Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Príncipe Harry dá depoimento tenso em batalha histórica em tribunal contra a mídia britânica

    Duque argumenta que a intrusão e as táticas da mídia britânica lhe causaram sofrimento significativo e destruíram alguns de seus relacionamentos mais próximos

    Rob Pichetada CNN

    O príncipe Harry se tornou o primeiro membro sênior da realeza britânica a depor em um banco de testemunhas em 132 anos, enquanto sua luta contra a imprensa do Reino Unido chegou ao auge em um tenso confronto no tribunal nesta terça-feira (6).

    Harry respondeu às perguntas em um tom medido, quase abafado. Ele parecia nervoso a princípio e, a certa altura, foi solicitado a levantar a voz.

    No entanto, o duque de Sussex levou ao tribunal um argumento primordial que já havia feito em programas de televisão e entrevistas em podcast: que a intrusão e as táticas da mídia lhe causaram sofrimento significativo e destruíram alguns de seus relacionamentos mais próximos.

    O duque está processando um grande grupo jornalístico britânico, o Mirror Group Newspapers (MGN), alegando que os jornalistas da editora invadiram seu telefone e usaram outros meios ilícitos para coletar informações sobre sua vida entre 1996 e 2009.

    Harry enfrentou questionamento forense e detalhado do advogado da MGN, Andrew Green, que o sondou sobre os detalhes de suas reivindicações e, ocasionalmente, o deixou lutando para recordar seções de sua declaração escrita ou encontrar evidências.

    Depois de um começo nervoso que expôs lacunas no conhecimento de Harry sobre as minúcias do caso, o príncipe cada vez mais se afirmou – entrando em conflito às vezes com o advogado enquanto dissecavam a cobertura da imprensa sobre sua infância, seus anos de escola e seus relacionamentos.

    “Alguns editores e jornalistas têm sangue nas mãos” pelo sofrimento causado a ele, disse Harry ao tribunal a certa altura – e “talvez, inadvertidamente, a morte”, acrescentou, referindo-se à sua mãe, a princesa Diana.

    A visão de um nobre sênior submetido a um interrogatório cansativo e meticuloso era extremamente rara. Isso aconteceu pela última vez em 1891, quando um jogo de bacará deu errado e colocou o tataravô de Harry, o futuro rei Eduardo VII, no estande.

    Mas a aparição desta terça foi outro lembrete sem precedentes de que Harry está traçando seu próprio caminho longe de seus parentes – e tentando acertar as contas de sua tumultuada vida real.

    A “angústia” de Harry nas mãos da imprensa

    A sessão do tribunal de terça abordou dezenas de trechos da juventude de Harry, repetidos em voz alta no tribunal enquanto o príncipe e o advogado do MGN analisavam os detalhes de várias notícias.

    O diagnóstico de Harry com a “doença do beijo”, também conhecida como mono; suas idas adolescentes ao pub; seu polegar quebrado e uma lesão nas costas sofrida em um jogo de polo; suas tardes de ano sabático na praia; e as viagens da princesa Diana para buscá-lo na escola – todas foram objeto de histórias apresentadas em evidência, e cada uma foi dissecada pelo advogado Andrew Green e o duque.

    Ao todo, o príncipe alega que cerca de 140 artigos publicados em títulos pertencentes ao Mirror Group continham informações coletadas por métodos ilegais, e 33 desses artigos foram selecionados para serem considerados no julgamento.

    Príncipe britânico Harry / 19/9/2022 Justin Setterfield/Pool via REUTERS

    No tribunal na terça-feira, Harry disse que “cada artigo me causou angústia”.

    “Todos esses artigos tiveram um papel importante – um papel destrutivo – no meu crescimento”, disse Harry. Os jornais em questão estavam constantemente expostos “em todos os palácios, infelizmente”, enquanto ele crescia. Na escola, colegas e outras pessoas liam os artigos, disse ele. Harry descreveu o nível de cobertura como “incrivelmente invasivo”.

    Andrew Green começou tentando estabelecer se Harry se lembrava de ter lido os artigos em questão no momento da publicação. Quando o duque admitiu que nem sempre conseguia se lembrar, Green o pressionou sobre como ele poderia argumentar de forma realista que eles poderiam tê-lo afetado tão fortemente.

    Mais detalhes na declaração de testemunha de Harry

    Em uma declaração por escrito registrada no tribunal, Harry expressou preocupação de que suas conversas com familiares e amigos possam ter sido interceptadas.

    Ele observou que ele e seu irmão, o príncipe William, “discutiam naturalmente aspectos pessoais de nossas vidas, pois confiamos um no outro com as informações privadas que compartilhamos”.

    Harry disse que informações privadas sobre sua vida foram levantadas em mensagens de voz deixadas nos telefones de seu pai Charles e sua mãe Diana.

    Harry disse também que discutiria “assuntos privados e delicados sobre nossa família e vida pessoal” em mensagens de voz deixadas no telefone de Kate Middleton. O duque listou vários outros amigos com quem manteve contato, incluindo a falecida apresentadora de TV Caroline Flack.

    Ele disse que se lembrava de “atividade móvel incomum” relacionada a suas mensagens de voz que descartou na época, mas agora alega ter sido causada por hackers de telefone.

    “Lembro-me de ter ouvido em várias ocasiões uma mensagem de voz pela primeira vez que não era ‘nova’”, escreveu ele. “Eu simplesmente atribuiria isso a talvez uma falha técnica, já que os telefones celulares ainda eram relativamente novos naquela época, ou até mesmo por ter bebido demais na noite anterior (e ter esquecido que o tinha ouvido).”

    Duque afirma que imprensa tentaria destruir seus relacionamentos

    Também em sua declaração por escrito, Harry argumentou que a imprensa tentou ativamente arruinar seus relacionamentos.

    “Sempre senti que os tablóides queriam que eu fosse solteiro, pois eu era muito mais interessante para eles e vendia mais jornais. Embora eles, é claro, relatassem meus sucessos na vida, parecia-me que eles tinham muito mais prazer em me derrubar, uma e outra vez”, disse.

    Príncipe Harry
    / Foto: Paul Edwards/Pool via Reuters

    Harry alegou que a imprensa fariam essa tarefa colocando “tensão” em seus relacionamentos e criando desconfiança entre ele e seus parceiros. Ele falava regularmente sobre uma de suas ex-namoradas, Chelsy Davy, alegando que os jornalistas descobririam os detalhes do voo para fotografá-la nos aeroportos e reservariam quartos nos mesmos hotéis do casal quando estivessem de férias.

    O duque evidentemente acredita que continua assim desde seu casamento com Meghan, duquesa de Sussex. “Esse objetivo distorcido ainda é perseguido até hoje, embora eu esteja casado”, escreveu ele.

    Harry acusado de “especulação total”

    A atmosfera no tribunal era ocasionalmente tensa.

    “Não estamos, príncipe Harry, no reino da total especulação”, Green perguntou a Harry em um ponto, depois de uma troca de histórias sobre o príncipe adolescente quebrando o polegar. Green questionou o duque sobre quais meios ilícitos específicos de coleta de notícias Harry estava alegando.

    No início da manhã, ao discutir o uso de um telefone fixo por Harry para falar com sua mãe da escola, Harry sugeriu que aquele telefone ou o de Diana poderia ter sido hackeado.

    “Isso é apenas especulação que você criou agora”, disse Andrew Green em resposta.

    As trocas entre Harry e Green finalmente se estabeleceram em um padrão previsível; quando um novo artigo era publicado, Green pressionava Harry sobre como ele poderia saber que a informação foi obtida ilegalmente, e não por meios típicos.

    Harry costumava responder que não conseguia entender como as informações teriam chegado aos jornais sem envolvimento ilícito, e afirmava repetidamente que os jornalistas que escreveram as histórias, não o assunto das histórias, deveriam responder a perguntas sobre sua fonte.

    Uma aparência estranha de um príncipe treinado pela mídia

    Houve momentos durante o vai-e-vem entre Harry e Green em que o príncipe parecia desconfortável ou inconsciente das minúcias de seu caso.

    A certa altura, Harry brincou que estava sendo submetido a um “treino” por ter que pegar repetidamente pacotes de evidências, empilhados em pastas ao lado dele.

    Green se ofereceu para arranjar alguém para ajudar o príncipe a navegar pelas evidências, e Harry frequentemente respondia “se você diz”, quando Green procurava estabelecer detalhes dos artigos que a equipe do príncipe inseria nas evidências.

    Após um breve recesso no meio da manhã, o juiz pediu a Harry que levantasse a voz para garantir que ele pudesse ser ouvido em todo o tribunal, dizendo ao duque que vários observadores no tribunal tiveram dificuldade para ouvi-lo.

    O questionamento foi muito mais intenso e detalhado do que qualquer coisa que Harry experimentou nas muitas entrevistas de televisão e podcast que ele deu sobre o tema da intrusão da imprensa.

    Já Green procurou encontrar uma série de buracos no argumento de Harry, incluindo que o duque inicialmente não sabia de várias histórias específicas, ou que os detalhes nessas histórias não poderiam ter vindo de hackers, pois já haviam sido relatados por outros meios de comunicação.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original