Após atingir Texas como furacão de categoria 1, Nicholas vira tempestade tropical

Fenômeno tocou solo na costa dos EUA perto da Península de Matagorda à 1h30 (hora local) desta terça; autoridades preveem entre 150 mm a 300 mm de chuvas e inundações na região

Madeline Holcombeda CNN

Ouvir notícia

O furacão Nicholas tocou solo nos Estados Unidos, nesta terça-feira (14), ao longo da costa do Texas como um furacão de categoria 1, ameaçando o estado com ventos e chuva forte e possível inundação.

Moradores ao longo da costa de Port Aransas a Port O’Connor enfrentam uma tempestade que pode elevar o nível das águas em até 1,5 metro enquanto Nicholas se move rapidamente, de acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC, em inglês).

A tempestade atingiu a costa perto da parte oriental da Península de Matagorda, cerca de 16 quilômetros a oeste de Sargent Beach, por volta de 1h30 (2h30, no horário de Brasília) desta terça com ventos de 120 km/h.

Horas depois de tocar o solo, o fenômeno foi rebaixado para uma tempestade tropical com ventos de 112 km/h.


Espera-se que o Nicholas inunde a região com 150 mm a 300 mm de chuva e totais isolados de 457 mm enquanto passa da costa do Golfo para o nordeste dos EUA. O fenômeno já deixou mais de 130.000 pessoas sem energia no Texas, de acordo com PowerOutage.US.

Em Houston, as autoridades de emergência disseram que ventos fortes e chuvas fortes eram esperados e pediram aos moradores que não removessem ou contornassem os bloqueios de estradas instalados por segurança.

A área de Houston foi devastada há quatro anos pelo furacão Harvey, uma tempestade de categoria 4 que tirou a vida de 68 pessoas – o maior número de mortos por furacão no estado desde 1919.

Na segunda-feira (13), o governador do Texas, Greg Abbott, assinou uma declaração de emergência, alertando os moradores do estado para se prepararem para o próximo “evento importante de água”.

Abbott disse que as pessoas precisam estar preparadas para “eventos extremos de elevação das águas, incluindo enchentes e danos potenciais causados ​​pelas chuvas”. Ele acrescentou que também havia a possibilidade de que o sistema pudesse gerar tornados.

Um alerta de furacão está em vigor de Port O’Connor até Freeport, e um alerta de furacão está em vigor para Freeport para San Luis Pass, disse o NHC.

Depois de atingir o continente, o centro da tempestade deve se mover sobre o sudeste do Texas antes de seguir para a Louisiana na quarta-feira (15), período no qual deve enfraquecer, afirmou o NHC.

Estado se prepara para fortes chuvas

Em Houston, as autoridades municipais e os socorristas estavam se preparando para uma quantidade significativa de chuva e vento.

“Esperamos algo entre 100 mm e 180 mm de chuva durante a noite, bem como algum vento, o que pode levar a algumas quedas de energia”, disse o prefeito Sylvester Turner.

Mais de 330 voos de ou para os aeroportos William P. Hobby e George Bush Intercontinental em Houston já foram cancelados, de acordo com o site de rastreamento de voos FlightAware. Todos os terminais do porto de Houston estarão fechados nesta terça-feira de manhã em antecipação à tempestade, de acordo com postagem da conta oficial do porto no Twitter.

O Distrito Escolas Independente de Houston e o Distrito Escolas Independente de Galveston anunciaram na segunda-feira que as escolas da região seriam fechadas na terça-feira.

Enquanto o estado se preparava para a tempestade, Abbott disse que havia entrado em contato com autoridades ao longo da Costa do Golfo “para ter certeza de que estamos trabalhando de forma colaborativa, para garantir que, em nível local, estaremos preparados para qualquer coisa que a tempestade traga”.

Abbott disse que o estado sobreviverá à tempestade como fez com muitas outras, mas alertou o Texas para seguir as recomendações locais.

“Parece que toda vez que temos fortes chuvas na área de Houston, há pessoas que dirigem em águas altas e às vezes perdem seus veículos e, pior ainda, às vezes perdem a vida. Sua vida é a coisa mais importante que você tem”, disse Abbott. “Seja cauteloso ao viajar pela área de Houston no condado de Harris nos próximos dias.”

Área afetada pelo furacão Nicholas, que tocou solo no Texas, nos EUA, com ventos de 120 km/h
Área afetada pelo furacão Nicholas, que tocou solo no Texas, nos EUA, com ventos de 120 km/h / CNN

Esforços de recuperação da Louisiana ameaçados

Também foi declarado estado de emergência na Louisiana, que ainda está se recuperando dos impactos devastadores do furacão Ida, que atingiu o estado há duas semanas.

“A ameaça mais grave para a Louisiana está na porção sudoeste do estado, onde a recuperação do furacão Laura e das enchentes de maio está em andamento”, disse o governador John Bel Edwards.

“Nesta área, são possíveis chuvas fortes e inundações repentinas. No entanto, também é provável que todo o sul da Louisiana seja atingido chuvas fortes esta semana, incluindo áreas recentemente afetadas pelo furacão Ida.”

O número de mortos de Ida no estado aumentou para 28, após o legista de East Baton Rouge confirmar duas mortes adicionais relacionadas à tempestade, de acordo com um tuíte do Departamento de Saúde da Louisiana na segunda-feira.

O departamento relatou a morte de um homem de 69 anos e de uma mulher de 85 anos, que morreram devido ao calor excessivo durante uma queda prolongada de energia.

Os esforços de restauração contínuos após a passagem do Ida podem ser retardados e parte do que já foi restaurado pode ser perdido devido a Nicholas, disse Edwards em uma entrevista na segunda-feira.

Na manhã desta terça, mais de 94.000 clientes na Louisiana permaneciam sem energia, de acordo com o PowerOutage.US.

Com relação aos preparativos para o furacão Nicholas, a Guarda Nacional organizará 80 veículos de enchentes, 23 barcos e 15 aeronaves no sudoeste da Louisiana e no centro da Louisiana até o final do dia e permanecerá posicionada para resposta no sudeste da Louisiana, se necessário, disse Edwards.

Deanna Hackney, Amy Simonson, Raja Razek, Carma Hassan, Gregory Lemos e Rebekah Ries contribuíram para esta reportagem.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN