Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: por que as gangues criminosas têm tanto poder no Haiti

    Haiti está assolado pela violência e corrupção de gangues, mas Garry Pierre-Pierre, que passou parte da sua infância lá, diz que há uma forma de começar a aliviar a crise atual

    Ex-policial haitiano Jimmy "Barbecue" Cherizier lidera marcha contra primeiro-ministro do Haiti em Porto Príncipe
    Ex-policial haitiano Jimmy "Barbecue" Cherizier lidera marcha contra primeiro-ministro do Haiti em Porto Príncipe 19/09/2023 REUTERS/Ralph Tedy Erol

    Garry Pierre-Pierrecolaboração para a CNN

    As últimas semanas trouxeram revoltas impensáveis no Haiti, um país que não é estranho à tragédia e ao sofrimento.

    As imagens têm sido explícitas e perturbadoras: pessoas forçadas a abandonar as suas casas por bandos itinerantes de homens armados, agarrando os seus escassos pertences e se esquivando das balas nas ruas, em uma tentativa desesperada de encontrar segurança.

    No fim de semana (10), a embaixada dos EUA, bem como as missões diplomáticas de outras nações e interesses internacionais, começaram a evacuar o país.

    A ordem pública se desintegrou e há pouca ou nenhuma proteção policial. O exército está em menor número e desarmado e não há efetivamente nenhum governo: o primeiro-ministro haitiano Ariel Henry, o líder do país que está retido há dias em Porto Rico, disse essa semana que renunciaria ao cargo, após o estabelecimento de um conselho de transição.

    Henry disse: “O Haiti precisa de paz. O Haiti precisa de estabilidade”.

    Palavras tão verdadeiras assim nunca foram faladas. E, no entanto, não há indicação de que a paz e a estabilidade estejam no horizonte para esse país caribenho em apuros, onde nasci e passei a primeira década da minha vida antes de imigrar para os Estados Unidos.

    A minha família faz parte da diáspora haitiana de 1,2 milhões de membros que se estabeleceu nos EUA.

    Muitos milhares de outros haitianos, ao longo das décadas, se estabeleceram na França, no Canadá e em outros locais em busca de mais oportunidades econômicas, mas também para escapar da brutalidade e de espasmos periódicos de agitação.

    Porém, nada se compara à atual revolta no Haiti, e espero que novas ondas de haitianos procurem refúgio em terras estrangeiras.

    Raízes profundas

    A convulsão no Haiti tem raízes profundas. Não começou com o mais recente espasmo de violência nas mãos dos homens armados que invadiam o país.

    Remonta a décadas, à corrupção desenfreada de gerações de políticos e oligarcas que continuam vendo o país como os seus feudos pessoais.

    Apenas cerca de meia dúzia de famílias ricas controlam a maior parte das principais indústrias do Haiti, principalmente através de monopólios corruptos, que constituem uma grande parte dos problemas que afligem o país.

    As elites controlam praticamente todos os aspectos da economia do Haiti. Basicamente, eles não pagam impostos.

    Grande parte da ajuda que foi canalizada para o Haiti ao longo dos anos, incluindo para a reconstrução após o devastador terremoto de 2010, beneficiou a classe alta, enquanto grande parte do resto da ilha dividida continuou a subsistir na pobreza opressiva.

    Haitianos aguardam em fila de distribuição de alimentos em Port Salut, Haiti / 24/08/2021 REUTERS/Ricardo Arduengo

    Entretanto, a elite política e empresarial do Haiti participou em grande parte do tráfico de droga que ocorre no país, que há muito é uma fonte importante de renda para eles.

    Na verdade, os especialistas afirmam que o Haiti pode estar ligado ao rastro da maioria das drogas que entram nos EUA.

    As elites também estão ligadas as mesmas gangues que atualmente são responsabilizadas pela instabilidade que levou o país à beira do abismo.

    Em 2022, a ONU, os EUA e o Canadá impuseram sanções a um grupo de líderes de gangues, políticos e elite empresarial do Haiti pelos seus supostos papéis no tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e financiamento de atividades criminosas.

    O sofrimento do Haiti remonta ainda mais à história brutal e extrativa da escravatura e do colonialismo quando era controlado pela França, agravado ao longo de gerações pela injustiça de ter que reembolsar aos franceses a sua “propriedade” humana e outros bens confiscados depois do Haiti ter lutado e conquistado a sua libertação da escravatura – a única revolta de escravos bem sucedida no mundo.

    Depois de garantir a sua independência, o Haiti foi sujeito ao neocolonialismo e ao abandono pela superpotência global à sua porta, os EUA.

    Os americanos podem não se lembrar que as tropas dos EUA ocuparam o país durante duas décadas no início do século 20 e têm desempenhado um papel descomunal na sua política e desenvolvimento econômico – ou na falta deles – desde então.

    É lamentável que, em grande parte devido à sua história trágica e tumultuada, o Haiti – um país abençoado com belezas naturais, recursos abundantes e uma população trabalhadora e engenhosa – nunca tenha desfrutado de uma era de paz e prosperidade.

    E embora a atual calamidade continue a se desenrolar no Haiti, a comunidade internacional – incluindo os EUA – tem observado o caos, na sua maioria impassível, ou talvez ainda pior, com indiferença.

    Manifestantes em Porto Príncipe, Haiti, em 1º de março de 2024
    Manifestantes em Porto Príncipe, Haiti, em 1º de março de 2024 / Ralph Tedy Erol/Reuters

    Ainda recentemente, no outono de 2022, o apelo de Henry à assistência militar para lidar com a violência das gangues foi rejeitado por Washington, embora os EUA tenham oferecido dinheiro e apoio logístico e tenham apelado à aceleração de uma força para ajudar a estabilizar a situação volátil no país.

    A ONU estava organizando um esforço para obter tropas de vários países, principalmente do Quênia, mas Nairobi disse essa semana que suspenderia o seu plano de enviar forças para o Haiti até que o novo governo tomasse posse.

    Um momento de esperança

    Houve um momento relativamente breve de esperança – uma oportunidade brilhante que acabou sendo desperdiçada – quando um futuro melhor poderia ter sido forjado para a minha conturbada pátria.

    O devastador terremoto de 2010 que arrasou grandes áreas do país, incluindo a capital, Porto Príncipe, foi um desastre absoluto, matando centenas de milhares de pessoas.

    Mas havia o que na época parecia ser uma fresta de esperança para o desastre: de repente, o mundo parecia se preocupar com o que aconteceu no Haiti.

    É irônico que, sem dúvida, um dos momentos mais difíceis da história do país tenha sido também um momento de grandes promessas e possibilidades.

    Promessas de bilhões de dólares em assistência à reconstrução vieram de governos estrangeiros e de organizações internacionais. O Haiti, pela primeira vez, iria receber o tipo de enfoque internacional no desenvolvimento econômico que nunca recebeu em toda a sua história.

    Haitianos recuperam corpo de uma das vítimas do terremoto de 7,2 graus
    Haitianos recuperam corpo de uma das vítimas do terremoto de 7,2 graus que atingiu o país em 14 de agosto de 2021

    Essas esperanças foram frustradas em pouco tempo. Grande parte da ajuda prometida, incluindo algum apoio dos EUA, nunca chegou.

    Parte da ajuda, como foi o caso de um projecto de desenvolvimento muito alardeado da Cruz Vermelha, parece ter sido desviada dos beneficiários pretendidos.

    Grande parte da ajuda que realmente chegou ao Haiti foi para onde os fundos que chegam do exterior sempre acabam: nos bolsos das mesmas elites que governam o país e que o têm roubado durante anos.

    “Papa Doc”

    A partir do final da década de 1950, grande parte da ajuda externa que o Haiti recebeu acabou nos cofres do seu notório líder François “Papa Doc” Duvalier. Suas práticas de roubo foram acompanhadas por seu filho, Jean-Claude “Baby Doc” Duvalier, que o sucedeu após sua morte em 1971.

    Jean-Claude Duvalier enviou uma grande parte das reservas financeiras do Haiti para suas contas bancárias particulares no exterior e investimentos imobiliários de luxo.

    Tal pai como filho também gastaram alguns dos fundos do tesouro do Haiti na sua notória força de segurança pessoal – a temida Tonton Macoute – que aterrorizou os cidadãos do Haiti.

    A brutalidade nas ruas da capital do Haiti hoje tem ecos dessa força paramilitar.

    Mas alguns ligam a atividade atual das gangues a um capítulo mais recente do passado do Haiti. Argumentam que a ascensão das gangues sem lei e a queda do Haiti no caos remontam a 1995, quando o ex-presidente do Haiti, Jean-Bertrand Aristide, foi restaurado ao poder com a ajuda das tropas dos EUA, depois de ter sido expulso do país.

    Policiais confrontam uma gangue durante um protesto contra o governo do primeiro-ministro Ariel Henry em Porto Príncipe, Haiti, em 1º de março de 2024. / Ralph Tedy Erol/Reuters

    Ao retornar ao Haiti – seguindo uma página do livro de Duvalier – Aristide dissolveu o exército e formou uma “força policial civil” em seu lugar, proveniente das difíceis ruas de Porto Príncipe.

    Ele acabou entrando em conflito com os oligarcas do Haiti e foi expulso do país mais uma vez, terminando exilado na África durante anos.

    Após seu exílio, as gangues encorajadas evoluíram para sindicatos criminosos, comercializando drogas e armas, e roubando e explorando as comunidades mais vulneráveis do Haiti, em um contexto de escassez recorrente de alimentos.

    Esse é o cenário trágico da crise atual. Ao longo dos anos, os presidentes, primeiros-ministros e parlamentares haitianos se envolveram em uma dança perigosa com as gangues do país, muitas vezes utilizando-as como seus executores pessoais.

    Essas não são as gangues de rua conhecidas por algumas pessoas nas cidades dos EUA. Em vez disso, são vilões pouco organizados e, em última análise, sem lei, que se deleitam em aterrorizar os cidadãos.

    Os líderes da agitação atual incluem Jimmy Cherizier – apelidado de “Barbecue” – mas há outros que são indiscutivelmente tão influentes e implacáveis quanto ele.

    Jimmy “Barbecue” Cherizier, membro de uma gangue que tenta derrubar o governo do Haiti / 05/03/2024 REUTERS/Ralph Tedy Erol

    Outro personagem obscuro é Guy Philippe, um ex-soldado que liderou o golpe que derrubou Aristide do poder em 2004.

    Philippe, agora se posicionando como candidato presidencial, retornou recentemente ao Haiti depois de cumprir seis anos em uma prisão nos EUA por lavagem de dinheiro e outras atividades ilícitas.

    Mas os bandidos que invadiram a capital do Haiti e organizaram ataques altamente coordenados às autoridades policiais e às instituições estatais não podem levar o Haiti a um futuro mais estável e próspero. Cherizier disse que seu objetivo era derrubar o governo de Henry. Ele e outros líderes de gangues parecem ter conseguido. E agora?

    Henry diz que renunciará formalmente assim que um novo primeiro-ministro e um novo gabinete estiverem empossados.

    Em uma reunião na Jamaica essa semana, a Comunidade e Mercado Comum do Caribe (Caricom) afirmou ter concordado em criar um conselho de transição para lançar as bases para as eleições no Haiti.

    Mas por mais louvável que seja o objetivo do direito democrático, alguém pensa que as eleições irão consertar o que está quebrado no Haiti? Eles acabarão com a pobreza opressora lá? Restaurar a infraestrutura dilapidada? A votação impedirá o ressurgimento do próximo grupo de bandidos que decidirá assumir o controle do país sob a mira de uma arma?

    O papel dos EUA

    Muitos haitianos que gostariam de ver o seu país recuperado reconhecem que qualquer solução exigirá o envolvimento sustentado e deliberado dos EUA e da comunidade internacional em geral.

    Sim, os haitianos são assombrados pela história das incursões militares passadas do Tio Sam e recordam com tristeza a última missão fracassada da ONU que levou à propagação de doenças que causaram milhares de mortes e viu atos de criminalidade cometidos pelos mesmos Capacetes Azuis enviados para fornecer ordem.

    Mas, infelizmente, o Haiti é um país que tem poucas ou nenhuma outra opção viável.

    Dói dizer isso, mas o Haiti é um estado falido. O tipo de ordem e o investimento de recursos necessários para a resolver simplesmente não são alcançáveis pelo atual governo – ou por qualquer futuro, nas condições atuais.

    Reprimir a violência e restabelecer a ordem exige uma abordagem holística fora da capacidade do governo haitiano. Acabar com o caos só será possível com a diplomacia, a influência e o conhecimento dos EUA.

    Quaisquer medidas futuras devem dar prioridade à segurança do povo haitiano, reforçando a aplicação da lei, fortalecendo as instituições judiciais e abordando as causas profundas do recrutamento de gangues. O governo não é capaz de fazer nada disso e parece improvável que o seja em um futuro próximo.

    O Haiti precisa de ajuda para combater a corrupção e afrouxar o domínio que os senhores oligárquicos do país exercem sobre a sua economia.

    Devem ser feitos esforços para melhorar a governaça e para nutrir e formar líderes potenciais de baixo para cima, como forma de forjar laços entre o governo e as pessoas que governam.

    É a melhor forma de garantir que o Haiti nunca mais seja governado por autocratas e cleptocratas.

    Só os EUA e a comunidade internacional podem desviar o fluxo de armas e munições das mãos de grupos criminosos.

    Os EUA demonstraram, com os resultados obtidos por agências como o Bureau of Alcohol, Tobacco and Firearms e a Drug Enforcement Agency em outras partes da América Latina e do Caribe assoladas pela violência e pela corrupção, que estão singularmente qualificados para enfrentar esse desafio.

    Só com a ajuda de Washington – o tipo de assistência que Henry solicitou há um ano e meio – a situação no Haiti poderá ser estabilizada, abrindo caminho para o progresso e desenvolvimento sustentáveis.

    Soldado haitiano monta guarda no aeroporto internacional de Porto Príncipe depois que membros de gangues armadas trocaram tiros com policiais e soldados ao redor local, em 6 de março de 2024
    Soldado haitiano monta guarda no aeroporto internacional de Porto Príncipe depois que membros de gangues armadas trocaram tiros com policiais e soldados ao redor local, em 6 de março de 2024 / Guerinault Louis/Anadolu via Getty Images

    Em algum momento, é claro, será necessário abordar as raízes socioeconômicas da filiação a gangues. Será essencial o acesso à educação, à formação profissional e a oportunidades econômicas que ofereçam alternativas viáveis a uma vida de crime através de iniciativas comunitárias.

    Mas nada disso pode começar de verdade até que a violência seja reprimida.

    Assim que isso acontecer, a restauração da paz e a assistência adicional das agências de desenvolvimento dos EUA e de organizações sem fins lucrativos internacionais podem ajudar a lançar as bases para um governo haitiano com um compromisso genuíno com a reforma e a reconciliação, trabalhando de mãos dadas com a sociedade civil e a comunidade global.

    Depois de décadas de espera vigilante, muitos haitianos estão desesperados para ver o seu país avançar. Um conhecido meu confidenciou recentemente que, devido à atual violência, ele tem gasolina para mais duas semanas para sustentar o seu negócio; a agitação tornou impossível obter mais. No entanto, ele permanece isolado no Haiti, porque sabe que sair significaria que o seu negócio seria saqueado e pilhado.

    Costumava-se dizer que quando os EUA espirra, o resto do mundo pega uma gripe – tão grande é o seu poder e influência. E se parte desse vasto poder fosse mobilizado de forma sistemática e sustentada para ajudar um país aproximadamente do tamanho de Maryland e a menos de duas horas da sua costa?

    E se uma das nações mais ricas do mundo voltasse a sua atenção para finalmente acabar, de uma vez por todas, com a miséria e a desolação da nação mais pobre do hemisfério ocidental? Embora haja desafios formidáveis pela frente, o caminho para a paz e a estabilidade no Haiti é possível com o tipo certo de ajuda de Washington.

    Ao abordar as causas subjacentes da violência, o Haiti pode emergir dessa atual desordem para se tornar, finalmente, a república pacífica e governada de forma competente que os seus cidadãos merecem e acreditam fervorosamente que pode ser.

    *Nota do Editor: Garry Pierre-Pierre é o fundador e editor do Haitian Times, uma publicação em língua inglesa com sede em Nova York que serve à diáspora haitiana. Ele fez parte da equipe de reportagem do New York Times que ganhou o Prêmio Pulitzer em 1993 por reportar sobre o primeiro atentado ao World Trade Center. Ele também é cofundador do Centro de Mídia Comunitária e Étnica da Escola de Pós-Graduação em Jornalismo da City University. As opiniões expressas nesse artigo são dele. 

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original