Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Quarta acusação de Trump aproxima EUA de precipício eleitoral

    Ex-presidente dos EUA foi acusado de tentar manipular as eleições presidenciais de 2020 no estado da Geórgia

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump recebeu uma quarta acusação, dessa vez por tentativa de manipulação da eleição na Geórgia
    Ex-presidente dos EUA Donald Trump recebeu uma quarta acusação, dessa vez por tentativa de manipulação da eleição na Geórgia 01/07/2023REUTERS/Evelyn Hockstein

    Stephen Collinsonda CNN

    O aspecto mais surpreendente da quarta acusação criminal do ex-presidente norte-americano Donald Trump não é a escala de uma suposta conspiração multifacetada para roubar os votos do estado da Geórgia nas eleições de 2020 de seu legítimo vencedor.

    É que Trump, acusado de ser o chefão do esquema para derrubar a vitória de Joe Biden, pode, em 17 meses, estar erguendo a mão direita como o 47º presidente e jurando preservar, proteger e defender a Constituição que ele foi acusado de conspirar para destruir.

    A grave crise política criada pelo governo aberrante de Trump e os esforços subsequentes para responsabilizá-lo se aprofundaram significativamente pouco antes da meia-noite com a abertura de mais uma acusação contra ele feita por um grande júri no estado da Geórgia.

    As acusações neste caso, que elevam para 91 o número total de acusações criminais que ele enfrenta em quatro casos separados, intensificaram uma colisão já histórica entre o agora extremo pântano legal que Trump enfrenta e a eleição de 2024, na qual ele é o favorito para ser indicado pelos republicanos.

    O texto de 98 páginas inclui 41 acusações que traçam com detalhes impressionantes uma suposta conspiração para pressionar autoridades locais, fazer declarações falsas sobre fraude eleitoral para legislaturas estaduais, assediar trabalhadores eleitorais e requisitar funcionários do Departamento de Justiça e o então vice-presidente Mike Pence.

    Ele também alega uma tentativa de violação ilegal de equipamentos eleitorais na Geórgia e em outros lugares e inclui uma lista de ações de Trump e associados que diz serem todas tentativas de promover a conspiração.

    “Trump e os outros réus acusados ​​nesta acusação se recusaram a aceitar que ele perdeu e, consciente e voluntariamente, se juntaram a uma conspiração para mudar ilegalmente o resultado da eleição em favor de Trump”, disse a acusação.

    É surreal. Mas Trump agora fez com que as acusações contra um ex-presidente, que eram sem precedentes há apenas alguns meses, pareçam rotineiras.

    Além do caso da Geórgia, ele foi acusado pelo procurador especial Jack Smith em dois casos federais separados relacionados ao manuseio incorreto de documentos confidenciais e esforços para anular a eleição de 2020.

    O ex-presidente também enfrenta um julgamento em março em Manhattan em um caso decorrente de um pagamento clandestino a uma atriz de filmes adultos em 2016.

    Trump se declarou inocente nesses três casos e certamente fará o mesmo na Geórgia. Ele provavelmente alegará que seu ataque à integridade da eleição do Peach State (Estado do Pêssego) foi apenas um exercício do seu direito à liberdade de expressão.

    Longe de recuar em sua tentativa de retornar ao poder, o ex-presidente parece ver a recuperação da Presidência — e seus poderes executivos únicos — como sua melhor esperança de evitar o tsunami de casos legais que agora o confrontam e quaisquer condenações que eles possam acarretar, antes ou depois das eleições de novembro de 2024.

    Mas o caso na Geórgia é altamente significativo, pois as realidades do sistema federal dos EUA significam que Trump, mesmo que recapturasse a Casa Branca, teria dificuldades para encerrar uma investigação estadual e um julgamento criminal e poderia não conseguir arquitetar seu próprio perdão.

    VÍDEO – Waack: Acusação contra Trump é seríssima

    Um conjunto impressionante de acusações

    A nova acusação exige que Trump e os outros réus, incluindo seu ex-advogado Rudy Giuliani, se entreguem às autoridades da Geórgia até 12h de 25 de agosto.

    O texto compõe uma série já impressionante de acusações agora enfrentadas pelo ex-presidente, que não apenas mancha seu já controverso legado como também pode eventualmente ameaçar sua liberdade se for condenado.

    Qualquer outra figura política teria encerrado sua carreira há muito tempo sob a sombra de tais escândalos. E é difícil lembrar de qualquer réu enfrentando tal escala de perigo criminal.

    Mas um Trump cada vez mais furioso promete lutar, com o mesmo tipo de retórica inflamatória que ajudou a levar ao ataque ao Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021  e que levanta a possibilidade de que a próxima eleição seja ainda mais venenosa do que a anterior.

    Trump classificou a acusação feita pelo promotor distrital do condado de Fulton, Fani Willis, um democrata eleito, como interferência eleitoral — o crime contra a democracia do qual ele foi repetidamente acusado.

    “Essas atividades dos líderes democratas constituem uma grave ameaça à democracia americana e são tentativas diretas de privar o povo americano de sua escolha legítima de votar para presidente”, disse a campanha de Trump em um comunicado.

    “Chame isso de interferência eleitoral ou manipulação eleitoral — é um esforço perigoso da classe dominante para suprimir a escolha do povo. É antiamericano e errado”, disse o comunicado.

    Esses comentários levaram a América à beira de um precipício político ao enfrentar um acerto de contas nacional sobre as falsas alegações de fraude de Trump em 2020 e o ataque destruidor à democracia. Sua determinação de se retratar como vítima de um governo armado e de usar sua campanha como arma de defesa significa que um período controverso e até perigoso pode estar à frente.

    Pode ser do interesse do país a longo prazo processar uma tentativa sem precedentes de destruir o princípio do governo para o povo e pelo povo. Mas a resposta de terra arrasada de Trump e a já profunda desconfiança de seus apoiadores nas instituições de aplicação da lei que o responsabilizam significam que o preço para defender a democracia será alto.

    Quaisquer que sejam os veredictos que os júris e os eleitores acabem dando a Trump, um trágico distanciamento nacional se aprofundará.

    Juntamente com a acusação federal de Trump por subversão eleitoral, as acusações na Geórgia superam qualquer escândalo político americano moderno, incluindo o drama Watergate que derrubou o presidente Richard Nixon, o caso com uma estagiária da Casa Branca que levou ao impeachment de Bill Clinton ou até mesmo a tentativa de Trump de coagir a Ucrânia a investigar Biden que causou o primeiro de seus dois impeachments.

    O catálogo detalhado de tentativas de derrubar a democracia na Geórgia também sobrecarregará uma atmosfera já febril no estado, que se tornou um campo de batalha crítico para o controle da Casa Branca e do Senado.

    VÍDEO – Villa: Trump deverá ser condenado pela Justiça dos EUA

    Um conto condenatório de supostas irregularidades

    As acusações representam a melhor apresentação das provas pela acusação. Os argumentos nele contidos ainda não foram testados em tribunal ou interrogados pelos advogados de Trump e normalmente não incluem provas de defesa que possam mitigar as acusações. E Trump, como qualquer outro cidadão, goza da presunção de inocência até que se prove o contrário.

    No entanto, milhões de americanos já ouviram a gravação de Trump dizendo ao secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, em um telefonema, que tudo o que era necessário era que a autoridade republicana encontrasse 11.780 votos para anular a vitória de Biden no estado.

    Houve muita conversa após o fracasso de Trump em se manter no poder, depois de uma série de ações judiciais rejeitadas e a insurreição do Capitólio, sobre como o sistema democrático dos EUA havia resistido. A democracia não quebrou em 2020 por causa da coragem de muitos funcionários públicos, muitos deles republicanos em estados como Geórgia e Arizona, assim como Pence.

    Mas os cidadãos não eleitos também desempenharam um papel — como os funcionários eleitorais da Geórgia, Ruby Freeman e Wandrea “Shaye” Moss, que disseram que a pressão extrema que Trump infligiu sobre eles arruinou suas vidas. Seus partidários verão a confirmação de que, muitos meses depois, um grande júri formado por outros georgianos regulares apresentou uma acusação contra o ex-presidente.

    Uma quarta acusação não acabará com a mística do Partido Republicano de Trump

    A acusação atingirá milhões de americanos como uma resposta apropriada a um dos ataques mais flagrantes à democracia na história do país. Mas outros milhões, incluindo aqueles da base superleal de Trump, certamente o rejeitarão.

    Há uma crença profunda e sincera entre muitos republicanos de que as múltiplas acusações contra Trump são prova de suas alegações de que o governo dos EUA foi armado para persegui-lo por democratas que temem seu retorno à Casa Branca. O país nunca viu processos federais efetivos de um potencial candidato de partido importante durante a administração de seu possível oponente nas eleições gerais.

    A crença entre muitos conservadores de que o sistema eleitoral é corrupto é arraigada entre muitos apoiadores de Trump. Afinal, ele está cuidando disso há anos.

    Ele primeiro afirmou falsamente que o sistema eleitoral estava contaminado por fraude em 2016, quando derrotou a candidata democrata Hillary Clinton no Colégio Eleitoral, mas ficou atrás no voto popular.

    Muitos republicanos também veem as acusações contra Trump pelo prisma do que consideram alegações injustificadas e não comprovadas de conluio na investigação da Rússia.

    Eles veem o recente acordo judicial para o filho do presidente, Hunter Biden, em relação a contravenções fiscais e uma acusação federal de porte de arma como um exemplo de um sistema de justiça de dois pesos, embora não tenham fornecido evidências de irregularidades por parte do presidente.

    As alegações de Trump de que ele está feliz em ser acusado para proteger seus seguidores são populares entre os conservadores de base. Portanto, é improvável que uma quarta acusação de Trump seja mais ruinosa para sua carreira política do que as três anteriores.

    Nas primárias republicanas, rivais como o governador da Flórida, Ron DeSantis, não conseguiram, até agoram tirar proveito das responsabilidades políticas de Trump, nem conquistar grande número de seus eleitores.

    A rápida reação dos principais republicanos na Câmara na segunda-feira (14) destacou particularmente sua força no partido.

    A presidente da Conferência Republicana da Câmara, Elise Stefanik, por exemplo, criticou “outro promotor distrital radical de extrema-esquerda desonesto armando seu escritório para atingir o principal oponente político de Joe Biden, o presidente Trump”. A congressista de Nova York acrescentou: “O presidente Trump derrotará essas falsas acusações e reconquistará a Casa Branca em 2024”.

    Ainda assim, a acusação pode prejudicar ainda mais Trump entre os eleitores moderados e suburbanos cruciais. O espetáculo de um ex-presidente e possível candidato republicano passando grande parte do próximo ano em julgamento também é uma proposta não testada. Marc Short, que atuou como chefe de gabinete de Pence, disse que ninguém poderia prever o impacto político do impressionante risco legal de Trump.

    “Há uma diferença entre as acusações e realmente sentar-se em um tribunal em um julgamento e como isso afeta os eleitores”, disse Short a Jake Tapper, da CNN, na segunda-feira.

    Veja também: Trump diz que teria “tomado” a Venezuela se tivesse sido reeleito

     

    Veja também: Como é o resort de Trump em Mar-a-Lago, na Flórida, onde documentos confidenciais foram encontrados

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original