Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Adolescente da Flórida faz história como primeira rainha trans do baile escolar

    Evan Bialosuknia, de 17 anos, surpreendeu-se ao ser eleita a rainha do baile pelos colegas do colégio "Olympia High School"

    Evan Bialosuknia, 17 anos, se tornou a primeira rainha transgênero na Flórida (EUA)
    Evan Bialosuknia, 17 anos, se tornou a primeira rainha transgênero na Flórida (EUA) WESH

    Scottie Andrewda CNN

    Ouvir notícia

    Em um vestido dourado metálico, o cabelo de dois tons enrolado em ondas, Evan Bialosuknia parecia a rainha perfeita para o baile do seu o colégio.

    Ela foi indicada para a corte do baile de sua escola em Orlando, nos Estados Unidos, com votos suficientes para ter seu nome como rainha do baile. Ela chegou a imaginar que poderia ter uma chance de vencer, embora tentasse evitar criar esperanças, disse Evan.

    “Eu estava muito animada para entrar na quadra do baile e fazer parte daquilo, mas também estava nervosa mesmo se eu vencesse, e se as pessoas estivessem fazendo isso para tirar sarro de mim”, a estudante de 17 anos do ensino médio disse à CNN. “As pessoas são cruéis hoje em dia. Você nunca sabe o que pode acontecer.”

    Esses temores desapareceram assim que ela ouviu os aplausos estrondosos quando seu nome foi chamado durante o jogo de boas-vindas de sua escola no final de setembro. Os colegas de Bialosuknia votaram nela para ser a rainha do baile, a primeira estudante transgênero da Olympia High School a usar a coroa.

    Bialosuknia disse que sua coroação a fez se sentir mais em casa na escola – e o apoio de seus colegas mostrou que a maioria deles a vê como ela é.

    “Foi apenas, tipo, um alívio de tanta ansiedade também”, disse ela. “Apenas em saber que tenho todos ao meu lado e [eles] estão realmente aqui para mim … faz com que esse processo de transição pareça muito melhor”.

    Mensagens positivas

    Bialosuknia se sente mais confortável em sua própria pele do que a maioria dos jovens de 17 anos. Mas sua confiança foi conquistada com dificuldade, disse sua mãe, Marnie. A transição de Bialosuknia foi um “processo longo e difícil”, disse sua mãe, e afirmou que a família a está apoiando.

    Jovem comemorou o título nas redes sociais / Instagram/Evan Bialosuknia

    Desde sua coroação, Bialosuknia disse que foi inundada por mensagens de apoio e orgulho de seus colegas. Ela também recebeu mensagens de ódio, mas disse que as pessoas que a enviam “não entendem e nunca entenderão”.

    “Ganhar não é tentar mudar a opinião de ninguém para me aceitar e entender”, disse ela. “É apenas para mostrar que qualquer um pode fazer qualquer coisa, e se você faz parte da comunidade LGBTQ +, isso não o torna mais estranho ou mais solitário do que todos”.

    Embora Marnie Bialosuknia tenha dito que estava emocionada por sua filha, ela reconheceu que muitos adolescentes trans não pertencem a um corpo estudantil de apoio semelhante ou vivem em um lar apoiador.

    Um estudo de 2019 dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças estimou que pouco menos de 2% dos alunos do ensino médio nos Estados Unidos são trans e que os alunos trans são mais propensos do que os cisgêneros a sofrer assédio violento e risco de suicídio.

    “Minha esperança é que, talvez daqui a cinco anos, isso seja diferente”, disse ela. “Evan é a primeira, mas ela não será a última.”

    Bialosuknia publicou fotos de sua coroação. Quando seu nome foi chamado, ela percorreu a fila de seus colegas indicados e abraçou cada um enquanto eles torciam por ela com entusiasmo. A banda marcial, posicionada em formação socialmente distanciada no campo de futebol da escola, aplaudiu. Ela se agachou para que um administrador escolar pudesse colocar a tiara em sua cabeça.

    “Se você se apresenta como uma pessoa forte, extrovertida e bonita, é assim que você vai parecer”, disse ela.

    É um conselho que ela mesma adotou – e ao projetar essa confiança, ela está começando a sentir isso também.

    (Texto traduzido, leia original em inglês aqui)

    Mais Recentes da CNN