Declarações vagas sobre o desmantelamento de armas e interpretações deliberadamente ambíguas são possíveis quando há boa fé de ambos os lados. Mas é simplesmente um fato que há menos boa vontade na política da Irlanda do Norte e do Reino Unido do que em 1998.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original