Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após morte da rainha, saiba como fica relação de Charles III com a Commonwealth

    Alguns países da comunidade já discutem a realização de referendos para decidir sobre a manutenção ou não da monarquia

    Rei Charles III, durante uma mesa redonda com os participantes do seminário Natasha Allergy Research Foundation para discutir alergias e meio ambiente, em Dumfries House, Cumnock - Lanark, Escócia. Quando a foto foi tirada, ainda estava sob o título de príncipe Charles07.09.2022
    Rei Charles III, durante uma mesa redonda com os participantes do seminário Natasha Allergy Research Foundation para discutir alergias e meio ambiente, em Dumfries House, Cumnock - Lanark, Escócia. Quando a foto foi tirada, ainda estava sob o título de príncipe Charles07.09.2022 Jane Barlow - WPA Pool/Getty Images

    Da CNN Espanhol

    Horas depois de Charles III ter sido proclamado novo rei do Reino Unido, o primeiro-ministro de Antígua e Barbuda, pequena nação insular do Caribe, fez um anúncio que correu o mundo: o país fará um referendo para definir se mantém o monarca como seu chefe de Estado ou se torna uma república.

    Existem 14 nações, além do Reino Unido, que têm o rei Charles III como chefe de estado. Eles são conhecidos como os “reinos da Commonwealth”.

    Nove desses países são das Américas, enquanto os cinco restantes estão na Oceania. Muitos deles são nações insulares, mas também existem alguns territórios grandes e poderosos, como Canadá e Austrália.

    A lista é composta por Antígua e Barbuda, Austrália, Bahamas, Belize, Canadá, Granada, Ilhas Salomão, Jamaica, Papua Nova Guiné, Nova Zelândia, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas e Tuvalu.

    O rei Charles III pode ser destituído de seu título?

    Embora existam diferenças em alguns casos, a maioria dessas nações pode ser definida como monarquias constitucionais onde o rei não está envolvido na gestão cotidiana do governo, mas tem um papel importante do ponto de vista cerimonial e simbólico.

    Nestes países existe a figura do governador-geral que é o representante do rei no território. Este governador-geral é um “chefe de estado de fato”, de acordo com a página da Commonwealth of Nations, que “realiza funções cerimoniais do dia-a-dia” em nome do monarca.

    Manter Charles III é decisão de cada nação, pois são países soberanos.

    De fato, há menos de três meses em Kigali, capital de Ruanda, Charles, então príncipe herdeiro, deixou claro que não iria atrapalhar nenhum país que quisesse cortar os laços com a monarquia.

    “A Commonwealth of Nations contém em seu interior países que tiveram relações constitucionais com minha família, alguns que continuam a fazê-lo, e cada vez mais aqueles que não têm. Quero dizer claramente, como disse antes, que o acordo constitucional de cada membro, como república ou monarquia, é uma questão de cada país membro decidir”, disse ele durante um discurso em que também afirmou que era hora de enfrentar o legado da escravidão durante a colonização.

    Esse argumento é mencionado até mesmo por movimentos pró-republicanos. A organização ativista Cidadãos por uma República Canadense, por exemplo, resume isso em seu apelo por uma transformação do país: “Nenhuma realeza impede que o Canadá se torne uma república”.

    Não é o mesmo que a Comunidade das Nações

    A Commonwealth, como é chamada em inglês, é uma associação voluntária de 56 países que inclui nações que têm o monarca como chefe de estado e nações que não têm.

    Charles III também é o chefe da Commonwealth mas, ao contrário do que acontece com os reinos, não é um cargo que herdou da mãe: os dirigentes da organização confirmaram isso numa reunião em Londres em 2018.

    O órgão está focado na promoção do comércio, cooperação internacional, questões sociais e preocupações ambientais.

    Onde tocam os sinos da independência?

    Antígua e Barbuda não é o único país onde os sinos estão tocando de uma possível mudança na taxa de câmbio.

    Questões sobre o papel da monarquia na região foram levantadas em março, depois que o príncipe William e a princesa Kate visitaram Belize, Jamaica e Bahamas para comemorar os 70 anos da rainha Elizabeth II no trono.

    A viagem foi repleta de problemas e eles foram informados pelo primeiro-ministro jamaicano que o país estava “seguindo em frente” e alcançaria sua “verdadeira ambição” de ser “independente”.

    Na segunda-feira, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse que o país provavelmente se tornará uma república “eventualmente”, mas não agora. “Acho que é provável que aconteça na minha vida”, disse Ardern em entrevista coletiva, acrescentando: “Este é um debate amplo e significativo. Não acho que seja um debate que vá ou deva acontecer rapidamente.”, disse.

    Na Austrália, as vozes a favor de uma mudança também soaram. Aparentemente, a chave para manter o sistema era a própria Elizabeth II.

    Em 2017, o então primeiro-ministro Malcolm Turnbull, cofundador do Movimento Republicano Australiano, resumiu ao receber uma audiência no Palácio de Buckingham: “Embora eu seja republicano, também sou elisabetano”.

    Antecedentes: “novo começo” de Barbados

    No final de 2021, Barbados se tornou o primeiro país em quase três décadas a optar por remover a monarca da Grã-Bretanha como chefe de Estado e nomear sua primeira presidente mulher. A última nação a fazê-lo anteriormente tinha sido as ilhas Maurício em 1992.

    Charles III, então príncipe, participou da cerimônia que marcou a mudança, na qual falou de um “novo começo” e destacou “emancipação, autogoverno e independência” como pontos de referência para a nação. No entanto, a sua presença nesta ex-colônia, quando se comemorou os 55 anos de independência, não foi vista com bons olhos por todos na ilha: foi mesmo descrita como um “insulto”.

    O fator Charles

    Quando Elizabeth II subiu ao trono, seu império – que já foi o maior da Terra – estava desmoronando: país após país votou pela independência, e muitos viram isso como o começo do fim para toda a instituição da monarquia.

    Elizabeth II, então com vinte e poucos anos, interrompeu a decadência oferecendo seu apoio à Commonwealth. Ele fez disso sua prioridade e, sob sua liderança, cresceu de oito membros para 56 hoje, como explica esta análise da CNN. No final de seu reinado, um total de 14 nações (além do Reino Unido) continuaram a mantê-la como monarca.

    Charles III conseguirá manter esse legado? Essa parece ser uma das questões que aparecem na nova era. “Assim como em algum momento foi revogado que o rei ou rainha da Inglaterra era imperador da Índia, ou rei da Índia, a modernidade nos fala de movimentos antimonarquistas nas ex-colônias”, Alejandro Chanona, doutor em Ciência Política pela Universidade de Essex.

    Parte da questão vai depender da habilidade do rei que, com desgaste pessoal a reboque, terá que fazer um “duplo esforço” para se legitimar. Charles III herdou uma monarquia “muito sólida” e deve pensar bem nos passos a seguir, diz o acadêmico. E conclui: “não é fácil”.

    Com informações de Max Foster e Lauren Said-Moorhouse.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original