Alemanha, França e Reino Unido se desculpam por passado colonial

Nações europeias têm procurado se retratar com países aos quais escravizaram ou contribuíram para genocídios

Denise Odorissi e Renan de Souza, da CNN

Ouvir notícia

Na tentativa de reconhecerem e se retratarem, nações europeias estão revisitando eventos históricos da exploração de povos que sofreram, foram escravizados ou vítimas de exterminío. Uma delas é a Alemanha, que se desculpou recentemente pelo seu papel cometido no genocídio cometido há mais de 100 anos na Namíbia. 

O governo alemão ofereceu mais de 1 bilhão de euros como indenização ao país africano, na forma de financiamento de projetos em desenvolvimento. Apesar do gesto, o presidente da Associação de Vítimas do Genocídio da Namíbia diz que a oferta é insuficiente. 

A França foi pelo mesmo caminho em relação à ex-colônia Ruanda. Em uma visita à nação africana, o presidente francês Emmanuel Macron reconheceu o papel da nação europeia na matança ocorrida na década de 1990. 

Já no Reino Unido, o Banco da Inglaterra se desculpou por antigos membros que lucraram com a escravidão. A instituição criou uma política para acabar com as diferenças salariais ligadas à etnia e ao gênero dos funcionários. 

Cúpula de Líderes sobre o Clima
O presidente da França Emmanuel Macron foi um dos líderes que reconheceu o passado colonial do país
Foto: Reprodução/CNN Brasil (22.abr.2021)

Mais Recentes da CNN