Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Apple é processada em ação histórica sobre monopólio do mercado de celulares

    Acusação diz que empresa monopolizou ilegalmente o mercado ao usar complexa rede de termos contratuais que prejudicam desde mensagens de texto até pagamentos móveis

    Logo da Apple em loja da empresa em Lille, na França
    Logo da Apple em loja da empresa em Lille, na França 13/09/2023 - Reuters/Stephanie Lecocq

    Brian FungHannah RabinowitzEvan Perezda CNN

    O Departamento de Justiça dos Estados Unidos e mais de uma dúzia de estados entraram com um processo antitruste contra a Apple nesta quinta-feira (21), acusando a empresa de monopolizar ilegalmente o mercado de smartphones.

    Esse é o maior processo em uma série ações antitruste que grandes empresas de tecnologia enfrentam do governo dos EUA, que está reprimindo a enorme indústria, cujo poder tem permanecido praticamente descontrolado nas últimas décadas.

    A denúncia, disse o procurador-geral Merrick Garland em entrevista coletiva, alega que “a Apple manteve o poder de monopólio no mercado de smartphones não apenas por permanecer à frente da concorrência no mérito, mas por violar a lei antitruste federal”.

    “Os consumidores não deveriam ter que pagar preços mais altos porque as empresas infringem a lei”, acrescentou.

    O processo, que foi aberto no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Nova Jersey, ocorre após anos de acusações de críticos de que a Apple prejudicou a concorrência com termos restritivos da loja de aplicativos, taxas altas e sua abordagem de “jardim murado” para seu hardware e software.

    A Apple é famosa por tornar sua tecnologia fácil de usar, mas consegue isso controlando rigorosamente, e em alguns casos, restringindo, como empresas terceirizadas podem interagir com os produtos e serviços do gigante da tecnologia.

    Em alguns casos, a companhia pode dar aos seus próprios produtos melhores acessos e funcionalidades do que os seus concorrentes.

    A empresa negou as acusações e afirmou que iria combatê-las, acrescentando que o processo poderia permitir o governo “a exercer uma mão pesada no design da tecnologia das pessoas”.

    Mas Garland pontuou nesta quinta que as ações da Apple têm efeitos abrangentes.

    “Monopólios como o da Apple ameaçam os mercados livres e justos nos quais se baseia a nossa economia. Eles sufocam a inovação. Eles prejudicam produtores e trabalhadores e aumentam os custos para os consumidores”, comentou.

    “Se não for contestada, a Apple apenas continuará fortalecendo seu monopólio dos smartphones. Mas existe uma lei para isso”, acrescentou.

    Por exemplo, a Apple permite que os clientes do iPhone enviem fotos e vídeos de alta qualidade entre si, mas a multimídia para telefones Android são mais lentos e granulados.

    A empresa, no final do ano passado, cedeu e concordou em melhorar o padrão de qualidade que utiliza para interagir com telefones Android através de mensagens de texto, mas ainda mantém essas mensagens em bolhas verdes, criando uma espécie de divisão de classes, argumentam os críticos.

    Ela também dá aos seus próprios produtos a capacidade de acessar certas partes de seu hardware que ela restringe o uso de outras empresas. Isso desencadeia uma experiência quase mágica de como os iPhones interagem com AirTags, quando os produtos dos concorrentes são muito mais limitados em suas capacidades.

    “A Apple cria barreiras que tornam extremamente difícil e caro para usuários e desenvolvedores se aventurarem fora do ecossistema Apple”, explicou Garland.

    “Processo ameaça quem somos”, diz Apple

    O processo desta quinta afirma que a Apple monopolizou ilegalmente os mercados de smartphones ao usar uma complexa rede de termos contratuais que prejudicam tudo, desde mensagens de texto até pagamentos móveis.

    Entre outras coisas, diz o Departamento de Justiça, a Apple usou seu controle sobre o iOS, o sistema operacional do iPhone, para:

    • bloquear do público novos aplicativos inovadores e serviços de streaming em nuvem;
    • degradar a forma como as mensagens do Android aparecem nos iPhones;
    • restringir a forma como os smartwatches concorrentes podem funcionar com iPhones; e
    • prejudicar soluções de pagamento rivais.

    A Apple, em comunicado, disse que o processo estabeleceria um “precedente perigoso” e prejudicaria sua capacidade de tornar a tecnologia atraente e amigável ao consumidor que tornou a empresa uma das mais valiosas do mundo.

    “Na Apple, inovamos todos os dias para fazer com que as pessoas amem a tecnologia – projetando produtos que funcionam perfeitamente juntos, protegem a privacidade e a segurança das pessoas e criam uma experiência mágica para nossos usuários”, afirmou a empresa em seu comunicado.

    “Este processo ameaça quem somos e os princípios que diferenciam os produtos da Apple em mercados ferozmente competitivos”, adicionou.

    “Acreditamos que este processo está errado nos fatos e na lei, e nos defenderemos vigorosamente contra ele”, destacou a Apple em comunicado.

    Mudanças que a Justiça quer da Apple

    O processo desta quinta-feira contra a Apple busca três soluções específicas que poderiam mudar drasticamente o modelo de negócios da empresa.

    O Departamento de Justiça quer uma ordem judicial que impeça a Apple de usar sua loja de aplicativos para bloquear novos aplicativos inovadores.

    Ele também quer que o tribunal bloqueie as restrições impostas pela Apple que impedem outros aplicativos de mensagens, smartwatches, carteiras digitais e outras tecnologias de entrar interagir com o iPhone.

    Também pediu ao tribunal para impedir a Apple de utilizar os seus termos contratuais para “obter, manter, ampliar ou consolidar” o alegado monopólio da empresa.

    A reclamação, cuja cópia foi analisada pela CNN, não pede explicitamente a dissolução da Apple. Mas não descartou a possibilidade e pediu “alívio conforme necessário para curar qualquer dano competitivo”.

    De acordo com a denúncia, a lista de estados ou distritos participantes no processo inclui Nova Jersey, Arizona, Califórnia, Connecticut, Maine, Michigan, Minnesota, New Hampshire, Nova York, Dakota do Norte, Oklahoma, Oregon, Tennessee, Vermont, Wisconsin e o Distrito de Colúmbia.

    Anos de escrutínio

    A Apple ignora há anos processos e críticas de que suas práticas são anticompetitivas. Sua excelente reputação com os consumidores e uma estratégia jurídica e de relações públicas disciplinada refletem a precisão com que a Apple fabrica e supervisiona seus produtos.

    Mas o processo histórico do Departamento de Justiça desafia uma ampla gama de práticas da companhia.

    O caso representa o mais recente esforço do governo Biden para responsabilizar uma gigante da Big Tech sob a lei antitruste dos EUA.

    A Apple foi citada em um amplo relatório da Câmara dos Deputados dos EUA em 2020, descobrindo que a fabricante do iPhone, junto com Meta, Google e Amazon, detinha “poder de monopólio”.

    Até esta quinta-feira, a Apple era a única empresa de tecnologia que o governo federal ainda não havia processado por supostas violações antitruste.

    A ação poderá pesar sobre o preço das ações da Apple, que atualmente avalia a empresa em pouco menos de US$ 3 biliões, e poderá forçar mudanças nas políticas, estratégias de negócios, produtos e aplicações da gigante tecnológica.

    Mesmo o desinvestimento de alguns ativos não está fora de questão para a Apple. As ações da empresa caíram 3% nesta quinta. O processo era muito aguardado.

    Juntamente com dois casos antitruste em andamento contra o Google, o processo do Departamento de Justiça contra a Apple provavelmente se tornará um símbolo do compromisso do governo Biden com a concorrência e a redução de preços.

    Será também um teste para saber até que ponto os tribunais estão dispostos a ir para aplicar à economia digital moderna as leis antitruste com décadas de existência.

    O caso da Apple pode ser um dos processos que serão mais acompanhados de perto movidos por Jonathan Kanter, principal autoridade antitruste do Departamento de Jusitça de Biden.

    Kanter, que na iniciativa privada já representou rivais do Google, incluindo a Microsoft e o Yelp, é visto como parte de uma nova geração de reguladores.

    Juntamente com a sua homóloga da Comissão Federal do Comércio, Lina Khan, Kanter argumentou que os Estados Unidos permitiram durante décadas uma onda de consolidação empresarial e práticas anticoncorrenciais que, em última análise, prejudicaram o público através de preços mais elevados, menos escolhas ou redução da inovação.

    Este ano, as regulamentações europeias forçaram a Apple a dar a outras empresas acesso ao chip de hardware tap-to-pay (toque para pagar, em português) do iPhone, permitindo a criação de carteiras digitais concorrentes. Mas essas regras estão limitadas à União Europeia.

    E a Apple mantém uma comissão de 30% sobre a maior parte das vendas através da sua loja de aplicações, uma reclamação frequente de empresas que tentam vender assinaturas, dizendo que a enorme taxa da Apple no mercado de smartphones as obriga a pagar o que alegam ser uma comissão desnecessariamente elevada.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original