Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise – Tensão entre EUA e China aumenta após aproximação de Biden com Reino Unido e Austrália

    Nova parceria de defesa entre os três países é o último passo destinado a combater as tentativas de Xi Jinping de domínio naval no Indo-Pacífico

    Jeremy DiamondKevin Liptakda CNN

    O presidente Joe Biden anunciou no começo da semana um cronograma acelerado para a Austrália receber seus próprios submarinos movidos a energia nuclear no início da próxima década.

    Com isso, a situação fica cada vez mais tensa entre os Estados Unidos e a China, que emergiu como um foco central da presidência de Biden.

    Essa relação foi intensificada nas últimas semanas por uma série de eventos globais, desde a queda dramática de um balão de espionagem chinês até a revelação de que Pequim está considerando armar a Rússia – tudo ocorrendo em meio à consolidação de poder sem precedentes do presidente chinês Xi Jinping e um crescente consenso em Washington sobre os riscos que representa.

    As autoridades dos EUA reconhecem prontamente que as tensões com a China são maiores do que nos últimos anos e que a retórica pública acalorada de Pequim nos últimos tempos reflete o estado das relações privadas.

    É por isso que a estratégia multifacetada de Biden para a China envolveu uma tentativa de normalizar as relações diplomáticas, mesmo quando os EUA adotam políticas como o anúncio do submarino de segunda-feira, projetado para conter a influência global da China e seus movimentos militares.

    Esse esforço para reabrir as linhas de comunicação, especialmente entre o alto escalão militar de cada país após o incidente do balão espião, não mostrou sinais de progresso, de acordo com um alto funcionário do governo.

    “Pelo contrário, a China parece resistente neste momento para realmente avançar no estabelecimento desses diálogos e mecanismos”, disse o funcionário.

    “O que precisamos são os mecanismos apropriados entre altos funcionários do governo, entre os militares, entre os vários gerentes de crise de ambos os lados para poder se comunicar quando houver algo acidental ou apenas mal interpretado”.

    Nesse cenário, Biden enfrenta uma série de decisões nas próximas semanas e meses que têm o potencial de exacerbar ainda mais as tensões, incluindo a imposição de novas restrições aos investimentos de empresas americanas na China e a restrição ou bloqueio das operações americanas da popular plataforma de mídia social TikTok, que pertence a uma empresa chinesa.

    Em Pequim, as autoridades chinesas devem decidir em breve se farão os alertas dos EUA e começarão a fornecer armas letais à Rússia em sua guerra na Ucrânia.

    A nova parceria de defesa de três vias entre os EUA, a Austrália e o Reino Unido é o último passo destinado a combater as tentativas da China de domínio naval no Indo-Pacífico e, potencialmente, seus planos de invadir a autogovernada Taiwan.

    A Austrália agora receberá seu primeiro de pelo menos três submarinos avançados no início da próxima década, mais rápido do que o previsto quando a parceria AUKUS foi lançada há 18 meses, e submarinos americanos como o USS Missouri passarão pelos portos australianos nesse meio tempo.

    Mesmo antes de Biden viajar para a Base Naval de Point Loma, na Califórnia, para anunciar esse progresso ao lado dos primeiros-ministros britânico e australiano, a China foi rápida em criticar a mudança como uma “mentalidade da Guerra Fria e jogos de soma zero”.

    O fato de a China não ter esperado o próprio anúncio para atacar é um sinal de quão de perto Pequim está observando os movimentos de Biden no Pacífico, onde os militares dos EUA estão expandindo sua presença e ajudando outras nações a modernizar suas frotas.

    Outro exemplo da visão de Biden da China como a principal ameaça de longo prazo à paz e estabilidade global, mesmo quando a guerra da Rússia na Ucrânia consome a atenção diplomática e militar atual dos EUA.

    A primeira remessa será de submarinos de ataque americanos da classe Virginia, projetados para empregar várias armas diferentes, incluindo torpedos e mísseis de cruzeiro. Os submarinos também podem transportar forças de operações especiais e realizar missões de inteligência e reconhecimento.

    Isso será seguido na década de 2040 por submarinos projetados pelos britânicos, contendo tecnologia americana, que transformarão as capacidades subaquáticas da Austrália ao longo dos próximos 25 anos.

    Antes disso, os submarinos dos EUA serão implantados rotativamente na Austrália para começar a treinar as tripulações australianas na tecnologia avançada, ampliando a postura de defesa americana na região.

    Os submarinos não carregarão armas nucleares e autoridades americanas, australianas e britânicas insistem que os planos são consistentes com as regras internacionais de não proliferação, apesar dos protestos chineses.

    A mensagem enviada pelo anúncio é inconfundível: os EUA e seus aliados veem as crescentes ambições navais da China como uma das principais ameaças à sua segurança e estão se preparando para uma luta de longo prazo.

    Já neste ano, os EUA anunciaram que estavam expandindo sua presença militar nas Filipinas e saudaram as medidas do Japão para fortalecer suas forças armadas. “É profundamente importante”, disse um alto funcionário do governo sobre a parceria AUKUS.

    “Os chineses sabem disso, eles reconhecem e vão querer se engajar de acordo”.

    Funcionários dos EUA disseram que a participação da Grã-Bretanha no novo projeto submarino é um sinal das crescentes preocupações da Europa sobre as tensões no Pacífico – preocupações que surgiram dentro da Otan, mesmo quando a aliança continua consumida pela guerra na Ucrânia.

    E em conversas com líderes europeus no mês passado, incluindo a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na sexta-feira, Biden levantou a questão da China na esperança de desenvolver uma abordagem coordenada.

    A questão que se coloca agora é se a China optará por reatar e melhorar as relações diplomáticas com os EUA, apesar do aumento das tensões.

    Telefonemas sucessivos e uma reunião cara a cara com Xi em novembro até agora produziram apenas um progresso hesitante no estabelecimento do que os funcionários do governo descrevem como um “piso” no relacionamento.

    Quatro meses depois dessa reunião, o progresso estagnou em grande parte na reabertura das linhas de comunicação entre Washington e Pequim, uma vez vista como a principal conclusão da sessão de três horas em Bali.

    Falando à CNN no final de fevereiro, o secretário de Defesa Lloyd Austin disse que fazia meses desde que ele falou com seu colega chinês.

    Os comentários públicos dos líderes chineses, incluindo Xi, começaram a se intensificar na semana passada, um sinal de que a abordagem de confronto do ano passado não está diminuindo.

    Biden e seus assessores minimizaram amplamente o novo tom agudo emanado de Pequim.

    Questionado pela CNN sobre o significado das novas repreensões de Xi e do ministro das Relações Exteriores Qin Gang, Biden respondeu categoricamente: “Não muito”.

    As tensões pareceram atingir um novo nível na semana passada, depois que Xi repreendeu diretamente a política dos EUA como “contenção, cerco e repressão total contra nós”.

    Qin, em comentários no dia seguinte, definiu a “competição” que Biden há muito procura enquadrar como central para o relacionamento entre as duas potências como “uma aposta imprudente”.

    “Se os Estados Unidos não pisarem no freio, mas continuarem a acelerar no caminho errado, nenhuma barreira poderá impedir o descarrilamento e certamente haverá conflito e confronto”, disse Qin.

    Um alto funcionário do governo reconheceu que a retórica recente de Xi foi “mais direta” do que no passado, mas disse que a Casa Branca continua acreditando que Xi “novamente vai querer se sentar e se envolver no mais alto nível” agora que concluiu seu mandato última consolidação do poder.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original