Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: China apaga menções a ministro demitido e não explica seu paradeiro

    Qin Gang chefiava a pasta das Relações Exteriores e não é visto em público desde o final de junho

    Simone McCarthyda CNN

    Cinco semanas atrás, o mundo assistiu ao encontro do ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, em Pequim, para negociações de alto risco entre as duas potências.

    Mas qualquer um que procure referência a esse importante evento no site do Ministério das Relações Exteriores da China ficará desapontado, pois essa reunião – e todas as atividades de Qin como ministro das Relações Exteriores – foram apagadas do registro após uma mudança de liderança na terça-feira (25) que viu Qin abruptamente substituído por seu predecessor Wang Yi.

    A destituição de choque, aprovada por um órgão importante dentro da legislatura do carimbo da China, ocorreu após semanas de perguntas e especulações sobre o destino de Qin depois que ele desapareceu da vista do público no final de junho, sem uma explicação clara.

    A última reviravolta na saga – o completo apagamento do rápido mandato de seis meses de Qin como ministro das Relações Exteriores e sua substituição por Wang, que ocupou o cargo por cerca de uma década antes de uma promoção no final do ano passado – só serve para aprofundar o mistério.

    O paradeiro de Qin, o motivo de sua remoção e seu destino como membro do Partido Comunista da China permanecem desconhecidos.

    Perguntas não respondidas sobre a tomada de decisões oficiais são padrão na China, onde o sistema político é notoriamente opaco e só se tornou mais opaco sob o líder chinês Xi Jinping.

    Altos funcionários chineses desapareceram da vista do público no passado apenas para aparecer meses depois em anúncios de que estavam sob investigação disciplinar secreta.

    Mas as circunstâncias que se desenrolaram nas últimas semanas em torno de Qin – amplamente visto como um assessor de confiança de Xi e uma das autoridades mais reconhecidas da China como o rosto de sua política externa e ex-embaixador nos EUA – trouxeram essas características do sistema político chinês sob os holofotes globais.

    VÍDEO – Sumiço de chanceler gera especulações na China

    “A falta de transparência já é um problema bem conhecido da burocracia chinesa. E as decisões são boas até que não sejam. E quando não são, isso geralmente cria problemas muito maiores para o sistema”, disse Yun Sun, diretor do Programa da China no think tank Stimson Center, com sede em Washington.

    “A substituição rápida não reflete bem em Xi, com certeza. No mínimo, as pessoas vão questionar o que deu errado e tornou a substituição necessária. Mas também sugere que a causa deve ser grave para que [Qin] seja removido”, acrescentou.

    Enquanto a China faz campanha para apresentar sua liderança como uma alternativa atraente à do Ocidente, o episódio apenas aumenta a ótica potencialmente prejudicial.

    “A remoção de Qin reforçará as percepções no exterior de que o Partido Comunista é um parceiro diplomático opaco e não confiável”, afirmou Neil Thomas, do Centro de Análise da China.

    O que isso significa para a China e seu líder

    A nomeação de Qin para o cargo de ministro das Relações Exteriores no ano passado em detrimento de candidatos mais experientes foi vista como um sinal de profunda confiança depositada nele por Xi, que empilhou a liderança da China com seus aliados próximos ao consolidar o poder no ano passado ao entrar em um terceiro mandato que quebrou as normas como líder.

    “Acredita-se amplamente que Xi tem um círculo interno muito pequeno de pessoas que ele consulta e, além disso, é superconfiante e toma decisões com base em seus próprios instintos”, disse Bonnie Glaser, diretora-gerente do Programa Indo-Pacífico da German Marshall Fund.

    “Qin é seu protegido e, portanto, isso necessariamente refletirá mal em Xi. No entanto, isso não significa que este episódio representará um desafio ao seu poder”, disse ela.

    Quando as notícias das mudanças de liderança foram divulgadas pela mídia estatal chinesa na noite de terça-feira, o vasto aparato da China para controlar a discussão pública sobre eventos políticos e sociais entrou em ação.

    As hashtags de mídia social relacionadas à remoção de Qin foram censuradas no popular aplicativo de mídia social chinês Weibo, incluindo pelo menos uma que visava fugir dos censores ao discutir a decisão sob uma hashtag sobre um programa de televisão ambientado na época da antiga dinastia Qin da China.

    Enquanto isso, as hashtags sobre a nomeação de Wang permaneceram ativas na plataforma na manhã desta quarta-feira (26), mas mostravam apenas postagens de contas verificadas, em grande parte da mídia estatal ou de agências governamentais, sem nenhum comentário gerado pelo usuário visível.

    “É provável que os meios de comunicação oficiais propaguem a ideia de que a alta liderança é sábia ao remover um funcionário sênior em quem se confiava e que, a partir de agora, cometeu erros”, disse Li Mingjiang, professor associado de relações internacionais da Universidade Nanyang Technological, de Singapura.

    Dependendo de mais informações sobre as circunstâncias de Qin, a mídia chinesa “sempre pode dizer que este é um exemplo da determinação do Partido em tomar ações disciplinares estritas sempre que um alto funcionário for descoberto fazendo coisas erradas”, acrescentou.

    Ainda não está claro quando, ou se, mais informações serão divulgadas sobre os motivos da demissão de Qin, e esse vazio de informações foi preenchido com boatos e especulações desenfreadas.

    Quando perguntado no início deste mês sobre por que Qin havia perdido uma reunião diplomática, um porta-voz do ministério citou “razões de saúde”.

    Durante um briefing regular do ministério nesta quarta-feira, um porta-voz se recusou a fornecer informações sobre por que Qin foi substituído e disse que o site do ministério foi “atualizado de acordo com os regulamentos relevantes”, quando perguntado por que os registros do tempo de Qin como ministro das Relações Exteriores foram removidos.

    Por enquanto, Qin parece ter mantido seu posto administrativo de alto nível voltado para o mercado interno como Conselheiro de Estado.

    Mas observadores da elite política chinesa dizem que o silêncio sobre o motivo de sua substituição e seu apagamento do site do ministério apontam para razões políticas, que podem ficar claras nos próximos meses se houver um anúncio oficial de uma investigação contra ele.

    “Pequim está reservando a flexibilidade para decidir sobre suas histórias mais tarde. Eu não acho que um anúncio sobre o que aconteceu acontecerá tão cedo. Pequim vai esperar até que as pessoas quase se esqueçam disso para evitar mais atenção”, disse Sun em Washington.

    “Mãos seguras”

    A reformulação do Ministério das Relações Exteriores ocorre em um momento particularmente delicado nas relações internacionais da China.

    Pequim está tentando estabilizar as relações conturbadas com os Estados Unidos e reconquistar uma Europa que tem desconfiado cada vez mais dos laços estreitos da China com a Rússia enquanto esta declara guerra à Ucrânia.

    E, embora o misterioso desaparecimento e expulsão de Qin crie uma estranha ótica internacional, também coloca a política externa da China de volta nas mãos de um veterano experiente que ocupou o cargo de 2013 a 2022.

    Quando questionado sobre Qin e Wang em uma coletiva de imprensa na terça-feira, o diplomata americano Blinken disse que os EUA se envolveriam com “quem quer que sejam os correspondentes chineses relevantes” para administrar o relacionamento entre os países.

    “Também conheço Wang Yi há mais de uma década. Eu me encontrei com ele repetidamente em minha capacidade atual como Secretário de Estado e inclusive recentemente em Jacarta e prevejo poder trabalhar bem com ele como fizemos no passado”, disse Blinken, observando que “desejava [Qin] bem.”

    Nos últimos anos, Wang ficou conhecido por sua postura combativa de “guerreiro lobo”, mas também foi visto como um operador tranquilo, regularmente despachado para lidar com as questões diplomáticas mais espinhosas da China e se encontrar com aliados próximos, incluindo uma viagem em fevereiro a Moscou para se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin.

    Mantido por Xi apesar de ter atingido a idade padrão de aposentadoria durante uma remodelação de liderança de cinco anos em outubro passado, ele foi promovido no final do ano passado ao cargo de principal diplomata da China, supervisionando o braço de relações exteriores do Partido Comunista – um órgão separado e distinto do Ministério das Relações Exteriores.

    Parece que ele agora ocupará esse cargo e o anterior – um acordo que Thomas Neil sugere que pode ser temporário, ao mesmo tempo em que permite a Wang navegar por um período de meses em que Xi visitará os EUA em novembro para uma cúpula econômica.

    Sua nomeação, no entanto, ignora um amplo banco de candidatos em potencial, de acordo com Victor Shih, diretor do 21st Century China Center da Universidade da Califórnia, em San Diego, que “sugere que a alta liderança não tem certeza de um bom substituto e optou por uma opção segura e um par de mãos firmes.”

    “Esse desejo pode nos dar uma dica do que exatamente aconteceu com Qin Gang”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original