Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Anistia Internacional diz que arma fabricada nos EUA foi usada em ataques de Israel em Gaza

    Investigação da organização de direitos humanos afirma que um sistema de orientação de armas americano foi utilizado em outubro para dois ataques aéreos, que mataram 43 civis em Gaza

    Palestinos caminham em meio a destroços de prédios destruídos por Israel em Gaza
    Palestinos caminham em meio a destroços de prédios destruídos por Israel em Gaza 10/10/2023REUTERS/Mohammed Salem

    Da CNN

    Uma investigação da Anistia Internacional alega que um sistema de orientação de armas fabricado nos EUA foi utilizado em dois ataques aéreos israelenses em Gaza, em outubro, nos quais 43 civis teriam sido mortos.

    Fragmentos do sistema de orientação Joint Direct Attack Munitions (JDAM), fabricado nos EUA, foram encontrados nos escombros de casas destruídas no bairro de Deir al-Balah, no centro de Gaza, de acordo com um relatório divulgado terça-feira (5) pela organização de direitos humanos.

    Israel utiliza uma grande variedade de armas e munições americanas, mas o relatório da Anistia Internacional é uma das primeiras tentativas de vincular uma arma fabricada nos Estados Unidos a um ataque específico que deixou um número significativo de civis mortos.

    O JDAM é um “kit de orientação que converte bombas de queda livre não guiadas existentes em munições ‘inteligentes’ precisas e para condições climáticas adversas”, de acordo com a Força Aérea dos EUA.

    A CNN não pôde verificar de forma independente as informações da Anistia Internacional.

    A Anistia Internacional afirmou que os seus especialistas em armas e um “analista de detecção remota” examinaram imagens de satélite e fotografias das casas que mostram os “fragmentos de munições recuperados dos escombros” e a destruição, explica o relatório. Os investigadores de campo da Anistia tiraram as fotos.

    Como resultado destes dois ataques, 19 crianças, 14 mulheres e 10 homens foram mortos, afirma o relatório.

    A organização de direitos humanos disse que “não encontrou qualquer indicação de que houvesse quaisquer objetivos militares nos locais” dos ataques aéreos ou de que os indivíduos que viviam nas casas fossem alvos militares legítimos.

    “A organização concluiu que estes ataques aéreos foram ataques diretos a civis ou a objetos civis ou ataques indiscriminados”, diz o relatório, que apela que os ataques sejam investigados como crimes de guerra.

    Em nota à CNN, as Forças de Defesa de Israel (IDF) classificaram o relatório como “falho, tendencioso e prematuro, baseado em suposições infundadas sobre as operações das IDF”.

    “A suposição de que a inteligência relativa ao uso militar de uma estrutura específica não existe, a menos que seja revelada, é contraditória com qualquer compreensão da atividade militar, e o relatório usa esta suposição errada para implicar conclusões igualmente falhas e tendenciosas em relação às IDF, em linha com os preconceitos existentes e trabalho problemático anterior desta organização”, diz a nota.

    Homem palestino lava as mãos em uma poça ao lado de um prédio destruído após os ataques israelenses na Cidade de Gaza / Ahmed Zakot/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

    A declaração afirma que os militares “lamentam qualquer dano causado a civis ou propriedades civis como resultado das suas operações e examinam todas as suas operações a fim de aprender e melhorar”.

    A Anistia Internacional, no seu relatório, disse que a utilização de armas americanas para tais ataques “deveria ser um alerta urgente para a administração Biden”. “As armas fabricadas nos EUA facilitaram os assassinatos em massa de famílias em geral”, disse Agnès Callamard, Secretária-Geral da Anistia Internacional, de acordo com o relatório.

    Relatório de revisão dos EUA

    O Departamento de Estado dos EUA está revendo o relatório da Anistia Internacional, disse o porta-voz Matt Miller na quarta-feira (6).

    “Deixamos claro nas nossas discussões com os líderes israelenses que estamos profundamente preocupados com a proteção dos civis neste conflito”, disse Miller. “Esperamos que Israel atinja apenas alvos legítimos e cumpra as leis dos conflitos armados”.

    O Pentágono disse na terça-feira que também estava revisando o relatório. “Continuaremos a consultar estreitamente os nossos parceiros israelenses sobre a importância de levar em conta a segurança civil na condução das suas operações”, disse o porta-voz, brigadeiro-general Patrick Ryder, aos jornalistas.

    Israel é o maior beneficiário de assistência externa dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial, de acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso. Os EUA dão, em média, a Israel US$ 3 bilhões em ajuda militar por ano, e a administração Biden procurou um adicional de US$ 10,6 bilhões em ajuda militar na sequência do ataque do Hamas em 7 de outubro em Israel.

    FOTOS: Veja imagens do conflito entre Israel e Hamas

    O primeiro ataque referenciado pela Anistia Internacional ocorreu por volta das 20h30, em 10 de outubro, atingindo a casa da família al-Najjar e matando 21 dos seus membros, bem como três dos seus vizinhos, diz o relatório.

    Essa bomba provavelmente pesava cerca de 907 quilos, com base na quantidade de danos à casa e aos edifícios vizinhos, afirma a Anistia. O ano de 2017 também está estampado na placa, mostram fotos do relatório, indicando que a bomba foi fabricada naquele ano.

    “JDAM é uma arma guiada ar-superfície que usa a ogiva BLU-109/MK 84 de 900 quilos, a BLU-110/MK 83 de 450 quilos ou a ogiva BLU-111/MK 82 de 220 quilos como carga útil”, de acordo com a Força Aérea dos EUA.

    “Uma cena de destruição total”

    Suleiman Salman al-Najjar, que sobreviveu ao ataque, disse à Anistia Internacional que estava doente e regressou do hospital para encontrar a sua casa bombardeada e a sua família morta. “Fiquei chocado. Corri para casa e vi uma cena de destruição total. Eu não podia acreditar no que meus olhos estavam vendo. Todo mundo estava sob os escombros. A casa estava completamente pulverizada. Os corpos foram reduzidos a pedaços”, disse ele.

    O segundo ataque ocorreu por volta do meio-dia de 22 de outubro e atingiu três casas pertencentes a três irmãos da família Abu Mu’eileq, diz o relatório. No total, 18 membros da família Mu’eileq foram mortos, incluindo 12 crianças e seis mulheres, bem como um dos seus vizinhos, diz o relatório.

    Bakir Abu Mu’eileq disse à Anistia Internacional que perdeu a mulher e quatro dos seus filhos no ataque. Abu Mu’eileq – especialista em ouvido, nariz e garganta – disse que trabalhava no hospital próximo quando o ataque ocorreu.

    Pessoas carregam o corpo de palestino morto em ataque israelense no campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza / Mahmoud Issa/Reuters (09.out.23)

    “Somos três irmãos casados com três irmãs, vivendo entre nós, focados na família e no trabalho, e longe da política. Somos médicos e cientistas”, disse Abu Mu’eileq, acrescentando: “não conseguimos compreender porque é que as nossas casas foram bombardeadas. Não há ninguém armado ou político aqui. Nossas vidas, nossas famílias, foram completamente destruídas. Por quê?”.

    A Anistia afirma que as fotos mostram que a bomba que atingiu as casas da família Mu’eileq pesava cerca de 450 quilos e foi fabricada em 2018, de acordo com o ano estampado na placa.

    “Os EUA podem compartilhar a responsabilidade pelas graves violações do direito humanitário internacional cometidas por Israel com armas fornecidas pelos EUA, uma vez que todos os Estados têm o dever de não contribuir conscientemente para atos internacionalmente ilícitos cometidos por outros Estados”, alertou a Anistia.

    A organização de direitos humanos está apelando ao governo dos EUA e a outros governos para que parem de transferir armas para Israel “que muito provavelmente serão utilizadas para cometer ou aumentar os riscos de violações do direito internacional”.

    “Um Estado que continua a fornecer armas utilizadas para cometer violações pode compartilhar a responsabilidade por essas violações”, afirmou a Anistia.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original