Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: como a corrupção e o narcotráfico transformaram o Equador

    Assassinato de Fernando Villavicencio, candidato à presidência, chama a atenção para a sangrenta guerra territorial enfrentada pelo país andino

    Fernando Villavicencio, candidato à presidência do Equador, morto na quarta-feira (9)
    Fernando Villavicencio, candidato à presidência do Equador, morto na quarta-feira (9) Reprodução/Instagram

    Tara Johnda CNN

    Os equatorianos estão presos em uma sangrenta guerra territorial na qual organizações criminosas rivais se envolvem em demonstrações brutais e muitas vezes públicas de violência enquanto lutam para controlar as rotas do narcotráfico através da nação andina.

    Relatos de desmembramentos, motins em prisões, atentados a bomba e assassinatos de jornalistas, juízes e prefeitos dominaram as manchetes, e muitos equatorianos estão optando por deixar o país: o registro civil até estendeu seu horário este ano para relatar um aumento na demanda por passaportes e documentos de identidade.

    Veja também – Quem era Fernando Villavicencio, político morto a tiros no Equador

    Em dezembro de 2022, a Patrulha de Fronteira dos Estados Unidos encontrou mais de 16.000 equatorianos na fronteira sul, 24 vezes mais do que no mesmo mês do ano anterior.

    Mas o assassinato do candidato presidencial Fernando Villavicencio, ocorrido na quarta-feira (9), pode ser um ponto de virada para um país que até agora tem lutado para controlar o derramamento de sangue.

    A morte de Villavicencio “deve ser um alerta para a democracia equatoriana”, disse à CNN Juan Pappier, vice-diretor interino para as Américas da Human Rights Watch (HRW).

    “Durante anos, as autoridades equatorianas não responderam [à crise de segurança] e isso deveria ser um alerta para tomar finalmente medidas para proteger a população, dado o surgimento de grupos do crime organizado que estão aterrorizando grande parte do Equador”, acrescentou.

     

    Violência movida a drogas

    Lar das Ilhas Galápagos e uma economia em dólar favorável ao turismo, o Equador já foi conhecido como uma “ilha de paz”, espremido entre dois dos maiores produtores de narcóticos do mundo, Peru e Colômbia.

    No entanto, seus portos profundos o tornaram um importante ponto de trânsito para drogas destinadas a consumidores nos Estados Unidos e na Europa. E sua economia dolarizada também o torna um local estratégico para traficantes que procuram lavar dinheiro.

    O forte aumento da violência que fez do Equador um dos países mais perigosos da região coincide com o “boom” da cocaína.

    A produção global deve atingir níveis recordes este ano, de acordo com Laura Lizarazo, principal analista para a região andina da consultoria de risco político Control Risks.

    “O mercado está inundado de cocaína e as organizações criminosas estão se adaptando para explorar esse excesso de produção”, afirmou.

    Analistas disseram à CNN que organizações estrangeiras como cartéis mexicanos, gangues urbanas brasileiras e até células da máfia albanesa estão trabalhando com grupos criminosos equatorianos locais, como Los Choneros e Los Lobos, alimentando o conflito em andamento.

    A insegurança econômica ajudou a levar alguns equatorianos ao crime e outros a fugir do país. Mais da metade da força de trabalho do Equador trabalha na economia informal, o que significa que milhões de pessoas carecem de contratos e pacotes de benefícios com os quais contar em tempos difíceis, uma situação agravada pela pandemia.

    Autoridades hesitantes

    As forças de segurança e do Estado não estão preparadas para lidar com o surgimento de grupos criminosos no país.

    “Algumas forças estatais carecem de equipamento de treinamento adequado e estratégia para lidar com a ameaça de forma eficaz, eles também têm capacidade estatal limitada para processar e processar organizações criminosas de forma eficaz”, disse Lizarazo.

    O cada vez mais combativo presidente do Equador, Guillermo Lasso, decretou vários estados de exceção que pouco fizeram para conter o derramamento de sangue. A certa altura, ele autorizou civis a usar armas de fogo, para grande consternação das empresas de segurança, dizem os críticos.

    O descontentamento generalizado com o aumento vertiginoso do crime afundou a popularidade de Lasso este ano, abrindo caminho para ele convocar uma eleição geral antecipada em 20 de agosto, na qual ele não concorrerá.

    Alegações de corrupção também atormentaram o sistema de segurança e Justiça do Equador. No ano passado, os Estados Unidos retiraram os vistos de altos funcionários das forças de segurança equatorianas, supostamente ligados ao narcotráfico, além de vários juízes e advogados.

    Lizarazo afirmou que a corrupção penetrou na Polícia, no Exército, no Judiciário e até no Executivo, o que significa que o próximo governo terá que enfrentar desafios profundamente arraigados uma vez no poder.

    Muitos são forçados a escolher entre um suborno ou uma bala, afirmou Eric Farnsworth, vice-presidente do escritório de Washington do Conselho das Américas, à CNN.

    “Existe claramente um incentivo para que as gangues se infiltrem no sistema judiciário ou nas forças de segurança; pelo menos algumas pessoas são tentadas pelo (ditado) ‘prata ou chumbo'”.

    Morte de Fernando Villavicencio pode afetar as eleições?

    O assassinato de Villavicencio – um ex-jornalista com uma longa história de denúncia de casos de corrupção – pode influenciar a eleição presidencial de 20 de agosto, dizem analistas, já que muitos aspirantes a políticos na região tentam imitar as políticas de braço forte do líder de El Salvador, Nayib Bukele.

    A líder da disputa, a ex-legisladora Luisa González, que é próxima do ex-presidente de esquerda Rafael Correa, tem sido mais comedida em sua abordagem no combate ao crime e pediu o fortalecimento do Judiciário para ajudar nos processos judiciais.

    Outros concorrentes, como o empresário e político Jan Topic, prometem uma mão forte, uma abordagem que pode ser especialmente atraente agora.

    Mas todos os candidatos enfrentam um público desiludido. Os eleitores equatorianos apresentam altos níveis de apatia, insatisfação e desconfiança no sistema político, e até 60% da população não conhece os nomes dos candidatos, segundo especialistas.

    “Agora que este evento horrível [o assassinato] colocou a campanha presidencial” e a crise de segurança de volta ao centro das atenções, disse Lizarazo, os eleitores podem se sentir empoderados para votar em uma abordagem mais ousada para acabar com a violência.

    *Catherine Shoichet, da CNN, contribuiu para esta matéria

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original