Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Putin diz estar aberto a negociar paz, mas Ucrânia tem razão para cautela

    Agência de notícias Reuters citou quatro fontes, numa reportagem de dois repórteres russos profundamente experientes, que Moscou está disposta a conversas de paz que congelariam a atual ocupação russa

    Presidente russo Vladimir Putin em entrevista a Tucker Carlson em Moscou
    Presidente russo Vladimir Putin em entrevista a Tucker Carlson em Moscou 6/2/2024 Sputnik/Gavriil Grigorov/Kremlin via REUTERS

    Nick Paton Walshda CNN

    no Leste da Ucrânia

    A sinalização do presidente russo, Vladimir Putin, nesta semana, de que está aberto a negociações de paz deve ser vista com vastas e ofuscantes advertências, e o peso da experiência passada da Ucrânia – e do Ocidente – na diplomacia russa.

    Na sexta-feira (24), houve muito barulho sobre negociações, no mesmo mês em que Moscou lançou uma terceira invasão da Ucrânia a partir do norte de Kharkiv.

    A agência de notícias Reuters citou quatro fontes, numa reportagem de dois repórteres russos profundamente experientes, que Moscou está disposta a considerar conversas de paz que congelariam a atual ocupação russa de cerca de um quinto da Ucrânia.

    Putin respondeu a essa reportagem sugerindo que a Rússia estava disposta a negociar a paz, com base em acordos anteriores.

    Ele insinuou um acordo abortado em Istambul, logo após o início da guerra, em 2022, que fracassou, principalmente porque as forças de Moscou ainda estavam atacando o território ucraniano e os massacres em torno de Kiev tinham vindo à tona.

    A ideia apresentada na matéria da Reuters não atingiria o objetivo declarado de Moscou de capturar todo o leste de Donetsk, mas também erradicaria a insistência de Kiev de que não deveria entregar nenhum território.

    O contexto das observações de Putin foi fundamental. Elas vieram durante uma visita ao presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko – algo que no passado ocorreu momentos antes do Kremlin usar o território bielorrusso para movimentos militares na Ucrânia, enquanto na sexta-feira ocorreu durante exercícios conjuntos de armas nucleares táticas entre os dois países. Putin falava de paz num cenário que era tudo menos isso.

    Putin questionou a legitimidade do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, que Moscou tem repetidamente atacado, depois de Kiev ter tido de adiar as eleições por causa da mesma guerra que Putin iniciou.

    Ao mesmo tempo, houve relatos não confirmados de que o jato particular do ex-presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, havia pousado na Bielorrússia.

    Militares ucranianos disparam contra tropas russas na linha de frente na região de Kharkiv, na Ucrânia / 16/05/2024 REUTERS/Valentyn Ogirenko

    O pró-russo Yanukovich fugiu da Ucrânia em 2014, depois que forças leais a ele mataram a tiros dezenas de manifestantes no centro de Kiev.

    A mera possibilidade da sua presença enquanto Putin e Lukashenko se reuniam levou à especulação de que Moscou esperava novamente arquitetar o retorno de um aliado ao poder na Ucrânia.

    O objetivo menos brutal do Kremlin na Ucrânia – exceto a ocupação total ou parcial – envolve um presidente em Kiev que considera a Rússia leal, que irá travar a marcha do país em direção à União Europeia e à Otan.

    Isso era fantasioso antes da invasão de 2022 e surgiu durante as conversas de Istambul em 2022. Mas agora seria provavelmente necessária uma força de ocupação russa para impô-la a uma população fervilhante com a brutalidade do Kremlin.

    Então, por que as negociações de paz, especialmente quando a Rússia parece estar tendo o seu momento de maior sucesso na linha da frente em meses, se não desde a invasão?

    A diplomacia sempre foi uma ferramenta militar para o Kremlin. Os russos falavam de paz na Síria em 2015, quando os seus jatos atacavam civis em áreas controladas pelos rebeldes, falavam em paz em 2015 com a Ucrânia, enquanto as tropas russas e os seus representantes estavam no meio de um ataque total contra a estratégica cidade ucraniana de Debaltseve.

    Não é cínico desconfiar da sinceridade da Rússia quando esta negocia, mas sim uma necessidade prática.

    A experiência mostra que considera que vale a pena prosseguir as negociações no caso de produzirem inesperadamente um resultado útil sem violência, ou derem ao seu oponente motivo para uma pausa na luta para tentar encorajar um acordo.

    Moscou também pode estar agora novamente falando de paz por duas razões. Em primeiro lugar, a Ucrânia e os seus aliados estão convocando uma cúpula de paz na Suíça, em junho, onde discutirão, sem a Rússia, que tipo de acordo poderão aceitar.

    Isso provavelmente visa criar impulso para uma saída que o Kremlin pode tomar quando as suas forças estiverem finalmente militarmente exaustas ou num impasse.

    Zelensky disse esperar que a China – o aliado mais poderoso da Rússia, mas apenas apoiador parcial na guerra da Ucrânia – compareça.

    Putin pode estar agora falando de paz para sugerir a Pequim que não se envolva na diplomacia sobre a Rússia sem a presença da Rússia.

    Ataque russo com mísseis em Kharkiv 10/5/2024 REUTERS/Vyacheslav Madiyevskyy / REUTERS

    Há poucas hipóteses sérias da cúpula na Suíça acabar com a guerra, mas poderá concretizar as ideias do Ocidente sobre a gravidade da ameaça que Moscou representa para um acordo de paz real, expondo os danos que a Ucrânia poderá ter de absorver à integridade do seu território para parar o banho de sangue.

    O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse na sexta-feira que as insinuações de Putin sobre negociações de paz visavam diretamente sabotar a cúpula.

    “Putin atualmente não deseja pôr fim à sua agressão contra a Ucrânia”, escreveu ele no X (antigo Twitter), acrescentando “é por isso que tem tanto medo” da cúpula da Suíça.

    Em segundo lugar, e mais importante, Putin está enviando mensagens aos governos do Ocidente e à atual campanha presidencial dos EUA.

    Ele está tentando sugerir de forma opaca – talvez aos populistas na Europa, ou aos republicanos do “Make America Great Again” nos Estados Unidos – que está em mãos um acordo simples, no qual as linhas de frente, nas quais a Ucrânia está atualmente perdendo com baixas significativas, podem subitamente congelar.

    O apoio ocidental à guerra é dispendioso e cada vez mais impopular – embora os recentes 61 bilhões de dólares aprovados pelo Congresso tenham talvez dado à questão um alívio para não ficar à mercê da opinião eleitoral durante cerca de um ano.

    A reportagem da Reuters permite que aqueles no Ocidente que querem ver o fim da guerra acreditem que o Kremlin poderá parar a guerra, tal como está, imediatamente.

    O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, fez com que a reportagem parecesse refletir a posição permanente da Rússia. Mas, em última análise, pode parecer novo e interessante para figuras-chave do Ocidente: Donald Trump – que não conseguiu explicar como iria concretizar a sua afirmação de que poderia parar a guerra em 24 horas – e outros membros da Otan que são menos otimistas do que a França, o Reino Unido e os Estados Bálticos, sobre a necessidade de nunca confiar na Rússia na mesa de negociações.

    Putin é um pragmático. Ele começou a guerra pensando que seria fácil. Ele continuou pensando que sua tolerância à dor, segurança autocrática e paciência para a vitória triunfariam.

    O presidente russo, Vladimir Putin, fala durante sua coletiva de imprensa na sede de sua campanha, no início de março de 18 de março de 2024, em Moscou, Rússia, logo após reivindicar vitória nas eleições que o garantiram um quinto mandato para ficar no poder.
    O presidente russo, Vladimir Putin, fala durante sua coletiva de imprensa na sede de sua campanha, no início de março de 18 de março de 2024, em Moscou, Rússia, logo após reivindicar vitória nas eleições que o garantiram um quinto mandato para ficar no poder. / Contributor/Getty Images

    Ele pode estar certo, agora mesmo.

    Ele vê agora um momento de fraqueza eleitoral nos EUA e noutros estados europeus, onde recebeu um sinal vago e opaco de que poderá haver um momento para a diplomacia.

    Provavelmente ganhará alguma força entre aqueles que esperam desesperadamente que a guerra na Ucrânia acabe e que estão menos conscientes da ameaça existencial que uma Moscou vitoriosa e hipermilitarizada representa para os membros orientais da Otan.

    Mas isso deve ser visto através das lentes do profundo cinismo da diplomacia anterior de Moscou na Síria e na Ucrânia: usada como um momento para perseguir ferozmente os mesmos objetivos militares, mas com o pano de fundo ilusório de que a paz pode estar ao virar da esquina.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original