Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Assembleia da ONU pede que Conselho reconsidere adesão da Palestina

    Texto teve 143 votos a favor, nove votos contra e 25 abstenções

    Reunião da Assembleia Geral da ONU, em Nova York
    Reunião da Assembleia Geral da ONU, em Nova York 27/10/2023REUTERS/Mike Segar

    Hira Humayunda CNN

    Uma resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas pedindo ao Conselho de Segurança da ONU para reconsiderar a adesão da Palestina foi aprovada nesta sexta-feira (10), com 143 votos a favor, nove votos contra e 25 abstenções.

    A resolução pede ao Conselho de Segurança para “reconsiderar a questão favoravelmente” e sublinha que seja concedida à Autoridade Palestina a adesão à ONU, dizendo que “o Estado da Palestina está qualificado para ser membro das Nações Unidas”.

    Antes do início da sessão da Assembleia, a Missão dos EUA na ONU indicou que se a resolução fosse adotada e o pedido de adesão enviado ao Conselho de Segurança, os EUA iriam vetá-la novamente, dizendo: “Esperamos um resultado semelhante ao que ocorreu em abril.”

    A missão dos EUA disse que a Autoridade Palestina não cumpre os critérios para adesão à ONU e que a resolução não resolve as preocupações anteriormente levantadas sobre a adesão palestina.

    Em abril, a Autoridade Palestina relançou o seu pedido de adesão e, no final desse mês, os EUA vetaram a tentativa palestina de obter o estatuto de membro. A votação no Conselho de Segurança contou com 12 membros a favor e um contra, além do veto dos EUA. Israel elogiou o veto dos EUA, qualificando a proposta palestina de “proposta vergonhosa”, enquanto a presidência da Autoridade Palestina qualificou o veto de “injusto, imoral e injustificado”.

    Em setembro de 2011, a Autoridade Palestina não conseguiu obter o reconhecimento da ONU como Estado-Membro independente. Um ano depois, a ONU decidiu que o estatuto de “entidade observadora não-membro” da Autoridade Palestina seria alterado para “Estado observador não-membro”, semelhante ao Vaticano.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original