Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Assassinato de líder do Hamas pode afetar negociações para libertação de reféns, diz premiê do Catar

    Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani foi questionado pelos EUA sobre possíveis complicações para liberar os mais de 100 detidos pelo grupo radical islâmico em Gaza

    Mais de mil pessoas marcham ao longo da rodovia 1 de Tel Aviv a Jerusalém em apoio às famílias dos reféns do Hamas
    Mais de mil pessoas marcham ao longo da rodovia 1 de Tel Aviv a Jerusalém em apoio às famílias dos reféns do Hamas Marcus Yam/Los Angeles Times

    Mitchell McCluskeyda CNN

    O recente assassinato de um importante líder do Hamas pode afetar as negociações em curso para garantir a libertação dos reféns detidos pelo grupo radical islâmico na Faixa de Gaza, disse o primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros do Catar, Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani.

    Israel realizou o ataque em Beirute na terça-feira passada e matou o líder do Hamas, Saleh Al-Arouri, segundo disse anteriormente uma autoridade dos EUA à CNN. Israel não assumiu a responsabilidade pelo ataque.

    Numa conferência de imprensa conjunta em Doha, no domingo, com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, Al-Thani foi questionado se a morte de Arouri poderia impactar as negociações para libertar os mais de 100 reféns que se acredita ainda estarem detidos em Gaza após os ataques de 7 de outubro.

    Mohammed bin Abdulrahman bin Jassim Al-Thani, Ministro das Relações Exteriores do Estado do Catar / (EuropaNewswire/Gado/Getty Images)

    “É claro que a morte de um dos principais líderes do Hamas é algo que pode afetar um processo tão complicado”, disse Al-Thani.

    O Catar desempenhou um papel central na mediação das negociações sobre reféns. E apesar dos desafios, o processo de negociação continua, disse Al-Thani.

    “Não estamos desistindo; estamos avançando. Continuamos nossas discussões com as partes e tentamos alcançar o mais rápido possível um acordo que possa trazer assistência para a ajuda humanitária e a libertação dos reféns”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original