Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja os países que suspenderam apoio à agência da ONU em Gaza após denúncias

    Cerca de 12 funcionários são investigados de participar dos ataques do Hamas contra Israel em 7 de outubro do ano passado

    Bandeira das Nações Unidas
    Bandeira das Nações Unidas 29/05/2023REUTERS/Stephanie Lecocq

    Elizabeth Matravolgyida CNN

    Vários países suspenderam o financiamento à agência das Nações Unidas de assistência aos palestinos (UNRWA), depois que a ONU demitiu 12 funcionários que são investigados por envolvimento nos ataques do Hamas, em 7 de outubro de 2023.

    Os ataques provocaram a guerra em Gaza que já dura mais de 100 dias.

    Veja quais países pausaram o financiamento:

    Estados Unidos: Os Estados Unidos foram os primeiros a suspender a ajuda financeira à agência. O anúncio foi feito pelo Departamento de Estado americano. “O secretário de Estado Antony Blinken falou com o secretário-Geral das Nações Unidas António Guterres em 25 de janeiro para enfatizar a necessidade de uma investigação completa e rápida deste assunto”, disse o porta-voz Matt Miller em um comunicado.

    “Congratulamo-nos com a decisão de conduzir tal investigação e com o compromisso do Secretário-Geral Guterres de tomar medidas decisivas para responder, caso as alegações se revelem precisas”, continuou.

    Austrália: A Austrália seguiu os Estados Unidos na decisão e suspendeu o apoio temporariamente.

    “As alegações de que o pessoal da UNRWA esteve envolvido nos abomináveis ​​ataques terroristas de 7 de outubro são profundamente preocupantes”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros da Austrália, Penny Wong, num comunicado publicado neste sábado (27) no X, antigo Twitter.

    Ela acrescentou que, embora “a Austrália acolhe com satisfação a resposta rápida da UNRWA”, irá “pausar temporariamente o desembolso do financiamento recentemente anunciado”, à medida que a capital australiana Canberra se envolve “estreitamente com a UNRWA nas investigações” e consulta parceiros internacionais.

    Canadá: O ministro do Desenvolvimento Internacional do Canadá, Ahmed Hussen, fez o anúncio na sexta-feira no X. “O Canadá condena o ataque de 7 de outubro a Israel. Estou profundamente preocupado com as alegações relacionadas a alguns funcionários da UNRWA”, escreveu ele.

    Itália: O ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, confirmou em X que a Itália também suspendeu o financiamento da UNRWA, acrescentando que “estamos comprometidos em fornecer assistência humanitária à população palestina e proteger a segurança de Israel.”

    Reino Unido: Em um comunicado compartilhado com a CNN, o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido disse que estava “chocado com as alegações de que a equipe da UNRWA estava envolvida no ataque de 7 de outubro contra Israel, um ato hediondo de terrorismo que o governo do Reino Unido condenou repetidamente.”

    Finlândia: O Ministério das Relações Exteriores da Finlândia disse neste sábado que suspendeu seu financiamento de cinco milhões de euros (cerca de US$ 5,4 milhões) por ano devido às “sérias alegações”. Ele pediu uma “investigação independente e completa do assunto.”

    Entenda o caso:

    A agência das Nações Unidas de assistência aos palestinos (UNRWA) disse na sexta-feira que abriu uma investigação sobre funcionários suspeitos de envolvimento nos ataques de 7 de outubro em Israel pelo Hamas e que cortou os laços com esses funcionários.

    Fumaça em Gaza vista do sul de Israel / 8/1/2024 REUTERS/Tyrone Siu

    “As autoridades israelenses forneceram à UNRWA informações sobre o suposto envolvimento de vários funcionários da UNRWA nos terríveis ataques a Israel em 7 de outubro”, disse Philippe Lazzarini, comissário-geral da UNRWA.

    “Para proteger a capacidade da agência de prestar assistência humanitária, tomei a decisão de rescindir imediatamente os contratos desses funcionários e iniciar uma investigação para estabelecer a verdade sem demora”, afirma Lazzarini.

    A UNRWA, criada em 1949 após a primeira guerra árabe-israelense, oferece serviços que incluem educação, cuidados primários de saúde e ajuda humanitária aos palestinos em Gaza, Cisjordânia, Jordânia, Síria e Líbano.

    A UNRWA tem fornecido ajuda e usado suas instalações para abrigar pessoas que fugiram de bombardeios e de uma ofensiva terrestre lançada por Israel em Gaza após os ataques de 7 de outubro, nos quais, segundo Israel, 1.200 pessoas morreram e 253 pessoas foram feitas reféns.

    A Organização para a Libertação da Palestina (OLP) pediu aos países que suspenderam o apoio à Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina (UNRWA) voltarem atrás. “Apelamos aos países que anunciaram a cessação de seu apoio à UNRWA para que retirem imediatamente sua decisão”, disse o secretário-geral da Organização de Libertação da Palestina, Hussein Al-Sheikh, em comunicado neste sábado.

    *Com informações da Reuters