Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: O Hezbollah não vai entrar em guerra com Israel, por enquanto

    Secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, disse que o “objetivo principal” do Hezbollah era conseguir um cessar-fogo em Gaza

    Tamara Qiblawida CNN

    Durante semanas o Líbano preparou-se para a guerra. As pessoas falavam sobre seus planos alternativos em voz baixa. O governo disse que estava reunindo suprimentos de contingência para as necessidades básicas do público.

    Tudo dependia do pensamento do secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, sobre a guerra Hamas-Israel, que ele manteve em seus pensamentos antes de quebrar o silêncio de quase um mês sobre o dia 7 de outubro, nesta sexta-feira (3).

    Num discurso inflamado, a partir de um local não revelado, o recluso chefe do grupo radical libanês apoiado pelo Irã elogiou o Hamas e saudou a guerra como um “ponto de virada” no conflito árabe-israelense.

    Ele exaltou as virtudes do fogo cruzado que acontece há semanas com Israel na fronteira sul do Líbano, que descreveu como uma “batalha sem precedentes”.

    Nasrallah também disse que o Hezbollah estaria “preparado para todos os cenários” e que qualquer escalada do exército israelense na fronteira seria uma “loucura histórica” que provocaria uma resposta importante.

    No entanto, apesar de toda a conversa dura, Nasrallah não estava tocando os tambores de guerra. Ele disse que o “objetivo principal” do Hezbollah era conseguir um cessar-fogo em Gaza, e afrimou que cabe aos EUA – que ele considera diretamente responsáveis ​​pelo derramamento de sangue no enclave palestino – implementar o fim das hostilidades.

    O que isto nos diz é que os planos imediatos de Nasrallah não incluem um conflito mais amplo.

    Isto pode ser uma decepção para muitos árabes nas ruas. Quando as manifestações pró-Palestina tomaram conta de grande parte da região nas últimas semanas, muitos dos cantos apelavam a Nasrallah para ir à guerra.

    Mas será um alívio para os aliados ocidentais de Israel, que temem um conflito regional mais amplo e alertaram repetidamente Nasrallah para não entrar na briga.

    Dois porta-aviões dos EUA – incluindo o nuclear USS Gerald Ford – foram enviados para o Mediterrâneo numa aparente tentativa de dissuadir o Hezbollah.

    Esse alívio será partilhado por muitos no Líbano. O pequeno país do Mediterrâneo Oriental mal se recuperou da devastadora crise econômica de 2019, e grande parte da população – embora horrorizada com o crescente número de mortos e a destruição generalizada provocada pela ofensiva de Israel em Gaza – tem sido desgastada por décadas de guerra e crises.

    Nasrallah pode ter sido contido por esse sentimento popular, ou pode ter concluído, após semanas de deliberação, que os seus poderosos paramilitares têm muito a perder numa guerra com Israel.

    Veja também: Entrada do Hezbollah é o que tornaria regional o conflito Israel-Hamas, diz especialista

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original