Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: nem Putin, nem Lukashenko parecem estar interessados em ser amigos de Prigozhin agora

    Presidente belarusso coloca chefe do Grupo Wagner em um limbo ao afirmar que ele não está em Belarus, após oferta de exílio no país ao fim da rebelião dos mercenários na Rússia

    Yevgeny Prigozhin, chefe do grupo mercenário russo Wagner
    Yevgeny Prigozhin, chefe do grupo mercenário russo Wagner 08/04/2023REUTERS/Yulia Morozova

    Mick KreverMatthew Chanceda CNN

    Minsk, Belarus

    Se aprendemos uma coisa com a coletiva de imprensa de quinta-feira (6) do presidente belarusso, Alexander Lukashenko, é que o chefe do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, que não é visto em público desde 24 de junho, parece estar em um limbo perigoso.

    Lukashenko colocou um abismo de distância entre ele e Prigozhin, quando disse que nem Prigozhin nem seus mercenários estavam em Belarus e não estava claro se eles algum dia se mudariam para cá.

    “Ele está em São Petersburgo. Ou talvez esta manhã ele viajasse para Moscou ou outro lugar”, disse Lukashenko em resposta a uma pergunta da CNN. “Mas ele não está no território de Belarus agora.”

    Quando foi dito que Lukashenko havia negociado um acordo para acabar com a possível insurreição de Prigozhin na Rússia no mês passado, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o acordo surgiu porque Prigozhin e Lukashenko se conheciam “pessoalmente há muito tempo, por cerca de 20 anos”.

    Mas na quinta-feira, Lukashenko disse que Putin era amigo de longa data de Prigozhin, que o conhecia “muito melhor do que eu e o conhece há mais tempo do que eu, cerca de 30 anos”.

    Nenhum dos líderes parece muito interessado em ser o melhor amigo de Prigozhin agora.

    Uma das gotas finais para as tensões de longa data de Prigozhin com o Ministério da Defesa russo foi a insistência para que os mercenários de Wagner assinassem contratos com o governo russo; Prigozhin recusou.

    Mas na quinta-feira, Lukashenko insistiu que se Wagner viesse para Belarus, seus mercenários teriam que assinar documentos com o governo belarusso.

    “Quando eles decidirem se instalar em Belarus, faremos um contrato com eles”, disse ele.

    Assim que soubemos que Prigozhin estava na Rússia, não em Belarus, a mídia estatal russa divulgou imagens de uma batida policial no escritório e residência de Prigozhin em São Petersburgo.

    A filmagem – descrita pelos apresentadores como “escandalosa” – mostra o que é descrito como um estoque de ouro, dinheiro e perucas, junto com armas e vários passaportes aparentemente pertencentes a Prigozhin sob diferentes pseudônimos.

    Prigozhin foi aplaudido por civis ao deixar Rostov-on-Don em 24 de junho. / Alexander Ermochenko/Reuters

    Lukashenko, cuja fidelidade ao presidente russo, Vladimir Putin, levou muitos a caracterizá-lo como nada mais do que um estado vassalo, dobrou sua amizade com Putin.

    Mesmo que às vezes haja tensões, disse ele, “temos canais de comunicação e em poucos minutos conversamos e em horas nos encontramos cara a cara. Nós estamos no mesmo barco. Se começarmos uma briga e fizermos um buraco neste barco, nós dois vamos nos afogar”.

    De fato, disse ele, quando se trata das armas nucleares russas que estão recentemente estacionadas em Belarus, os dois países estão unidos.

    “Destina-se apenas a fins defensivos”, disse ele. Se a Rússia usasse armas nucleares, “tenho certeza de que consultaria seu aliado mais próximo”.

    (Katharina Krebs e Luis Graham-Yooll contribuíram para este texto)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original