Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: EUA e Irã estão perigosamente perto de um confronto no Oriente Médio

    A guerra entre Israel e o Hamas já se espalhou tornando cada vez mais provável as perspectivas de um confronto entre potências regionais e mundiais

    Imagem de satélite do Oriente Médio, uma das regiões mais secas do planeta
    Imagem de satélite do Oriente Médio, uma das regiões mais secas do planeta Foto: UIG via Getty Images

    Nadeen Ebrahim e Abbas Al Lawatida CNN

    A guerra entre Israel e o Hamas já se espalhou para todo o Oriente Médio, tornando cada vez mais provável as perspectivas de um confronto entre potências regionais e mundiais.

    Em toda a região, os combates têm-se limitado em grande parte a ataques de retaliação entre milícias apoiadas, de um lado pelo Irã e, do doutro, pelos EUA, Israel e os seus aliados.

    Mas, a intervenção direta tanto do Irã como dos EUA, nas últimas semanas, aumentou os receios de que o conflito, por procuração entre os dois, possa transformar-se em um embate direto.

    Até agora, os EUA e o Irã têm evitado confrontar-se diretamente.

    Os EUA atacaram grupos apoiados pelo Irã no Iémen, na Síria e no Iraque, enquanto grupos ligados ao Irã têm como alvo pessoal americano no Iraque e na Síria.

    Teerã também atacou o que disse ser grupos anti-Irã no Iraque, na Síria e no Paquistão. O Paquistão respondeu com ataques retaliatórios.

    O Irã, que há muito se opõe à presença de forças dos EUA no que considera ser o seu quintal, passou as últimas décadas a construir uma rede de milícias islâmicas, antiocidentais e anti-Israel que treina, financia e arma.

    Estes grupos tornaram-se mais bélicos ultimamente, especialmente os rebeldes Houthis do Iêmen, que perturbaram uma via navegável internacional vital, causando estragos no comércio global e levando os Estados ocidentais a intervir. Além disso, construiu laços e ajudou a financiar o Hamas, que lançou a sua guerra contra Israel em 7 de Outubro.

    Os EUA, que há anos tentam afastar-se do Oriente Médio, vêem-se atraídos de volta para a região. A presença militar já era considerável na região antes da guerra, com mais de 30 mil soldados.

    Desde o início da guerra, no entanto, Washington reforçou significativamente a sua postura militar na região, tendo deslocado cerca de 1.200 militares dos EUA, junto com milhares de outros a bordo de grupos de ataque de porta-aviões da Marinha e de uma Unidade Expedicionária de Fuzileiros Navais com cerca de 2.000 pessoas.

    E em alguns lugares, incluindo o Iraque e a Síria, a presença militar dos EUA sobrepõe-se à do Irã e dos seus aliados.

    À medida que as tensões em toda a região aumentam, é aqui que o Irã ou os seus aliados estão presentes, onde as forças dos EUA estão estacionadas e onde ambos os lados têm conduzido operações militares desde o início da guerra Israel-Hamas:

    Líbano

    O Líbano é o lar da força paramilitar mais poderosa do Oriente Médio: o Hezbollah, apoiado pelo Irã, ele é um dos representantes regionais mais eficazes da República Islâmica.

    Fumaça na vila de Dhayra, no sul do Líbano, em 11 de outubro / Reuters

    O grupo tem a sua base principal na fronteira Israel-Líbano e tem trocado tiros com Israel desde o início da guerra em Gaza. O movimento está próximo do Hamas em Gaza.

    Embora o tamanho exato do arsenal do grupo islâmico xiita seja desconhecido, os especialistas estimam que tenha entre 150.000 e 200.000 mísseis, bem como foguetes e morteiros. Centenas desses mísseis “são de alta precisão e altamente destrutivos”, segundo o Instituto de Estudos de Segurança Nacional de Tel Aviv.

    O líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, afirma que o grupo tem 100 mil combatentes, incluindo soldados ativos e reservistas. Acredita-se que o Irã seja o principal fornecedor de armas do Hezbollah.

    Iraque

    Teerã exerce uma influência significativa sobre várias milícias xiitas estreitamente ligadas ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica Iraniana (IRGC). Estes incluem Kataib Hezbollah, Harakat al-Nujaba e Kata’ib Sayyid al-Shuhada.

    Avião americano na Base Aérea Al-Asad no Iraque / Reprodução

    Especialistas dizem que alguns dos grupos, como o Kataib Hezbollah, respondem mais às autoridades de Teerã do que ao governo de Bagdá. O Escritório do Diretor de Inteligência Nacional dos EUA acredita ter até 10.000 membros. O Iraque também abriga a Organização Badr, fundada pelo IRGC, bem como o Asaib Ahl Al-Haq.

    Grupos apoiados pelo Irã realizaram dezenas de ataques contra as forças dos EUA no Iraque desde o início da guerra em Gaza, aos quais os EUA retaliaram com ataques aéreos.

    No fim de semana, militares dos EUA ficaram feridos em um ataque com mísseis balísticos à Base Aérea de Al-Asad, no Iraque. Parece ser a segunda vez que mísseis balísticos são usados contra as forças dos EUA e da coligação no país desde 7 de outubro.

    Até 2008, no auge da guerra do Iraque, os EUA tinham até 160 mil soldados no país. Hoje, cerca de 2.500 forças estão posicionadas em diversas bases, incluindo Erbil AB, Al-Asad AB e a base JOC-I (União III) em Bagdá.

    Temendo que o seu país se torne um palco para uma guerra regional, o primeiro-ministro do Iraque disse este mês que Bagdad está a tentar sair da coligação liderada pelos EUA. Os EUA sublinharam que os seus militares estão presentes no país a convite do governo.

    Síria

    O Irã tem presença direta na Síria, onde a sua Força Quds, uma unidade de elite do IRGC que gere operações no estrangeiro, foi destacada após a revolta de 2011 para apoiar o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad. O seu pessoal serviu como conselheiro militar e lutou na linha da frente de Assad, ao lado de milícias apoiadas pelo Irã.

    A Síria também acolhe as Brigadas Zainabiyoun e Fatemiyoun, milícias xiitas ligadas ao IRGC que se acredita recrutarem combatentes afegãos e paquistaneses.

    Os EUA têm 800 forças na Síria como parte de uma missão em curso para derrotar o ISIS. A maioria das forças dos EUA está estacionada no que as autoridades militares chamam de “Área de Segurança do Leste da Síria”, onde os EUA apoiam as Forças Democráticas Sírias (SDF), anti-regime, no nordeste do país.

    Há também alguma presença de tropas dos EUA no sudeste da Síria, onde os EUA apoiam o Exército Livre da Síria, que também se opõe ao regime sírio. O regime considera os EUA um invasor.

    As tropas dos EUA na Síria têm sido cada vez mais atacadas por grupos apoiados pelo Irã nas últimas semanas, aos quais os EUA responderam com ataques aéreos.

    Iêmen

    No centro do atual conflito entre o Irã e os EUA estão os rebeldes Houthis do Iêmen, que têm intensificado os seus ataques a navios no Mar Vermelho, afirmando que são uma vingança contra Israel pela sua guerra em Gaza.

    EUA esperam retaliação dos houthis após ataques no Iêmen / Reuters

    O grupo controla atualmente o norte do Iêmen e esteve envolvido em quase oito anos de combates com uma coligação apoiada pelos EUA e liderada pela Arábia Saudita antes de interromper os combates no ano passado.

    As armas Houthi produzidas localmente foram em grande parte montadas com componentes iranianos contrabandeados em pedaços para o Iêmen. Mas, o grupo posteriormente fez modificações progressivas que resultaram em grandes melhorias gerais, segundo contou um funcionário familiarizado com a inteligência dos EUA à CNN.

    As bases militares dos EUA posicionam navios de guerra no Mar Vermelho, ao largo da costa do Iémen, de onde têm atacado alvos Houthis. Em dezembro, os EUA reuniram uma coligação de mais de 20 países para salvaguardar o tráfego comercial contra os ataques Houthis no Mar Vermelho.

    Faixa de Gaza e Israel

    A sitiada Faixa de Gaza abriga o grupo militante Hamas, que Israel acredita ter tido cerca de 30 mil combatentes antes da guerra. Organização islâmica com ala militar, o Hamas foi criado em 1987 e, em 7 de outubro, lançou um ataque a Israel que matou cerca de 1.200 pessoas e fez outras 253 reféns, segundo as autoridades israelenses.

    Mais da metade dos habitantes de Gaza estão em Rafah, diz a ONU / REUTERS

    O Irã construiu laços mais estreitos com o grupo nos últimos anos; ao contrário de todos os outros aliados de Teerã na região, o Hamas é uma organização muçulmana sunita, e não xiita.

    Não há provas de que o Irã soubesse antecipadamente dos ataques de 7 de Outubro e não se acredita que o Irã tenha tanta influência sobre o Hamas como os seus outros aliados na região.

    Mas os EUA acreditam que o Irã forneceu historicamente até 100 milhões de dólares anuais em apoio combinado a grupos militantes palestinianos, incluindo o Hamas e a Jihad Islâmica Palestiniana (PIJ), outro grupo militante baseado em Gaza.

    Do outro lado da fronteira, Israel é o maior beneficiário da ajuda militar dos EUA, tendo Washington contribuído com mais de 130 mil milhões de dólares em assistência desde a fundação do Estado Judeu em 1948.

    Estados do Golfo Árabe e Turquia

    Embora a guerra entre Israel e o Hamas ainda não tenha chegado aos Estados do Golfo Árabe, algumas dessas nações sentem-se vulneráveis, uma vez que já foram alvo de grupos ligados ao Irã. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos foram atacados pelos Houthis em 2019 e 2022, respetivamente.

    Os estados do Golfo aliados dos EUA são também o lar de alguns dos maiores destacamentos de tropas dos EUA no mundo.

    Os EUA têm cerca de 13.500 forças norte-americanas no Kuwait, a maior presença militar americana na região. Apenas a Alemanha, o Japão e a Coreia do Sul acolhem mais forças dos EUA do que o Kuwait.

    A segunda maior presença militar dos EUA na região está no Qatar, que acolhe cerca de 10.000 forças dos EUA na Base Aérea de Al-Udeid, a maior base militar dos EUA no Médio Oriente que também abriga o Quartel-General Avançado do Comando Central dos EUA e o Centro de Operações Aéreas Combinadas. Os EUA chegaram este mês discretamente a um acordo que prolonga a sua presença militar por mais 10 anos na base.

    O Qatar mantém relações com o Hamas, tendo sediado o seu escritório político na capital Doha desde 2012.

    Mais de 2.700 forças dos EUA estão estacionadas na Base Aérea Prince Sultan, na Arábia Saudita, enquanto os Emirados Árabes Unidos acolhem 3.500 militares dos EUA na Base Aérea de Al Dhafra, que abriga o Centro de Guerra Aérea do Golfo.

    Outros centros para a presença militar dos EUA incluem o Bahrein, que acolhe o Comando Central das Forças Navais dos EUA e alberga a Quinta Frota da Marinha, e a Jordânia, que acolhe cerca de 3.000 soldados dos EUA. A Turquia hospeda 1.465 militares na base aérea de Incirlik.

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original