Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Trump está fazendo história conforme avança para garantir nomeação republicana

    Apoiadores de Haley insistem que performance melhora a cada primária

    Trump celebra vitória em Nashua
    Trump celebra vitória em Nashua 23/1/2024 REUTERS/Mike Segar

    Stephen Collinsonda CNN

    Nada parece impedir Donald Trump enquanto ele avança rumo à sua terceira nomeação republicana consecutiva.

    O ex-presidente se tornou na terça-feira (23_ o primeiro republicano não titular da era moderna a vencer as duas primeiras disputas de indicação presidencial, somando as primárias de New Hampshire à vitória esmagadora no caucus de Iowa na semana passada, e chegou à beira de uma revanche com o presidente Joe Biden .

    Trump praticamente limpou o campo do Partido Republicano em um ritmo surpreendente. Apesar da enorme responsabilidade criminal e da memória do seu ataque à democracia em 6 de Janeiro de 2021, ele está consolidando o seu partido à sua volta a um ritmo sem precedentes nas eleições primárias modernas.

    “Uma noite e tanto”

    Também não há sinais nas duas primeiras disputas de que os eleitores republicanos estejam preocupados com a possibilidade de Trump não conseguir vencer Biden, que é o principal argumento da campanha de Haley e de seu antigo rival, o governador da Flórida, Ron DeSantis, que desistiu de sua candidatura à Casa Branca depois de terminar em segundo em Iowa. O ex-presidente provavelmente foi ajudado nesse aspecto pelos baixos índices de aprovação de Biden e por uma tempestade de cobertura da mídia conservadora sobre a idade do presidente de 81 anos e sua aparente fragilidade mental, o que pode ter convencido muitos eleitores de que ele será uma tarefa fácil em novembro.

    “Tivemos uma noite e tanto”, disse Trump em seu discurso de vitória em Nashua, em uma festa eleitoral que viu seus apoiadores com chapéus vermelhos do “Make America Great Again” aplaudindo enquanto as redes anunciavam sua vitória.

    Mas a decisão de Haley de não desistir da disputa irritou o ex-presidente depois que ele disse em seu comício de encerramento na noite de terça-feira (23) que esperava que ela fosse nocauteada.

    “Ron ficou em segundo e foi embora. Ela ficou em terceiro e ainda está por aí”, disse Trump sobre as performances de DeSantis e Haley em Iowa. “Ela teve uma noite muito ruim.”

    Trump foi acompanhado no palco na terça-feira por seus outros rivais pela indicação, o senador da Carolina do Sul Tim Scott e o empresário Vivek Ramaswamy, a quem ele descreveu como “a única pessoa mais irritada do que, digamos, eu, mas eu não fico com muita raiva, eu me vingo.”

    A festa da vitória do ex-presidente também recebeu outro convidado – o ex-congressista George Santos, que se tornou uma das poucas pessoas expulsas da Câmara dos Representantes por acusações éticas.

    No seu próprio evento na noite eleitoral, Haley felicitou Trump pela sua vitória, mas disse que a corrida estava longe de terminar – embora seja difícil imaginar um estado onde ela poderia vencer se não conseguisse vencer em New Hampshire.

    “Nos próximos dois meses, milhões de eleitores em mais de 20 estados darão a sua opinião. Devíamos honrá-los e permitir-lhes votar”, disse Haley à sua multidão na festa de observação eleitoral, enquanto vários apoiadores gritavam: “Trump é um perdedor”. A ex-embaixadora dos EUA na ONU aconselhou o seu antigo chefe a fazer um teste de competência mental e sugeriu que ele tinha medo de subir ao palco de um debate ao lado dela.

    Se o ex-presidente tivesse escolhido ser magnânimo, ele poderia ter encerrado a corrida das primárias em tudo, menos no nome. Mas em vez disso, ele deu à equipe Haley uma novo caminho para cavar. A campanha dela emitiu uma resposta rápida ao discurso dele, que chamou de “discurso furioso e incoerente” contra ela, perguntando: “Se Trump está em tão boa forma, por que está tão zangado?”

    Seu comportamento amargo pode ter lembrado às eleitoras suburbanas e às mulheres que ele alienou em eleições anteriores por que elas o irritaram. E as suas explosões terão encantado a campanha de Biden, que declarou que Trump praticamente conquistou a nomeação do Partido Republicano na noite de terça-feira e disparou a sua máquina de ataque eleitoral geral contra ele. Num outro sinal de urgência, dois dos seus principais assessores da Casa Branca estão a mudar-se para Wilmington, Delaware, para em breve assumirem as rédeas da sua reeleição.

    A subida íngreme de Haley

    Infelizmente para Haley, New Hampshire não “corrigiu” o resultado das prévias da semana passada em Iowa, como ela disse aos seus eleitores, onde ficou em um distante terceiro lugar, atrás de Trump. Se ela foi “massacrada” no Granite State – como seu ex-oponente Chris Christie previu que ela – depende de qual versão você aceita.

    Com 88% dos votos nas primárias, Haley estava atrás de Trump por cerca de 11 pontos. Isso está aquém da enorme vitória que alguns dos apoiadores do ex-presidente esperavam, mas ainda assim é uma considerável margem de vitória para Trump, mesmo que os seus problemas com os eleitores suburbanos se refletissem no forte desempenho de sua rival em grandes áreas populacionais no sul de New Hampshire – um potencial alarme para suas perspectivas em uma eleição geral.

    O problema para Haley é que, à medida que a corrida se volta agora para o seu estado natal e para as grandes primárias estaduais do sul, na Super Terça de março, ela enfrentará Trump nos seus redutos e as suas hipóteses de obter vitórias e delegados na convenção parecem escassas.

    Ainda assim, a sua campanha argumenta que cada vez que enfrenta Trump, ela está melhorando. E os seus apoiadores insistiram que o difícil caminho que tinha pela frente não significava que ela deveria ser forçada a abandonar a corrida.

    E não há razão para que Haley não deva ficar se ela tiver dinheiro. Afinal, é um processo democrático e os eleitores – e não os candidatos rivais – decidem o resultado. A pressa de Trump em declarar vitória nas primárias pode até ser um sinal de negligência política, uma vez que apenas deixa Haley e os seus apoiadores mais determinados a não serem expulsos.

    “Quanto mais ela concorre, mais apoio recebe”, disse Lisa Kent, uma apoiadora de Haley de Connecticut que participou da festa noturna de observação eleitoral em Concord. “É como uma avalanche.”

    Mas, a menos que a antiga governadora da Carolina do Sul consiga realizar um milagre no próximo mês, num estado onde foi eleita governadora duas vezes – mas que é agora um bastião de Trump – a sua frágil lógica para continuar a sua campanha poderá enfrentar uma realidade terminal.

    Kate Sullivan da CNN contribuiu para este relatório.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original